search
Cookies não suportados!

Você está utilizando um navegador muito antigo ou suas configurações não permitem cookies de terceiros.


Assine agora e tenha acesso ao conteúdo exclusivo do Tribuna Online!

esqueceu a senha? Assinar agora
Cookies não suportados!

Você está utilizando um navegador muito antigo ou suas configurações não permitem cookies de terceiros.

Bailarina trans de Anitta no Rock in Rio sonha com cirurgia

Entretenimento

Entretenimento

Bailarina trans de Anitta no Rock in Rio sonha com cirurgia


Depois de bombar no Palco Mundo do Rock in Rio com a cantora Anitta, a bailarina transexual Makayla Sabino, 19 anos, está se mudando para Paris. No país francês ela vai representar o País na competição de dança África Ball nos dias 26 e 27 de outubro.

No meio desse turbilhão de acontecimentos, ela tem um sonho: fazer de cirurgia de resignação. "Quero fazer a cirurgia. É o meu maior sonho. Estou buscando parcerias para tentar realizar. Pelo SUS, o tempo de espera são de dez anos. Não posso esperar", contou a bailarina em entrevista ao jornal Extra. 

Recentemente, antes de participar do Rock in Rio, Makayla, que é da comunidade de Cidade de Deus, no Rio de Janeiro, conseguiu mudar de nome e gênero nos documentos. Ela travava essa batalha na Justiça há dois anos. 

"É o que as pessoas falam para qualquer morador de favela, gente preta e da cultura LGBT: que a gente não vai ter um bom futuro nem conquistar nada na vida. Então, é muito importante para mim, como mulher trans, preta e moradora de favela, estar nesse lugar", comemora ela na mesma entrevista ao "Extra". 

Makayla Sabino foi uma das bailarinas de Anitta na apresentação que a artista fez no Rock in Rio. (Foto: Divulgação/Amanda Baroni)
Makayla Sabino foi uma das bailarinas de Anitta na apresentação que a artista fez no Rock in Rio. (Foto: Divulgação/Amanda Baroni)

Dançarina desde os 15 anos, a jovem começou a sua transição aos 17. Na época, contou com o apoio da mãe, mas precisou de um tempo para se aceitar.

"Cresci num meio onde ser travesti era 'um problema'. Ouvindo que gay tinha que ser 'comportado', 'no padrão'... Então, rolou uma dificuldade para eu entender. Fui estudar primeiro antes de me assumir para todo mundo e para explicar para os outros o que eu sou", contou. 


Olá, !

Esse é o seu primeiro acesso por aqui, então recomendamos que você altere o seu nome de usuário e senha, para sua maior segurança.



Manter dados