Cookies não suportados!

Você está utilizando um navegador muito antigo ou suas configurações não permitem cookies de terceiros.


Assine agora e tenha acesso ao conteúdo exclusivo do Tribuna Online!

esqueceu a senha? Assinar agora
Cookies não suportados!

Você está utilizando um navegador muito antigo ou suas configurações não permitem cookies de terceiros.

Bolsa cai com atraso na reforma da Previdência

Notícias

Economia

Bolsa cai com atraso na reforma da Previdência


Segundo analistas do mercado financeiro, o adiamento da votação do primeiro turno da reforma da Previdência no Senado é a principal causa do recuo da Bolsa brasileira desta terça-feira (24). O Ibovespa fechou em queda de 0,7%, a 103.875 pontos.

Pelo segundo dia seguido, o presidente da casa, Davi Alcolumbre (DEM-AP) não seguiu o cronograma de apreciação da matéria. Agora, a votação foi remarcada para a próxima terça (1º).

O atraso da principal pauta econômica do mercado financeiro fez o dólar, que operava em queda, disparar por volta das 10h20. O pico entre as 10h38 e 10h40, com o dólar cotado a R$ 4,182.

A valorização do dólar veio antes do discurso de Jair Bolsonaro (PSL-RJ) na Organização das Nações Unidas (ONU) que, de acordo com analistas, não teve impacto no mercado doméstico.

"Foi mais o adiamento da reforma da Previdência que pesou no mercado hoje. O mercado estava confortável com o andamento do projeto e este atraso nos deixou desconfortáveis", afirma Thomaz Fortes, gestor de fundos da Warren.

A fala do presidente na ONU teve início às 10h40 da manhã e durou 32 minutos. Neste meio tempo, a moeda americana foi para R$ 4,175 às 11h12. "O discurso não foi o ideal. Esperávamos ouvir mais sobre Amazônia e tratados comerciais e ele [Bolsonaro] ficou muito em uma agenda própria, que já estamos acostumados a ouvir aqui no Brasil, mas pode pegar mal com estrangeiros", diz Victor Beyruti, economista da Guide Investimentos.

"Esse discurso foi pouco relevante para o mercado e não teve impacto. Bolsonaro não falou nada que ele não tenha dito antes", afirma George Wachsmann, economista da Vitreo.

Wachsmann lembra que a cotação do dólar já vinha pressionada há semanas, com uma valorização internacional da moeda americana e aversão a risco com guerra comercial entre China e Estados Unidos e desaceleração da economia global.

Tais fatores voltaram ao foco dos investidores com o discurso do presidente americano Donald Trump na ONU, logo em seguida de Bolsonaro. Com novas críticas à China e ao Irã, a fala de Trump derrubou mercados internacionais.

Em Nova York, o índice S&P 500 fechou em queda de 0,9%. Dow Jones caiu 0,5% e Nasdaq, 1,46%. A aversão a risco levou a moeda americana a perder força contra seus principais pares. No Brasil, depois de bater os R$ 4,18, o dólar terminou estável, a R$ 4,17.

O presidente dos EUA também é alvo de uma pressão por impeachment, defendido por alguns democratas após a confirmação de que Trump acusou o democrata de Joe Biden de corrupção em durante uma ligação telefônica para o presidente da Ucrânia, Volodymyr Zelenski.

Outra notícia negativa foi a piora na confiança do consumidor americano em setembro. O índice foi para 125,1, menor nível em nove meses, bem abaixo das expectativas dos economistas de 133,5.

A piora do cenário externo levou o Ibovespa a cair 1%, em uma mínima durante o pregão desta terça de 103.503 pontos às 13h45.​ No fechamento, a queda amenizou e foi de 0,72%, a 103.875 pontos.

O giro financeiro foi de R$ 13,4 bilhões, abaixo da média diária para o ano.


Olá, !

Esse é o seu primeiro acesso por aqui, então recomendamos que você altere o seu nome de usuário e senha, para sua maior segurança.



Manter dados