Cookies não suportados!

Você está utilizando um navegador muito antigo ou suas configurações não permitem cookies de terceiros.


Assine agora e tenha acesso ao conteúdo exclusivo do Tribuna Online!

esqueceu a senha? Assinar agora
Cookies não suportados!

Você está utilizando um navegador muito antigo ou suas configurações não permitem cookies de terceiros.

Assistentes sociais no combate ao racismo
Tribuna Livre

Assistentes sociais no combate ao racismo

Pollyana Tereza Ramos Pazolini (Foto: Tribuna Livre)
Pollyana Tereza Ramos Pazolini (Foto: Tribuna Livre)
Vivemos uma conjuntura marcada pela intensificação da retirada de direitos sociais e de mudanças drásticas na direção das políticas públicas. São mudanças defendidas a partir de um discurso que visa acabar com os privilégios, mas que na realidade retira direitos da população mais pobre desse país.

Diante disso, o conjunto CFess/Cress, por meio da campanha “Assistentes Sociais no Combate ao Racismo”, convida a categoria para discutir acerca do momento de regressão de direitos no qual estamos vivendo, que tem gênero, classe e cor.

O Serviço Social brasileiro reafirma seu compromisso ético com “a defesa intransigente dos direitos humanos”, o “empenho na eliminação de todas as formas de preconceito”, prezando pela qualidade dos serviços prestados à população. Por este motivo, que nos colocamos a disposição da sociedade para dialogar sobre esses ataques aos direitos sociais, em especial a população pobre, negra e periférica.

Primeiramente é fundamental reconhecer que a formação sócio-histórica brasileira é marcada por uma sociabilidade cravada no sistema escravagista e colonialista.

São particularidades e traços culturais marcados pelo autoritarismo e clientelismo, onde lei e direito são privilégios.

E por que quem é preta e pobre sente primeiro? É fundamental reconhecer as marcas deixadas por esse sistema escravagista e romper com o mito da “democracia racial”. Após 131 anos da “abolição” as marcas das relações econômicas, sociais e políticas deste sistema são presentes até os dias de hoje.

Segundo dados da última pesquisa do IBGE (2017), a população negra corresponde a 54% da população brasileira, sendo que 75% estão entre os mais pobres.

Os dados apontam que negros/as ganham R$ 1.200,00 a menos que brancos em média.

É visível que a população negra é a mais atingida pela precarização do trabalho.

Basta olhar ao redor e observar quem majoritariamente ocupa os cargos de empregada doméstica... Um trabalho que só atingiu um patamar equivalente aos das demais categorias de trabalhadores em 2013 com a PEC das Domésticas, sendo apenas regulamentado em 2015.

Acompanhamos um contexto de corte de direitos com a proposta da reforma da Previdência, que penaliza ainda mais a população negra e pobre e torna a aposentadoria praticamente “impossível”, pois estes ocupam os cargos de trabalho mais precários e informais.

Estamos falando, por exemplo, de apenas quatro anos que as empregadas domésticas, predominantemente mulheres negras, têm direitos como o Fundo de Garantia por Tempo de Serviço (FGTS) e a multa por dispensa sem justa causa. Isso, caso tenham sua carteira de trabalho assinada, pois muitas ainda vivem na informalidade.

Concluímos que o aumento do tempo de contribuição e a equiparação entre homens e mulheres com a idade mínima de 65 anos para se aposentar é o fim da aposentadoria para essa população.

E, portanto, nós, assistentes sociais reafirmamos, a necessidade de enfrentar esse contexto de regressão de direitos e se somar a luta contra o desmantelamento das políticas sociais. Estamos nas ruas, nas lutas: assistentes sociais no combate ao racismo! Esse é o nosso compromisso.

Pollyana Tereza Ramos Pazolini é presidenta do Conselho Regional de Serviço Social (Cress)


últimas dessa coluna


Exclusivo

Netflix versus cinema. Vocês ainda não viram nada

Nova Iorque, 6 de outubro de 1927, Picadilly Theatre. Na tela, diante de um público que desconhecia o que lhe aguardava, o ator branco Al Jolson, pintado com tinta preta, interpreta um cantor de jazz …


Exclusivo

Teletrabalho e a possibilidade legal da empresa reduzir custos

O teletrabalho é previsto no Capítulo II-A da CLT, porém, empresários e trabalhadores ainda têm dúvidas sobre essa modalidade contratual, também chamada de home office. O teletrabalho nada mais …


Exclusivo

Violar prerrogativas é amedrontar a sociedade

O advogado mineiro Sobral Pinto foi definitivo: “A advocacia não é uma profissão de covardes”. E não é mesmo. Enfrentar o Leviatã cada vez mais inchado e poderoso, somadas às angústias dos condenados…


Primeira estrada do Estado completa um século

Ao transitar pelas inúmeras estradas de rodagem que interligam os mais remotos rincões do nosso Estado, pouca ou nenhuma memória nos vem à tona para nos remeter a um passado relativamente recente, de …


Agricultura e economia nacional: passos para o desenvolvimento

Atualmente, o Brasil ocupa lugar de destaque como exportador de vários produtos agrícolas, razão pela qual se afigura como um dos principais atores na redefinição da ordem mundial do comércio …


A importância dos conselhos de fiscalização profissional

Em tempos de discussão acerca da manutenção dos conselhos de fiscalização das atividades profissionais e até mesmo a dúvida que permeia a sociedade quanto à necessidade da existência de tais …


A onda do naturismo cristão

Está chegando ao Brasil mais uma onda norte-americana do campo religioso. Criada em 1984, na cidade de Ivor, Pensilvânia, a Igreja White Tail se destaca por ser uma comunidade nudista. O …


E os médicos ainda são culpados?

A velha história se repete. A crise que acomete a assistência aos pacientes no PA de Alto Lage, em Cariacica, foi creditada, há pouco tempo, pelo prefeito daquele município, em entrevista a emissoras …


Por que os jovens bebem tanto?

É uma triste realidade. Os adolescentes têm bebido cada vez mais e, o que é pior, cada dia mais cedo. Quais seriam as causas? Onde encontrar a origem do problema? São perguntas que todos fazem, mas …


Por mais Tabatas atuando na política

Lugar de mulher é onde ela quiser. Certo? Mas na política ainda não funciona bem assim. Temos desigualdades diversas no país – racial, social, só para citar alguns exemplos – e a de gênero é uma das …


Olá, !

Esse é o seu primeiro acesso por aqui, então recomendamos que você altere o seu nome de usuário e senha, para sua maior segurança.



Manter dados