search
Cookies não suportados!

Você está utilizando um navegador muito antigo ou suas configurações não permitem cookies de terceiros.


Assine agora e tenha acesso ao conteúdo exclusivo do Tribuna Online!

esqueceu a senha? Assinar agora
Cookies não suportados!

Você está utilizando um navegador muito antigo ou suas configurações não permitem cookies de terceiros.

Bolsonaro nomeia Roberto Alvim para comando da Secretaria de Cultura

Notícias

Política

Bolsonaro nomeia Roberto Alvim para comando da Secretaria de Cultura


 (Foto: Reprodução/Facebook)
(Foto: Reprodução/Facebook)
O presidente Jair Bolsonaro nomeou nesta quinta-feira (7) o dramaturgo bolsonarista Roberto Alvim para o comando da Secretaria Especial de Cultura. Ele exercia o cargo de diretor do Centro de Artes Cênicas da Funarte (Fundação Nacional de Artes). A nomeação foi publicada em edição extra do "Diário Oficial da União".

Alvim ganhou recentemente a simpatia de Bolsonaro ao ter protagonizado um embate público com a atriz Fernanda Montenegro. Ele usou as redes sociais em setembro para atacar atriz, após ela ter posado para a capa da revista Quatro Cinco Um.

Na época, ele disse sentir "desprezo" por Fernanda e a acusou de ser "mentirosa". Na publicação, ela aparecia vestida de bruxa em uma fogueira de livros. A Associação dos Produtores de Teatro emitiu nota repudiando as declarações do dramaturgo.

Antes de assumir o cargo de diretor, Alvim comandava o Clube Noir, renomado espaço teatral em São Paulo, até a casa ter as atividades encerradas neste ano –declínio que ele atribui a um boicote promovido pela esquerda após assumir-se de direita.

Há três anos, ele dirigiu a montagem Leite Derramado, baseada no romance homônimo do compositor Chico Buarque. Se na época Alvim era próximo de Chico, hoje considera que a aproximação de Bolsonaro representa o fim de sua carreira no teatro.

Nesta quinta-feira (7), o presidente também transferiu a Secretaria Especial de Cultura do Ministério da Cidadania para o Ministério do Turismo. A mudança não é a primeira que deve ser feita na Cidadania, cujo plano do presidente é desidratá-la para que seja futuramente fundida ao Ministério dos Direitos Humanos. 

A Secretaria Especial do Esporte, por exemplo, que também é subordinada à pasta, deve ser transferida até o final do ano para Turismo ou Educação. A fusão faz parte de plano administrativo discutido entre a Casa Civil e a Economia. A ideia de Bolsonaro é fazer as mudanças a conta gotas, evitando que sejam chamadas de uma reforma ministerial. 

Com uma Cidadania enxuta, a ideia é que seja incorporada pela ministra Damares Alves, dos Direitos Humanos. O presidente ainda não definiu o destino do ministro Osmar Terra (Cidadania). Uma das hipóteses aventadas por auxiliares presidenciais é de que ele assuma Saúde.

A alteração poderia, no entanto, causar um incômodo com o DEM, que hoje está à frente da pasta com um dos maiores orçamentos da Esplanada dos Ministério.


Olá, !

Esse é o seu primeiro acesso por aqui, então recomendamos que você altere o seu nome de usuário e senha, para sua maior segurança.



Manter dados