search
Cookies não suportados!

Você está utilizando um navegador muito antigo ou suas configurações não permitem cookies de terceiros.


Assine agora e tenha acesso ao conteúdo exclusivo do Tribuna Online!

esqueceu a senha? Assinar agora
Cookies não suportados!

Você está utilizando um navegador muito antigo ou suas configurações não permitem cookies de terceiros.

Coçar nem sempre cessa coceira
Doutor João Responde

Coçar nem sempre cessa coceira

O nome “Jussara” vem da palavra tupi que significa “coceira”, sendo usada para designar os espinhos de uma palmeira que os índios utilizavam como agulhas para tecer. O pó que saía dessa árvore causava intenso prurido na pele.

Embora o mecanismo de ação da substância pruriginosa existente no vegetal não fosse conhecido pelo nativo, a incômoda coceira era do conhecimento geral. Quem, então, nunca sentiu coceira?! O ato de coçar é universal.

O prurido é uma percepção incômoda na pele que desencadeia a necessidade de se arranhar.
Popularmente conhecido como coceira, o comichão pode ter diversas causas, como pele ressecada, picada de insetos, dermatoses ou, até mesmo, ser sintoma de doenças como cirrose, alguns tipos de câncer, insuficiência renal crônica, etc. Prurido é um sintoma, não uma doença.

Existem vários tipos de comichão, como:

Prurido dermatológico, provocado por eczemas e psoríase. Cânceres e distúrbios metabólicos também geram coceira.

Prurido neurogênico, originado no sistema nervoso central e periférico.
Coceira neuropática, manifestado em doenças das fibras nervosas, como catapora, esclerose múltipla e herpes-zóster.

O psicogênico, tipo de coceira que não tem causa física.

Este pode surgir em pessoas que apresentam doenças como depressão emocional, transtorno bipolar, ansiedade, distúrbio obsessivo-compulsivo, distúrbios alimentares, dependência de drogas ou transtornos de personalidade, por exemplo.

Em algumas pessoas, o consumo de certos tipos de drogas, alimentos, frio, calor, suor ou, até mesmo, algumas doenças, como diabetes, intoxicações, afecções da tireoide, entre outras, podem causar prurido.

Alguns indivíduos podem apresentar coceira apenas em uma região específica do corpo, como na região anal, por exemplo.

Nesse caso, o prurido é gerado por vários fatores, como alergia ao papel higiênico, má higiene, parasitas intestinais, roupa muito apertada, etc.

O ato de se coçar, às vezes, provoca arranhaduras que fazem com que a histamina seja liberada na pele, produzindo mais prurido e gerando, assim, um círculo vicioso.

Prurido vaginal pode ter as mesmas causas do prurido anal e, além delas, pode ser provocado por infecções fúngicas, como candidíase, atrito ou fricção da pele, dermatites, alergias a produtos de higiene, etc.

Prurido presente em casos de icterícia, gravidez e diabete mellitus, pode ser intenso e generalizado. Geralmente, é resistente aos tratamentos disponíveis.

Arranhaduras causadas por animais domésticos também costumam gerar prurido, que provoca escoriações, rubor, urticárias, infecções e pigmentação alterada da pele ou das mucosas.

O prurido intenso e ininterrupto costuma ser torturante e incapacitante. Muitas vezes, quando sente comichão, o indivíduo coça-se, e a situação desaparece.

A coceira provocada por causas transitórias, como picada de pernilongo ou uso de camisa de lã, dura pouco e é facilmente aliviada, enquanto que a comichão por outras situações, como o eczema ou o herpes, pode permanecer durante anos.

Dependendo de sua etiologia, a coceira pode estar sozinha ou vir acompanhada de outros sintomas, como vermelhidão, pápulas, manchas, escamas, bolhas ou feridas, podendo ser provocados por enfermidades ou pelo ato frequente de coçar.

Pessoas supersticiosas afirmam que a coceira na palma da mão está ligada à vida financeira, querendo dizer que o indivíduo vai ganhar muito dinheiro.

Todavia, para a medicina, esse sintoma pode estar indicando problemas de saúde, como alergias, dermatites, infecções, micoses, etc.

Prurido também lembra amor, esse desejo irresistível de ser irresistivelmente desejado.

João Evangelista Teixeira Lima é clínico geral e gastroenterologista

Conteúdo exclusivo para assinantes!

Assine agora e tenha acesso ao conteúdo exclusivo do Tribuna Online!

Matérias exclusivas, infográficos, colunas especiais e muito mais, produzido especialmente pra quem é assinante.

Apenas R$ 9,90/mês
Assinar agora
esqueceu a senha?

últimas dessa coluna


Exclusivo
Doutor João Responde

Nossa memória imunológica

Quase ninguém se recorda da última vez em que ficou doente por conta de uma infecção microbiana, mas o sistema imune lembra bem desse momento da vida, assim como de vários outros anteriores. …


Exclusivo
Doutor João Responde

Esses malditos vírus

Nada garante a saúde permanente do ser humano. Por mais que a vida seja protegida, nada assegura a manutenção da tranquilidade do amanhã. Por esse motivo, a ciência toma conclusões como verdades …


Exclusivo
Doutor João Responde

Maconha não é droga inofensiva

Quando aquele jovem apareceu no consultório, eu já sabia boa parte da história que ele iria me contar. Preocupada, sua mãe havia ligado antes, me passando algumas informações a seu respeito. …


Exclusivo
Doutor João Responde

Minha vesícula encheu de pedras

Semanas após ter sido encaminhada para extrair a vesícula biliar, a paciente retornou ao meu consultório. Satisfeita, ela afirmou: “Minha cirurgia foi um sucesso, doutor”. Nada lembrava a …


Exclusivo
Doutor João Responde

Estou magro, mas sou gordo

Doze meses após se consultar comigo, o paciente reapareceu. Lembro-me quando ele chegou pela primeira vez. Lá estava, diante de mim, um adiposo jovem, carregando lipídios, complexos e desânimo. …


Exclusivo
Doutor João Responde

Idoso não deve morar sozinho

Amparado pelas filhas, um senhor de idade avançada entrou na minha sala e, com certa dificuldade, sentou-se na cadeira. Eu perguntei: O que posso fazer pelo senhor? Como ele se manteve silencios…


Exclusivo
Doutor João Responde

Ainda bem que envelhecer não dói

Agora que meu espírito amadureceu, meu corpo começou a envelhecer, lastimou um grisalho senhor. É verdade. A vida é curta, os sonhos são fugazes, as crises são duradouras, as decisões são difíceis, …


Exclusivo
Doutor João Responde

Como não enjoar navegando no mar

Minha pergunta é bastante objetiva, expôs um paciente ao entrar no meu consultório: Existe algo que eu possa fazer para evitar o vexame de correr em direção à amurada da embarcação e “deitar cargas …


Exclusivo
Doutor João Responde

Doença como forma de protesto

Quando aquele casal entrou no consultório, eu não imaginava que os sintomas, descritos por ambos, revelavam uma linguagem cifrada para um se queixar do outro. Mal iniciei a consulta do marido, a …


Exclusivo
Doutor João Responde

“Não posso ficar doente, doutor!”

Há mais de três décadas, eu venho observando os olhares aflitos de alguns doentes, quando confrontados com a realidade da doença. Adoecer significa sair da ativa, tendo em vista que “paciente” quer …


Olá, !

Esse é o seu primeiro acesso por aqui, então recomendamos que você altere o seu nome de usuário e senha, para sua maior segurança.



Manter dados