search
Cookies não suportados!

Você está utilizando um navegador muito antigo ou suas configurações não permitem cookies de terceiros.


Assine agora e tenha acesso ao conteúdo exclusivo do Tribuna Online!

esqueceu a senha? Assinar agora
Cookies não suportados!

Você está utilizando um navegador muito antigo ou suas configurações não permitem cookies de terceiros.

Cadela precisa de oxigênio durante voo e é salva pela tripulação

Notícias

Publicidade | Anuncie

Internacional

Cadela precisa de oxigênio durante voo e é salva pela tripulação


 (Foto: Reprodução/Facebook)
(Foto: Reprodução/Facebook)

A ação rápida da tripulação salvou a vida de uma cadela de três anos durante voo da JetBlue entre Flórida e Massachusetts (EUA).

Darcy, da raça buldogue francês, viajava na cabine quando começou a passar mal, na quinta-feira (5). A tutora, Michele Burt, diz que resolveu pegar a cadela no colo porque percebeu que ela se mexia na caixa de transporte. Notou, então, que estava com dificuldade para respirar e com a língua azul – indício de que algo não estava bem.

Um comissário levou gelo, para tentar baixar a temperatura, mas Darcy continuava muito ofegante. Em seguida, os tripulantes optaram por usar máscara de oxigênio no animal.

Ao programa Good Morning America, da rede ABC, Renaud Fenster, disse que assim que tomou a decisão de levar oxigênio à cadela comunicou ao comandante, que deu o aval. Em poucos minutos, Darcy estava bem outra vez.

Antes do desembarque, Renaud posou sorrindo com a cadela em seu colo.

Comissário fez questão de tirar foto com o animal. (Foto: Reprodução)
Comissário fez questão de tirar foto com o animal. (Foto: Reprodução)

Em carta publicada em rede social e atribuída à tutora, ela diz acreditar que os comissários tiveram papel fundamental para o bem-estar do bichinho. Afirma ainda que algumas pessoas podem tentar reduzir o valor da vida por Darcy ser um animal, mas é um membro da família.

À ABC News a empresa aérea diz prezar pela segurança e conforto de todos – incluindo passageiros de quatro patas – e afirma ser grata pela atuação dos funcionários.

Não é o primeiro caso de cachorro que passa mal a bordo, mas, dessa vez, teve final feliz. Em março, um buldogue francês morreu em um voo da United Airlines, depois de ter sido colocado por um comissário no espaço destinado a bagagens de mão. A repercussão, aliada a outras falhas, levou a empresa a reavaliar seu serviço de transporte de animais.


Olá, !

Esse é o seu primeiro acesso por aqui, então recomendamos que você altere o seu nome de usuário e senha, para sua maior segurança.



Manter dados