search
Cookies não suportados!

Você está utilizando um navegador muito antigo ou suas configurações não permitem cookies de terceiros.


Assine agora e tenha acesso ao conteúdo exclusivo do Tribuna Online!

esqueceu a senha? Assinar agora
Cookies não suportados!

Você está utilizando um navegador muito antigo ou suas configurações não permitem cookies de terceiros.

Bola na cal
Gilmar Ferreira
Gilmar Ferreira

Gilmar Ferreira


Bola na cal

Cinco pênaltis em sete jogos foi o saldo de uma rodada que deixou o Flamengo um pouco mais perto de mais um título do Brasileirão — o sétimo de sua coleção. Mesmo desfigurado, sem algumas das estrelas que o fazem ser diferente, o time de Jorge Jesus venceu o Fortaleza no Castelão, de virada, por 2 a 1, e fortaleceu ainda mais o trabalho do técnico português.

Foi um pênalti no 1 a 0 do Bahia sobre o Grêmio, no Sul; outro no 2 a 2 entre CSA e Atlético/MG, em Maceió; um no 2 a 2 do Goiás com o Corinthians, no Serra Dourada: e dois neste 2 a 1, no Castelão.

Dos cinco, quatro marcados a menos de dez minutos para o final do jogo — três deles no minuto final. Claro, todos eles com o aval do olhar eletrônico.

Números

Com estes cinco, todos marcados na quarta-feira (e sem computar o confronto de ontem entre Fluminense e Athletico/PR (escrevo antes da partida), o Brasileirão chegou ao número de 85 pênaltis em 259 jogos disputados — um a cada três confrontos.

Ou 85 em 26 rodada, média de três a cada uma, número que quase dobra a média geral.

Autoridade

Impressiona nesse trabalho de Jorge Jesus a autoconfiança do conjunto, algo que já me parece imutável. O Flamengo somou 37 dos últimos 39 pontos em disputa e este aproveitamento de 94% não foi obtido só com o time principal.

Jesus foi obrigado a lançar reservas experimentados e não teve medo de levar a campo garotos como Reinier, Lucas Silva e Vítor Gabriel, como nesta virada sobre o Fortaleza de Rogério Ceni.
A atuação esteve abaixo do padrão visto em seus melhores momentos, mas ainda assim o time teve 65% de posse e quase 450 passes trocados. E foi também quem mais finalizou ao gol: 8 a 5.

Clássico

O Vasco conseguiu duas vitórias nos clássicos contra Fluminense e Botafogo jogando em São Januário, o que me leva a crer que a venda do mando de campo do jogo contra o Flamengo foi, tecnicamente, uma decisão equivocada.

O time de Vanderlei Luxemburgo joga na base da imposição, e a força da torcida foi o seu diferencial nos 2 a 1 sobre o Botafogo assumido por Alberto Valentim. O time teve mais de 60% de posse de bola e criou chances de gol. Faltou, como sempre, quem pusesse a bola para dentro.

Conteúdo exclusivo para assinantes!

Assine agora e tenha acesso ao conteúdo exclusivo do Tribuna Online!

Matérias exclusivas, infográficos, colunas especiais e muito mais, produzido especialmente pra quem é assinante.

Apenas R$ 9,90/mês
Assinar agora
esqueceu a senha?

últimas dessa coluna


Exclusivo
Gilmar Ferreira

Minhas impressões

As atuações do Flamengo em 2020, antes mesmo da paralisação do futebol para o combate à Covid-19, já nos davam mostras de que o futebol praticado pelo time do português Jorge Jesus não era o mesmo …


Exclusivo
Gilmar Ferreira

O novo normal

Depois da euforia, a depressão. O maciço engajamento na luta pelo direito de transmissão dos jogos do time no Carioca, deu a torcida do Flamengo a impressão de que a vida no reino encantado da …


Exclusivo
Gilmar Ferreira

Cristal partido...

O triste imbróglio envolvendo as transmissões dos jogos do Campeonato Carioca chamuscou um pouco mais a imagem da Federação de Futebol do Rio (Ferj) presidida por Rubens Lopes. Porque, a rigor, a …


Exclusivo
Gilmar Ferreira

Copa Rubão

Há poucos dias optei por deixar os exercícios no deserto do playground do edifício em que vivo, a um quilômetro do Maracanã, para arriscar uma caminhada mais forte ao redor do estádio. Foram três, em …


Exclusivo
Gilmar Ferreira

Minhas impressões

O Rio registrou mais mortes pela Covid-19 no domingo, chegando à marca de 9.819 óbitos (6.393 só na capital!), com 111.298 casos notificados no Estado. Mas a bola rolou assim mesmo para os outros …


Exclusivo
Gilmar Ferreira

Bravo, Autuori!

Pensei em selecionar alguns trechos da entrevista que o companheiro Thales Machado fez com o técnico Paulo Autuori para ilustrar esta coluna que escrevo em homenagem ao técnico do Botafogo. Mas foi …


Exclusivo
Gilmar Ferreira

A mística do Fla-Flu...

Tenho lá minhas dúvidas sobre o nível de preparação dos times de Botafogo e Fluminense para competir com excelência depois de cerca de 100 dias de afastamento do campo e bola. Mais ainda fazendo …


Exclusivo
Gilmar Ferreira

Fora da pauta...

A medida liminar concedida ontem pelo Superior Tribunal de Justiça Desportiva (STJD) desfaz o imbróglio entre clubes e federação e destrava, temporariamente, a disputa da Taça Rio - segundo turno do …


Exclusivo
Gilmar Ferreira

O fiel da balança...

É simplesmente inacreditável a vocação dos dirigentes dos clubes cariocas para estragar uma competição que, nos dias de hoje, a rigor, tem apenas duas serventias: ganhar o bom dinheiro que é pago …


Exclusivo
Gilmar Ferreira

Gol de Maricá...

A Medida Provisória (MP) publicada pelo presidente Jair Bolsonaro, liberando para o “clube mandante” o direito de transmissão de seus jogos, foi comemorada nos bastidores do Flamengo como um gol de …


Olá, !

Esse é o seu primeiro acesso por aqui, então recomendamos que você altere o seu nome de usuário e senha, para sua maior segurança.



Manter dados