Flávio Dias

Flávio Dias


Cansados de apanhar

O vascaíno Kelvin saiu vaiado de campo (Foto: Rafael Ribeiro/Vasco)
O vascaíno Kelvin saiu vaiado de campo (Foto: Rafael Ribeiro/Vasco)
O Vasco já levou algumas pauladas este ano. Na fase preliminar da Libertadores, levou de 4 a 0 do Jorge Wilstermann e teve a altitude como álibi. Na fase de grupos, não viu a bola e foi goleado pelo Racing também por 4 a 0, fora de casa. Depois, fez ainda pior e tomou de 4 a 0, só que em São Januário.

Na Copa do Brasil, a derrota por 3 a 0 para o Bahia fora de casa no jogo de ida minou as chances de classificação nas oitavas de final.

No Brasileirão, a goleada sofrida para o Santos por 3 a 0, no Maracanã cheio, foi a terceira do time com três gols de desvantagem. Na sétima rodada, levou 3 a 0 do Bahia, fora de casa. Na 16ª rodada, o Corinthians fez 4 a 1, em São Januário.

Três treinadores — quatro, se formos contar os jogos com Valdir Bigode como interino — já comandaram o Vasco na temporada: Zé Ricardo, Jorginho e Alberto Valentim. Todos sofreram derrotas marcantes.

Apanhar cansa. O time já sofreu 75 gols na temporada. E a torcida, mesmo com demonstrações de amor ao clube, já não tem mais paciência e está envergonhada. As vaias são mais do que justas.

O Vasco de apoiava nos jogos atrasados para encobrir que a situação no Brasileirão é ruim. Já fez um deles, e perdeu (para o Atlético/PR). Falta um. Sabe contra quem? O mesmo Santos que ontem o atropelou. É cair na real e trabalhar muito para não ter que lutar contra o rebaixamento nas últimas rodadas. Fechar a casinha, ganhar os confrontos diretos é o primeiro passo.

***

Gabigol

O atacante Gabriel, campeão olímpico com a seleção brasileira em 2016, saiu do Brasil certo de que seria estrela no futebol italiano. Fracassou no Inter de Milão e no Benfica. Voltou ao Brasil, novamente para o Santos.

Foi o grande nome da goleada do Santos. E, pelo menos desta vez, fez por merecer o apelido de Gabigol. Levou a bola para casa por causa dos três gols, os três de primeira. Atuação realmente boa.
Mas daí a elevá-lo ao status de craque, falta muito…

***

Crueldade demais

Jael, com crueldade, faz gol de pênalti em cima do Fogão (Foto: Lucas Uebel/Grêmio)
Jael, com crueldade, faz gol de pênalti em cima do Fogão (Foto: Lucas Uebel/Grêmio)
Um dia péssimo para o bom zagueiro Joel Carli, uma tarde especial para Jael, e o Botafogo foi atropelado pelo Grêmio: 4 a 0.

Já falei algumas vezes que acho o técnico Zé Ricardo normal. Bom, mas na média dos demais. O Zé Ricardo deste ano, porém, mudou. E para pior. Seus times sofrem muitos gols. Foi assim com o Vasco no primeiro semestre, e parece que vai ser assim com o Botafogo também. Foram nove gols sofridos só nos últimos quatro jogos pelo Brasileirão! É muita bola para buscar no fundo da rede…

A prioridade do Botafogo tem que ser a Sul-Americana. Mas, para isso, tem de abrir o olho e não correr risco no Brasileirão.