As novas gerações e seus impactos no mercado de trabalho

As gerações X, Y e Z estão presentes ativamente no mercado de trabalho. Para as áreas do Marketing, Administração e Psicologia é fundamental compreender as similaridades e diferenças entre essas gerações para estarem preparados para os reflexos desta convivência. E quais são os reais impactos disto?

Composta por pessoas nascidas entre 1965 e 1978, a geração X tem como características a estabilidade, busca a realização do sonho e respeito à hierarquia. Há os xennials (nascidos entre 1977 a 1983) que são a geração intermediária. Nasceram na era analógica e ao chegarem à vida adulta se depararam com o avanço tecnológico.

Já a geração Y, chamada de millennials, é representada pelos jovens nascidos entre os anos de 1984 e 2000. Eles são parte ativa da explosão tecnológica nos últimos anos e compõe o perfil típico dos usuários de internet e redes sociais. São jovens adaptados a multitarefas e empreendedores de diferentes áreas inovadoras. Esses profissionais já estão no mercado de trabalho e exigem novas relações de trabalho como maior protagonismo e planos de carreira flexíveis e específicos de acordo com suas habilidades.

Ao contrário da geração X, as pessoas desta geração têm dificuldade de hierarquia e por este motivo buscam empreender e serem donas dos próprios negócios. Para esses profissionais, a busca por novas experiências - como vivências internacionais e em outras culturas - é mais importante que o acúmulo de bens materiais.

E ainda temos a geração Z, que é a hiperconectada ou post-millennials. São os nascidos entre 2000 a 2009 praticamente conectados com os dispositivos avançados. Têm características mais plurais, são mais tolerantes que as gerações anteriores. Conseguem processar com mais agilidade uma informação. No entanto, têm dificuldade de concentração e constantemente passam de uma atividade para outra sem ter concluído a primeira.

Diante de tudo isso, há um conflito com o choque dessas gerações. Os jovens da geração Y batem de frente com a rígida escala de trabalho e não têm como prioridade uma relação trabalhista duradoura. Trabalham em novos espaços físicos como o coworking – único local em que vários profissionais de diferentes áreas atuam no mercado dividindo equipamentos e compartilhando ideias.

As organizações precisam se adequar aos jovens da geração Y ou caso contrário perderão grandes talentos para suas empresas, afinal são esses jovens que vão ocupar os cargos de chefia num futuro muito breve.

A geração X, mais conservadora e mais resistente à contratação de jovens sem experiência de trabalho, precisam entender que flexibilização (de horário, de atividades, etc.) é uma tendência, afinal as atuais e futuras gerações querem mobilidade.

Essa é uma tendência mundial e o desafio é de todos – sociedade, governantes e empresas. Essas novas características das relações empresariais estão delineando novos modelos de relações humanas, educacionais, trabalhistas e de consumo. Os novos profissionais anseiam por troca de experiências e motivações diariamente.

O desafio é implementar planos de carreiras atrativos, recursos humanos mais personalizados e porta-vozes mais atentos e dispostos e encontrar o ponto de convergência de todas as gerações porque todos têm muito o que ensinar e mais ainda a aprender.

Denilton Cunha é consultor empresarial


últimas dessa coluna


Quem cuida do cuidador?

Vemos, na prática clínica atual, um aumento sustentado na incidência de doenças crônicas incapacitantes que, majoritariamente, são agravadas pelos processos disfuncionais envolvidos no envelhecimento …


Reforma da Previdência é um debate atrasado

Para trazer ao debate questões de ordem demográfica e social, verificamos que nos anos 60, a razão de trabalhadores da ativa versus aposentados era 12 para 1. Em 2000, esta proporção caiu para …


O sentido da vida

Passadas as férias, findo o Carnaval, a agenda do ano novo entra de vez no cotidiano de 2019. Assim, temos como que um replay da questão que sempre marca as viradas: o que faremos do ano que se …


Multipropriedade imobiliária: inovação no registro de imóveis

Tudo o que é novidade gera dúvidas: as maiores inovações vêm carregadas delas. As pessoas questionam, ficam curiosas, pesquisam, se informam e no final colocam tudo na balança para pesar o que vale …


Tragédia em Suzano: fuja do discurso raso!

Diante da recente tragédia ocorrida em uma escola de Suzano (SP), que ceifou vidas e marcou indelevelmente famílias e amigos, a sociedade volta a se perguntar o que pode levar uma pessoa a cometer …


Doutrinação nas escolas vai além de um cabo de guerra político

O período da história do Brasil, que se estendeu da proclamação da República em 15 de novembro de 1889 até o golpe de 1930, liderado por Getúlio Vargas, faz de suas ações um eixo explicativo para …


O homem criminoso e as agressões contra mulheres

A visão da sociedade ainda é muito ingrata com as mulheres, séculos de discriminação e desrespeito não são facilmente apagadas do nosso cotidiano, mas o empoderamento feminino, que é a luta pelo …


Tecnologia ajuda a transformar os motoristas e o trânsito

Mapas atualizados em tempo real, aluguel de bikes, motoristas de aplicativo e até cursos exigidos pelos Departamentos Estaduais de Trânsito, como o de reciclagem para recuperação de Carteira Nacional …


Como se livrar das dívidas? Não é tarefa fácil, mas há luz no túnel

Estamos em março e as famílias sentem no bolso o peso das contas, como material escolar, rematrícula, IPVA, IPTU, Imposto de Renda e por aí vai. Quem dirá, para quem já carrega os débitos antigos. …


Mulher, a equilibrista

Era ainda menina e sonhava em construir a minha família. Igualmente me motivava construir uma carreira em que eu pudesse fazer a diferença na vida das pessoas. Meu avô me ensinou ainda criança que …