Cookies não suportados!

Você está utilizando um navegador muito antigo ou suas configurações não permitem cookies de terceiros.


Assine agora e tenha acesso ao conteúdo exclusivo do Tribuna Online!

esqueceu a senha? Assinar agora
Cookies não suportados!

Você está utilizando um navegador muito antigo ou suas configurações não permitem cookies de terceiros.

Cantor do Black Eyed Peas convida Ludmilla para colaboração musical

Música

Cantor do Black Eyed Peas convida Ludmilla para colaboração musical


Ludmilla foi uma dos convidadas da Funk Orquestra que, no último sábado (5) contou a história do funk no Rock in Rio. A cantora se apresentou pela primeira vez no festival de música e chamou a atenção, particularmente, de Taboo, um dos integrantes do Black Eyed Peas, grupo que também tocou no evento no mesmo dia.

O cantor aproveitou uma publicação da funkeira no Instaram para fazer um convite: "Respeito a você. Vamos fazer uma música juntos? Muito amor", escreveu ele. Na resposta, Ludmilla disse que se sentiu honrada: "vamos nessa", acrescentou.

Ao colunista Leo Dias, a cantora disse que o convite é para valer. "Depois de me chamar para assistir ao show (do Black Eyed Peas) do palco e de me elogiar, falar que ficou hipnotizado com o meu show pela televisão, que sentiu a energia pela televisão, (Taboo) me chamou para gravar com eles", contou.

O Black Eyed Peas fez, recentemente, uma música em parceira com Anitta (Foto: Francisco Cepeda/ AgNews)
O Black Eyed Peas fez, recentemente, uma música em parceira com Anitta (Foto: Francisco Cepeda/ AgNews)

O Black Eyed Peas fez, recentemente, uma música em parceira com Anitta, que foi convidada para subir ao palco do Rock in Rio para cantar com o grupo. Mais cedo, ela tinha feito sua estreia no festival.

Primeira vez

"Teve preta, funkeira e favelada no palco do Rock in Rio, sim!" Foi dessa forma que Ludmilla manifestou sua emoção e agradecimentos após cantar pela primeira vez em um dos maiores festivais de música do mundo.

Em seu perfil no Instagram, a cantora de Duque de Caxias, cidade da Baixada Fluminense, falou o quanto foi importante para ela, aos 24 anos, ter essa oportunidade "em um mundo cheio de preconceitos". "Quantas vezes eu ouvi que o funk não me levaria a lugar nenhum, e olha onde estou! Vocês têm noção do que isso representa? Nós podemos tudo! Funk é cultura, é raiz, o funk salva vidas!", afirmou..


Olá, !

Esse é o seu primeiro acesso por aqui, então recomendamos que você altere o seu nome de usuário e senha, para sua maior segurança.



Manter dados