Notícias

Cidades

Capixaba é a primeira com síndrome de down a tirar carteira no País


Maria Clara posa toda orgulhosa e feliz dentro do carro da autoescola: “Estou evoluindo”, conta ela (Foto: Leone Iglesias/ AT)
Maria Clara posa toda orgulhosa e feliz dentro do carro da autoescola: “Estou evoluindo”, conta ela (Foto: Leone Iglesias/ AT)

Ainda na sala de parto, os pais de Maria Clara de Carvalho receberam a notícia de que a filha tinha um “problema”. De acordo com os médicos, tratava-se de uma limitação que iria tirar dela qualquer possibilidade de independência, privando-a de uma vida normal: a síndrome de down.

Passados 22 anos, Maria Clara hoje é chef de cozinha, está casada, faz aula de teatro, dança e está se preparando para mais um novo desafio: vai tirar sua carteira de motorista. A família, que consultou instituições de todo o País, garante que ela será a primeira brasileira com síndrome down a conseguir a Carteira Nacional de Habilitação (CNH).

“Desde criança sonho em dirigir. Quando estou ao volante, é uma emoção muito grande, tenho uma sensação de liberdade, algo sensacional”, conta a futura motorista, que mora em Jardim Camburi, Vitória.

Focada, Maria Clara estuda todos os dias o livro com as informações teóricas e as regras de trânsito, além de já ter feito simulados disponíveis na internet. Ela também já realiza aulas práticas com o pai e está prestes a ter a primeira aula na autoescola. Antes disso, no entanto, precisa passar por avaliações psicológicas para comprovar sua capacidade psíquica.

Para o pai, o empresário Aldeci Carvalho, o teste só deve indicar o que ele já acredita há anos: “Ela é totalmente capaz. Todos nós temos limitações, mas o objetivo que ela quer alcançar é possível. A notícia de que ela tinha um ‘problema’ foi dada por uma equipe médica despreparada e com pouca informação. O grande problema, infelizmente, é o preconceito”, afirma o pai.

A vontade de Maria Clara em assumir a direção é tanta que todos os envolvidos no processo se sentem motivados. Um exemplo é o dono da autoescola, que fez questão de dar as aulas pessoalmente. “Gosto de desafios, então darei as aulas eu mesmo. Quero muito ajudar e participar desse momento”, disse Thiago Gavazza.

A história da jovem chef já foi contada por A Tribuna. Na edição do dia 14 de setembro de 2018, a reportagem mostrou os preparativos para o seu casamento com o auxiliar de comunicação Felipe Ribeiro, também portador de síndrome de down.

“Foi algo incrível e emocionante. Sem dúvidas, a melhor coisa que já aconteceu na minha vida”.

A Tribuna – Nossa reportagem mostrou em setembro do ano passado os preparativos para o seu casamento. Como foi a festa e como vocês estão?
Maria Clara de Carvalho – Foi ótimo e incrível. Gostei de tudo, da decoração à festa. Tive a oportunidade de fazer a primeira viagem com meu marido, e fomos para Domingos Martins. Foi emocionante, a melhor coisa que já aconteceu na minha vida. Hoje, estou tranquila e feliz, pois ele me completa.

Entre tantas atividades que você gosta de fazer, por que escolheu a gastronomia para trabalhar?
Eu sempre ajudei muito a minha mãe na cozinha. Eu fazia arroz, lasanha entre outras coisas e um dia falei para ela que queria fazer faculdade de gastronomia. Sempre tive o sonho de trabalhar em uma doceria ou em um restaurante. Comecei a frequentar muito uma loja de doces do bairro (Jardim Camburi). Quando me formei, a primeira coisa que pensei foi em trabalhar nessa loja. Acabei virando sócia.

Agora você busca tirar sua carteira de habilitação. Sempre pensou em dirigir?
Desde criança eu sonho em dirigir. Quando estou no volante é uma emoção muito grande, algo sensacional, uma sensação de liberdade. Estudo muito e estou quase terminando o livro das leis de trânsito. Estou indo bem. Dirigindo, a minha única dificuldade é seguir na direção certa e prestar atenção nas placas ao mesmo tempo, mas estou evoluindo com a prática.

E depois de realizar tudo isso, você ainda tem grandes sonhos e objetivos para a vida?
Ainda tenho dois sonhos que estão prestes e a se tornar realidade: quero ter uma casa própria e ser mãe. Pretendo construir uma família para estar totalmente completa e realizada na minha vida.