As novas gerações e seus impactos no mercado de trabalho

As gerações X, Y e Z estão presentes ativamente no mercado de trabalho. Para as áreas do Marketing, Administração e Psicologia é fundamental compreender as similaridades e diferenças entre essas gerações para estarem preparados para os reflexos desta convivência. E quais são os reais impactos disto?

Composta por pessoas nascidas entre 1965 e 1978, a geração X tem como características a estabilidade, busca a realização do sonho e respeito à hierarquia. Há os xennials (nascidos entre 1977 a 1983) que são a geração intermediária. Nasceram na era analógica e ao chegarem à vida adulta se depararam com o avanço tecnológico.

Já a geração Y, chamada de millennials, é representada pelos jovens nascidos entre os anos de 1984 e 2000. Eles são parte ativa da explosão tecnológica nos últimos anos e compõe o perfil típico dos usuários de internet e redes sociais. São jovens adaptados a multitarefas e empreendedores de diferentes áreas inovadoras. Esses profissionais já estão no mercado de trabalho e exigem novas relações de trabalho como maior protagonismo e planos de carreira flexíveis e específicos de acordo com suas habilidades.

Ao contrário da geração X, as pessoas desta geração têm dificuldade de hierarquia e por este motivo buscam empreender e serem donas dos próprios negócios. Para esses profissionais, a busca por novas experiências - como vivências internacionais e em outras culturas - é mais importante que o acúmulo de bens materiais.

E ainda temos a geração Z, que é a hiperconectada ou post-millennials. São os nascidos entre 2000 a 2009 praticamente conectados com os dispositivos avançados. Têm características mais plurais, são mais tolerantes que as gerações anteriores. Conseguem processar com mais agilidade uma informação. No entanto, têm dificuldade de concentração e constantemente passam de uma atividade para outra sem ter concluído a primeira.

Diante de tudo isso, há um conflito com o choque dessas gerações. Os jovens da geração Y batem de frente com a rígida escala de trabalho e não têm como prioridade uma relação trabalhista duradoura. Trabalham em novos espaços físicos como o coworking – único local em que vários profissionais de diferentes áreas atuam no mercado dividindo equipamentos e compartilhando ideias.

As organizações precisam se adequar aos jovens da geração Y ou caso contrário perderão grandes talentos para suas empresas, afinal são esses jovens que vão ocupar os cargos de chefia num futuro muito breve.

A geração X, mais conservadora e mais resistente à contratação de jovens sem experiência de trabalho, precisam entender que flexibilização (de horário, de atividades, etc.) é uma tendência, afinal as atuais e futuras gerações querem mobilidade.

Essa é uma tendência mundial e o desafio é de todos – sociedade, governantes e empresas. Essas novas características das relações empresariais estão delineando novos modelos de relações humanas, educacionais, trabalhistas e de consumo. Os novos profissionais anseiam por troca de experiências e motivações diariamente.

O desafio é implementar planos de carreiras atrativos, recursos humanos mais personalizados e porta-vozes mais atentos e dispostos e encontrar o ponto de convergência de todas as gerações porque todos têm muito o que ensinar e mais ainda a aprender.

Denilton Cunha é consultor empresarial


últimas dessa coluna


Mudanças sociais também aceleram o sofrimento humano

Mudanças nos contextos sociais, políticos, culturais e econômicos, ocorridas no mundo desde o século XIX e que se fortaleceram durante o século passado, trouxeram transformações relevantes para a …


Cláusula de desempenho ajuda, mas ainda não resolve tudo

A Emenda Constitucional nº 97 veio a combater um dos maiores males de nossa democracia: o pluripartidarismo desenfreado. No Brasil, atualmente, existem 35 partidos políticos registrados no Tribunal …


Aposentadoria por tempo de contribuição com os dias contados

O novo texto da reforma da Previdência está sendo lapidado pela nova equipe econômica do presidente Jair Bolsonaro. Nos bastidores, estão vazando uma série de alternativas que estão sendo ventiladas …


Pintura não é apenas obra de arte, é uma obra para a arte

Nossos ancestrais de mais de 3 milhões de anos não se interessavam por arte. Viviam nas florestas da África saltando de galho em galho. Nossos retataravós, os australopitecus, mudaram da floresta …


Mais de 22 milhões de bagagens extraviadas por ano no mundo

Dentre as diversas expectativas para o ano que está começando, os analistas econômicos convergem num ponto: haverá considerável crescimento econômico no Brasil. O aquecimento da economia já está em …


Mercado de crédito digital é visto como grande negócio

Historicamente, a tomada de crédito sempre foi relacionada aos bancos tradicionais, o que acabava limitando o acesso a empréstimos por grande parte da população que, de alguma forma, não era …


RH digital: novas tecnologias na área de gestão de pessoas

O setor de Recursos Humanos (RH) está vivendo uma transformação sem limites graças às novas tecnologias e também à chegada das novas gerações ao mercado de trabalho. Como consequência, o relacionamen…


Linguagem não verbal dos profissionais bem-sucedidos

Como você é percebido ou gostaria de ser notado durante as suas conversas, reuniões, entrevistas e uma infinidade de atividades que exigem o ato de se comunicar bem? Embora a resposta possa …


Camata: sabedoria para governar no presente e pensar no futuro

Em 1983, Gerson Camata assumia o governo do Espírito Santo. Uma carreira política, já vitoriosa, se constituiria, a partir de então, como um marco da história política capixaba, e que se seguiria com …


Déficit fiscal traz dor de cabeça para o novo governo

O ano de 2019 inicia cercado de expectativas em relação à gestão do novo presidente da República e sua equipe. O Brasil vive uma situação fiscal dramática e, para este ano, o déficit previsto no …