search
Cookies não suportados!

Você está utilizando um navegador muito antigo ou suas configurações não permitem cookies de terceiros.


Assine agora e tenha acesso ao conteúdo exclusivo do Tribuna Online!

esqueceu a senha? Assinar agora
Cookies não suportados!

Você está utilizando um navegador muito antigo ou suas configurações não permitem cookies de terceiros.

Austeridade, o caminho da pobreza
Tribuna Livre

Austeridade, o caminho da pobreza

O senso comum atribui às finanças públicas o mesmo raciocínio que aplicamos à economia doméstica. Um exemplo é a percepção de que não se pode gastar mais do que o que se ganha.

Neste texto, refletimos sobre essa questão quando aplicada ao setor público, ou seja, a responsabilidade fiscal.

O valor monetário correspondente a tudo que se produz em bens e serviços finais em determinada região ao longo de certo período chamamos Produto Interno Bruto (PIB). É o melhor indicador do crescimento da economia. Compõe-se de quatro elementos, quanto às despesas, que são o consumo das famílias (C), os investimentos (I), o consumo do governo (G) e as exportações menos as importações, ou seja, o saldo da balança comercial (BC). Desse modo, PIB = C + I + G + BC.

No Brasil, a participação do poder público na economia ultrapassa um terço de todas as riquezas econômicas, chegando, segundo alguns, a atingir quarenta por cento do total. Antes que se diga que é muito, ressalte-se que quase todos os países ricos têm gastos públicos percentuais ao PIB iguais ou superiores.

Os gastos do governo, quando bem manejados, geram um efeito multiplicador por toda a economia. Portanto, em tempos de recessão, como ora ocorre, uma política de gastos públicos austera significa afetar negativamente o PIB, que já não vai bem. Em momentos de crise econômica, aumentar os gastos públicos, mesmo que de modo deficitário, induz uma tendência geral de crescimento do PIB.

É um ciclo virtuoso; o ingresso de recursos públicos na economia (G) faz com que os agentes econômicos privados disponham de mais recursos para consumir (C) e investir (I), aumentando o total de riquezas produzido e, ao mesmo tempo, o total de tributos arrecadados pelo estado (se a economia está crescendo, o valor da arrecadação de impostos aumenta).

O endividamento público não pode ocorrer de maneira desenfreada, a ponto de levar a um colapso financeiro, mas o estado precisa ter certa capacidade de endividamento para elevar gastos, de modo a aumentar o PIB, em tempos de crise, para fazer a economia crescer.

Na realidade que o Brasil vive, restringir o gasto público significa frear as possibilidades de crescimento de um PIB que já não cresce. É um erro confundir gastos públicos com gastos públicos ineficientes. Obviamente, devem ser fiscalizados, para assegurar efetividade. O poder público não é empresa privada, que se propõe a lucrar.

O bom planejamento público, com a correta execução orçamentária, gastará praticamente toda a receita de modo eficiente. Se seus recursos não forem empregados plenamente de maneira eficiente, com gastos adequados e bons serviços, a sociedade deixará de se beneficiar das possibilidades que os gastos governamentais proporcionam. O Brasil, que ainda tem grandes bolsões de pobreza, a ausência de serviços públicos significa, muitas vezes, que a população carente não terá qualquer amparo.

Acreditar que a austeridade nos gastos públicos ajudará a economia a crescer é uma percepção evidentemente errada, pois implica em restringir investimentos e gastos do principal agente econômico que contribui para o PIB.

Apenas para agradar ao senso comum, pensemos numa metáfora de economia doméstica: é como poupar deixando de dar manutenção na casa. Sobra mais dinheiro, mas a casa vai desabar.

Sérgio Lievore é auditor de controle externo do Tribunal de Contas do Espírito Santo.
 

Conteúdo exclusivo para assinantes!

Assine agora e tenha acesso ao conteúdo exclusivo do Tribuna Online!

Matérias exclusivas, infográficos, colunas especiais e muito mais, produzido especialmente pra quem é assinante.

Apenas R$ 9,90/mês
Assinar agora
esqueceu a senha?

últimas dessa coluna


Exclusivo
Tribuna Livre

Poder de compra do Bolsa-Família aumenta durante atual governo

Nos cem dias do Governo Bolsonaro, foi anunciada a inclusão de uma 13ª parcela anual para a Bolsa-Família (PBF) ao invés do reajuste do valor dos benefícios pela inflação passada. De um …


Exclusivo
Tribuna Livre

Livro deve ser a arma da cultura e do saber do povo brasileiro

Mencionei, em uma outra crônica recente, que o ano de 2020 não começou muito bem, mas me referia ao mau tempo que vem causando estragos em alguns pontos do Brasil. Mas se olharmos para o estado …


Exclusivo
Tribuna Livre

O direito à privacidade e a exposição nas redes sociais

De início, é necessário destacar que a relevância do conceito de privacidade para os sujeitos não alcança apenas espectros de caráter pessoal, mas encontra garantia de proteção até mesmo no escopo …


Exclusivo
Tribuna Livre

Carnaval, redes sociais e os cuidados com a saúde mental

A “revolução tecnológica”, da qual estamos a bordo, vem transformando o modo como vivemos, trabalhamos e nos relacionamos. O impacto da tecnologia – cada vez maior em nossa rotina diária – trouxe …


Exclusivo
Tribuna Livre

Educação inclusiva precisa de um olhar além do diagnóstico

A inclusão dos estudantes com deficiência ainda é um grande desafio. Apesar de, ao longo da última década, muitas mudanças significativas de entendimento acerca do assunto terem acontecido, algumas …


Exclusivo
Tribuna Livre

Custo Brasil é um desperdício de tempo e dinheiro do contribuinte

O chamado “custo Brasil” é uma antiga expressão utilizada para designar as despesas adicionais que empreendedores brasileiros enfrentam para realizar negócios no País, em relação a outras nações …


Exclusivo
Tribuna Livre

A lei que regula a proteção de dados não deve ser adiada

A proposição de adiamento do início da vigência plena da Lei Geral de Proteção de Dados (LGPD), objeto do Projeto de Lei 5.762/2018, em tramitação no Congresso Nacional, significa um lamentável …


Exclusivo
Tribuna Livre

Conde d´Eu nunca deixou de amar o Brasil que o acolheu

A vida de Gastão de Orléans não foi fácil. Aos 5 anos, foi exilado de sua pátria natal, a França, por um golpe republicano que destronou seu avô, o rei Luís Felipe. Uma de suas primeiras lembranças é …


Exclusivo
Tribuna Livre

Meio ambiente e a mudança de comportamento das empresas

Não há como negar que a preocupação com a preservação do meio ambiente se propaga por todo o planeta. A sustentabilidade, a reciclagem de resíduos e materiais, o tratamento e reaproveitamento da …


Exclusivo
Tribuna Livre

A sabedoria do planejamento na empresa e na vida privada

Com a globalização, inovações tecnológicas, políticas econômicas restritivas e inúmeras variáveis que afetam as empresas e nós individualmente, temos de intensificar a utilização da mais nobre das …


Olá, !

Esse é o seu primeiro acesso por aqui, então recomendamos que você altere o seu nome de usuário e senha, para sua maior segurança.



Manter dados