Cookies não suportados!

Você está utilizando um navegador muito antigo ou suas configurações não permitem cookies de terceiros.


Assine agora e tenha acesso ao conteúdo exclusivo do Tribuna Online!

esqueceu a senha? Assinar agora
Cookies não suportados!

Você está utilizando um navegador muito antigo ou suas configurações não permitem cookies de terceiros.

Cama compartilhada, pode ou não pode?

Cama compartilhada, pode ou não pode?

Quando um novo bebê chega, principalmente de pais de primeira viagem, a dúvida sobre qual é o melhor lugar para ele ficar – em quarto próprio ou com o casal – atormenta a família.

Recentemente, a Academia Americana de Pediatria (AAP) publicou recomendações atualizadas com o intuito de reduzir a morte dos recém-nascidos enquanto dormem. A entidade passou a aconselhar, por exemplo, que o bebê fique no mesmo quarto dos pais até um ano de vida, mas em superfícies separadas.

O compartilhamento da cama divide opiniões. A psicanalista Kelly Lopes tem dois filhos e não é adepta da cama compartilhada. Para ela, ter o próprio espaço ajuda os pequenos a se tornarem independentes e seguros de si.

Dina Carvalho
Dina Carvalho

“Quando se mantém a criança no quarto dos pais, isso enfatiza a dependência afetiva, como se ela só pudesse estar segura na companhia deles. Isso gera insegurança”.

Para Kelly, é preciso pensar no desenvolvimento da criança como um todo, não apenas em fases fragmentadas. “A independência torna a criança segura, capaz, menos melindrosa e ela acaba gostando mais de ousar e experimentar”.

A jornalista Grazieli Esposti, do Blog Jeito de Mãe, não compartilhou a cama com os filhos Bernardo, 7, e Henrique, 4. Ela decidiu colocar o bercinho do primogênito no seu quarto apenas no 1º mês e, depois que ele foi para o próprio espaço, monitorava o bebê pela babá eletrônica. O segundo filho foi direto para o quarto do irmão.

“Até um ano eu levantei para atender as necessidades deles sempre. Cheguei a contabilizar 20 vezes em uma noite. Acredito que independente do lugar onde o filho dorme, estar ali quando ele precisa é fundamental. Seria mais cômodo ele chorar e já estar ao meu lado? Com certeza! Mas para mim não funcionaria, nunca consegui pegar no sono com um bebê na minha cama”, contou.

Fernanda Perim é blogueira do PsiMama e Consultora do sono infantil, psicóloga e educadora parental e a favor da prática. Para ela, cama compartilhada feita de forma segura, além de confiança, promove também a conexão, a amamentação noturna é prolongada, além do sono de qualidade para filhos e pais.

"Quando a criança estiver pronta, vai evoluir pro interesse de não dormir lá mais. Caso os pais precisem antes disso, sugiro a dessensibilização sistemática, ou seja, desacostumar a criança, gradual e gentilmente, e incluir um novo hábito", sugeriu.

As questões que envolvem a criação dos filhos são muito pessoais e devem ser respeitadas. E você, é a favor ou contra? Comente!

Por Luciana Pimentel


Olá, !

Esse é o seu primeiro acesso por aqui, então recomendamos que você altere o seu nome de usuário e senha, para sua maior segurança.



Manter dados