Cookies não suportados!

Você está utilizando um navegador muito antigo ou suas configurações não permitem cookies de terceiros.


Assine agora e tenha acesso ao conteúdo exclusivo do Tribuna Online!

esqueceu a senha? Assinar agora
Cookies não suportados!

Você está utilizando um navegador muito antigo ou suas configurações não permitem cookies de terceiros.

Balada de outono
Blog Luiz Trevisan

Balada de outono

“E até a Lua, nosso satélite, perdeu 50 metros de diâmetro, nos últimos milhões de anos, segundo a Nasa. E ainda enfrenta terremotos. Ou seja, mesmo a decantada placidez lunar está indo para o espaço”

O corte de verba na educação, que o governo classifica de “contingenciamento”, só aguça o sentimento de perda vindo com o outono. Vai de Bete Carvalho a Doris Day, do Antunes Filho a Lúcio Mauro. Entre cortes e perdas, do calor das ruas trazido pelas manifestações ao frio dos dias – e agora com muita, muita chuva –, só não vale perder a ternura e o humor. A propósito, a melhor tirada sobre Doris Day, conhecida como “a virgem saudável da América”, talvez tenha sido do comediante Groucho Marx, aquele mesmo que disse não recomendar um clube que o mantivesse como sócio.

Ao falar sobre a atriz e cantora, falecida aos 97 anos, – protagonista de filmes clássicos, como “Confidências à Meia-Noite”, e intérprete de sucessos tipo “Pillow talk” – Groucho Marx cunhou uma de suas pérolas: “Quando eu conheci a Doris Day, ela ainda não era virgem”. E a mídia nacional caprichou também, ao anunciar a morte do humorista brasileiro, de papeis marcantes na televisão, uma charge mostrou Lúcio Mauro ligando do céu para o filho homônimo: “Lucinho, peguei a Doris Day”.

Por aqui, perdemos também a tradicional Galeria Ana Terra, que vai migrar do físico para o digital. Ao anunciar o fechamento da loja de arte, aberta em Vitória na década de 80, a marchand Ana Coeli lamentou não poder “encasular o tempo”. Foi obrigada a se render ao mundo atual: manter um empreendimento virtual implica em menor desgaste e despesa com loja, pessoal, trânsito etc.

Já a tradicional livraria Saraiva anda encolhendo. Fechou a loja situada no shopping Praia da Costa,em Vila Velha, e passa por um processo de enxugamento em outras unidades após pedir recuperação judicial. E até a Lua, nosso satélite, perdeu 50 metros de diâmetro, nos últimos milhões de anos, segundo a Nasa. E ainda enfrenta muitos terremotos. Ou seja, mesmo a decantada placidez lunar está indo para o espaço.

E há também a perda de cidadãos brasileiros rumo a Portugal. Ultimamente, virou sonho de consumo de muitos fazer aquela viagem invertida do Cabral, até por causa do Cabral brasileiro que o País descobriu, envergonhado, mais recentemente. Contudo, mesmo esse desejo sofre cortes: no ano passado, dobrou o número de brasileiros que tiveram acesso negado a Portugal por problemas na documentação, em sua maioria. Aquela história do jeitinho brasileiro lá fora nem sempre rola.

E coube à atriz Regina Casé o brado de resistência proclamando, não às margens do riacho Ipiranga, mas no palco de um teatro carioca: “Eu não vou para Portugal!”, no que foi aplaudidíssima. Sinal de que nem todo mundo concorda que a melhor saída para a nossa crise é o aeroporto. A lua encolhe e treme, Antunes Filho deixou um vazio na coxia, Bete Carvalho não vai mais ser madrinha de ninguém.

Porém, particularmente ela nos legou, entre tantos belos sambas e trajetória admirável, o inesquecível hino dos andarilhos descolados: “Tem tanta areia, andei, da lua cheia, eu sei, uma saudade imensa”. E quem, com mais de trinta anos, que nunca tentou cantar, fazer corinho ou tocar “Andança” num violão, de preferência ao redor de uma fogueira, que atire a primeira brasa.


 


Olá, !

Esse é o seu primeiro acesso por aqui, então recomendamos que você altere o seu nome de usuário e senha, para sua maior segurança.



Manter dados