Cookies não suportados!

Você está utilizando um navegador muito antigo ou suas configurações não permitem cookies de terceiros.


Assine agora e tenha acesso ao conteúdo exclusivo do Tribuna Online!

esqueceu a senha? Assinar agora
Cookies não suportados!

Você está utilizando um navegador muito antigo ou suas configurações não permitem cookies de terceiros.

Austeridade, o caminho da pobreza
Tribuna Livre

Austeridade, o caminho da pobreza

O senso comum atribui às finanças públicas o mesmo raciocínio que aplicamos à economia doméstica. Um exemplo é a percepção de que não se pode gastar mais do que o que se ganha.

Neste texto, refletimos sobre essa questão quando aplicada ao setor público, ou seja, a responsabilidade fiscal.

O valor monetário correspondente a tudo que se produz em bens e serviços finais em determinada região ao longo de certo período chamamos Produto Interno Bruto (PIB). É o melhor indicador do crescimento da economia. Compõe-se de quatro elementos, quanto às despesas, que são o consumo das famílias (C), os investimentos (I), o consumo do governo (G) e as exportações menos as importações, ou seja, o saldo da balança comercial (BC). Desse modo, PIB = C + I + G + BC.

No Brasil, a participação do poder público na economia ultrapassa um terço de todas as riquezas econômicas, chegando, segundo alguns, a atingir quarenta por cento do total. Antes que se diga que é muito, ressalte-se que quase todos os países ricos têm gastos públicos percentuais ao PIB iguais ou superiores.

Os gastos do governo, quando bem manejados, geram um efeito multiplicador por toda a economia. Portanto, em tempos de recessão, como ora ocorre, uma política de gastos públicos austera significa afetar negativamente o PIB, que já não vai bem. Em momentos de crise econômica, aumentar os gastos públicos, mesmo que de modo deficitário, induz uma tendência geral de crescimento do PIB.

É um ciclo virtuoso; o ingresso de recursos públicos na economia (G) faz com que os agentes econômicos privados disponham de mais recursos para consumir (C) e investir (I), aumentando o total de riquezas produzido e, ao mesmo tempo, o total de tributos arrecadados pelo estado (se a economia está crescendo, o valor da arrecadação de impostos aumenta).

O endividamento público não pode ocorrer de maneira desenfreada, a ponto de levar a um colapso financeiro, mas o estado precisa ter certa capacidade de endividamento para elevar gastos, de modo a aumentar o PIB, em tempos de crise, para fazer a economia crescer.

Na realidade que o Brasil vive, restringir o gasto público significa frear as possibilidades de crescimento de um PIB que já não cresce. É um erro confundir gastos públicos com gastos públicos ineficientes. Obviamente, devem ser fiscalizados, para assegurar efetividade. O poder público não é empresa privada, que se propõe a lucrar.

O bom planejamento público, com a correta execução orçamentária, gastará praticamente toda a receita de modo eficiente. Se seus recursos não forem empregados plenamente de maneira eficiente, com gastos adequados e bons serviços, a sociedade deixará de se beneficiar das possibilidades que os gastos governamentais proporcionam. O Brasil, que ainda tem grandes bolsões de pobreza, a ausência de serviços públicos significa, muitas vezes, que a população carente não terá qualquer amparo.

Acreditar que a austeridade nos gastos públicos ajudará a economia a crescer é uma percepção evidentemente errada, pois implica em restringir investimentos e gastos do principal agente econômico que contribui para o PIB.

Apenas para agradar ao senso comum, pensemos numa metáfora de economia doméstica: é como poupar deixando de dar manutenção na casa. Sobra mais dinheiro, mas a casa vai desabar.

Sérgio Lievore é auditor de controle externo do Tribunal de Contas do Espírito Santo.
 

Conteúdo exclusivo para assinantes!

Assine agora e tenha acesso ao conteúdo exclusivo do Tribuna Online!

Matérias exclusivas, infográficos, colunas especiais e muito mais, produzido especialmente pra quem é assinante.

Apenas R$ 9,90/mês
Assinar agora

últimas dessa coluna


Exclusivo
Tribuna Livre

Metamorfose profissional e o mercado corporativo

O mercado corporativo está passando por mudanças bruscas nos últimos anos. Com o avanço da tecnologia, as empresas estão se reinventando e procurando novos caminhos e soluções ligadas à transformação …


Exclusivo
Tribuna Livre

Reflexões sobre a Arte atual

As pinturas rupestres ou pré-históricas, reveladas ao público no séc. XIX, foram de início apontadas pelos darwinistas como fraudes dos criacionistas (aqueles que acreditam que animais e plantas …


Exclusivo
Tribuna Livre

A relação entre urbanismo e segurança pública

O que o urbanismo tem a ver com a segurança pública? Para muitas pessoas não existe uma relação entre o urbanismo e a segurança pública, mas veremos que ao contrário do que pensa a maioria das …


Exclusivo
Tribuna Livre

O segredo da pré-campanha está no almoço de domingo

No domingo, como bom genro, decidi fazer um churrasco de agrado à minha sogra. Próximo a nossa casa existe um açougue, entretanto, pego o carro e faço questão de atravessar a cidade para comprar os …


Exclusivo
Tribuna Livre

Educação com segurança

Na semana passada tivemos, aqui nos EUA, a volta às aulas. Após quase três meses de férias, que coincidem com o período do verão americano, todos os alunos retomaram suas rotinas de estudo. Não …


Exclusivo
Tribuna Livre

Educação com segurança

Na semana passada tivemos, aqui nos EUA, a volta às aulas. Após quase três meses de férias, que coincidem com o período do verão americano, todos os alunos retomaram suas rotinas de estudo. Não foi …


Exclusivo
Tribuna Livre

A odiosa Devassa e os impostos nos tempos modernos

Durante o Século XVIII, o Brasil-Colônia arcava com elevada carga tributa, que lhe impunha o nosso insaciável colonizador, a Coroa portuguesa. A aludida tributação recaía sobre tudo o que era …


Exclusivo
Tribuna Livre

A PMES e a Guerrilha do Caparaó

O movimento conhecido com “a Guerrilha do Caparaó” é citado por vários autores, como a primeira tentativa insurgência armada contra o regime militar feita por ex-militares cassados e alguns civis, …


Exclusivo
Tribuna Livre

Drama na educação superior pública

A lógica perversa imposta pelo governo às universidades públicas está visível para toda a sociedade. A situação financeira dramática da Universidade Federal do Espírito Santo (Ufes) é acompanhada com …


Exclusivo
Tribuna Livre

No rumo das boas expectativas

É certo em economia que os agentes econômicos adoram as boas expectativas e detestam as incertezas quanto ao futuro. Empresários de todas as áreas ficam sempre atentos quando se fala de aquecimento …


Olá, !

Esse é o seu primeiro acesso por aqui, então recomendamos que você altere o seu nome de usuário e senha, para sua maior segurança.



Manter dados