Cookies não suportados!

Você está utilizando um navegador muito antigo ou suas configurações não permitem cookies de terceiros.


Assine agora e tenha acesso ao conteúdo exclusivo do Tribuna Online!

esqueceu a senha? Assinar agora
Cookies não suportados!

Você está utilizando um navegador muito antigo ou suas configurações não permitem cookies de terceiros.

Assistentes sociais no combate ao racismo
Tribuna Livre

Assistentes sociais no combate ao racismo

Pollyana Tereza Ramos Pazolini (Foto: Tribuna Livre)
Pollyana Tereza Ramos Pazolini (Foto: Tribuna Livre)
Vivemos uma conjuntura marcada pela intensificação da retirada de direitos sociais e de mudanças drásticas na direção das políticas públicas. São mudanças defendidas a partir de um discurso que visa acabar com os privilégios, mas que na realidade retira direitos da população mais pobre desse país.

Diante disso, o conjunto CFess/Cress, por meio da campanha “Assistentes Sociais no Combate ao Racismo”, convida a categoria para discutir acerca do momento de regressão de direitos no qual estamos vivendo, que tem gênero, classe e cor.

O Serviço Social brasileiro reafirma seu compromisso ético com “a defesa intransigente dos direitos humanos”, o “empenho na eliminação de todas as formas de preconceito”, prezando pela qualidade dos serviços prestados à população. Por este motivo, que nos colocamos a disposição da sociedade para dialogar sobre esses ataques aos direitos sociais, em especial a população pobre, negra e periférica.

Primeiramente é fundamental reconhecer que a formação sócio-histórica brasileira é marcada por uma sociabilidade cravada no sistema escravagista e colonialista.

São particularidades e traços culturais marcados pelo autoritarismo e clientelismo, onde lei e direito são privilégios.

E por que quem é preta e pobre sente primeiro? É fundamental reconhecer as marcas deixadas por esse sistema escravagista e romper com o mito da “democracia racial”. Após 131 anos da “abolição” as marcas das relações econômicas, sociais e políticas deste sistema são presentes até os dias de hoje.

Segundo dados da última pesquisa do IBGE (2017), a população negra corresponde a 54% da população brasileira, sendo que 75% estão entre os mais pobres.

Os dados apontam que negros/as ganham R$ 1.200,00 a menos que brancos em média.

É visível que a população negra é a mais atingida pela precarização do trabalho.

Basta olhar ao redor e observar quem majoritariamente ocupa os cargos de empregada doméstica... Um trabalho que só atingiu um patamar equivalente aos das demais categorias de trabalhadores em 2013 com a PEC das Domésticas, sendo apenas regulamentado em 2015.

Acompanhamos um contexto de corte de direitos com a proposta da reforma da Previdência, que penaliza ainda mais a população negra e pobre e torna a aposentadoria praticamente “impossível”, pois estes ocupam os cargos de trabalho mais precários e informais.

Estamos falando, por exemplo, de apenas quatro anos que as empregadas domésticas, predominantemente mulheres negras, têm direitos como o Fundo de Garantia por Tempo de Serviço (FGTS) e a multa por dispensa sem justa causa. Isso, caso tenham sua carteira de trabalho assinada, pois muitas ainda vivem na informalidade.

Concluímos que o aumento do tempo de contribuição e a equiparação entre homens e mulheres com a idade mínima de 65 anos para se aposentar é o fim da aposentadoria para essa população.

E, portanto, nós, assistentes sociais reafirmamos, a necessidade de enfrentar esse contexto de regressão de direitos e se somar a luta contra o desmantelamento das políticas sociais. Estamos nas ruas, nas lutas: assistentes sociais no combate ao racismo! Esse é o nosso compromisso.

Pollyana Tereza Ramos Pazolini é presidenta do Conselho Regional de Serviço Social (Cress)


últimas dessa coluna


Exclusivo
Tribuna Livre

O bem-estar na escola

Fazer da escola um espaço de bem-estar para alunos, pais, professores e toda a comunidade escolar é – ou deveria ser – papel de todos os agentes envolvidos no processo educacional. Sabe-se das …


Exclusivo
Tribuna Livre

Nova droga revigora luta contra câncer de sangue

Estudo apresentado no maior congresso de oncologia do mundo mostra que tratamento, já aprovado pela Anvisa (Agência Nacional de Vigilância Sanitária) no Brasil, pode prolongar e melhorar a vida das …


Exclusivo
Tribuna Livre

Que tipo de pensamento estamos nutrindo?

Você pensa sobre o conteúdo do seu pensamento? Da mesma forma que somos cuidadosos ao preparar nosso prato de comida, deveríamos ter o mesmo carinho para cuidar do conteúdo mental, a qualidade dos …


Exclusivo
Tribuna Livre

Inspeção predial: check-up de edificações pode evitar tragédias

O desabamento da área de lazer do condomínio residencial de luxo Grand Parc, em Vitória, completa três anos em julho. Casos como esse podem ser evitados com a observância de cuidados como o atendimen…


Exclusivo
Tribuna Livre

Integração para enfrentar a criminalidade articulada

É sabido por todos, principalmente por aqueles que labutam na área da Segurança Pública, que o crime apresenta várias vertentes e os bandidos utilizam meios cada vez mais articulados para o cometimen…


Exclusivo
Tribuna Livre

Reclamação do cliente pode ser oportunidade para a empresa

A palavra “reclamação” é vista pela maioria das empresas como algo negativo, mas a grande verdade é que a reclamação é uma excelente oportunidade para “enxergarmos” falhas em nossos processos e em …


Exclusivo
Tribuna Livre

O desafio de tratar a dependência química

A dependência química é uma doença complexa, já considerada um dos maiores desafios de saúde pública no País. Diferentes pesquisas mostram o aumento do uso de drogas em todas as classes sociais. A …


Exclusivo
Tribuna Livre

Homenagem a um médico que fez a diferença

Recentemente perdemos um dos grandes personagens capixabas. Estamos nos referindo ao professor Carlos Sandoval Gonçalves, ícone dentre os pesquisadores e professores de Medicina do Brasil, que …


Exclusivo
Tribuna Livre

Educação especial como política pública

Historicamente, a educação especial para pessoas com deficiência é oferecida por instituições privadas, incluídas as especializadas, confessionais e filantrópicas. A partir de 1973, ela foi incorpora…


Exclusivo
Tribuna Livre

O “ser mulher” e a busca pela sobrevivência

Era uma vez uma selva, onde morava uma leoa muito dócil e, ao mesmo tempo, valente. Cuidava de seus filhotes e ia à caça para não lhes faltar alimento. Por instinto, fazia o que preciso fosse para …


Olá, !

Esse é o seu primeiro acesso por aqui, então recomendamos que você altere o seu nome de usuário e senha, para sua maior segurança.



Manter dados