Cookies não suportados!

Você está utilizando um navegador muito antigo ou suas configurações não permitem cookies de terceiros.


Assine agora e tenha acesso ao conteúdo exclusivo do Tribuna Online!

esqueceu a senha? Assinar agora
Cookies não suportados!

Você está utilizando um navegador muito antigo ou suas configurações não permitem cookies de terceiros.

As frustrantes colites imunológicas
Doutor João Responde

As frustrantes colites imunológicas

Doutor João Evangelista, médico e colunista de A Tribuna (Foto: Arquivo/AT)
Doutor João Evangelista, médico e colunista de A Tribuna (Foto: Arquivo/AT)
Existem basicamente três tipos de doenças: aquela que cura rápido, a que demora curar e aquela que nunca cura. Médicos apreciam enfermidades que evoluem rapidamente para o restabelecimento da saúde do paciente.

Ao se deparar com doenças crônicas e recidivantes, o profissional luta, para junto ao doente, não esmorecer.

As denominadas doenças inflamatórias intestinais se enquadram nesse decepcionante perfil, onde tratamentos longos, falha na resposta terapêutica e presença de complicações, adubam o desânimo de ambos.

Retocolite Ulcerativa e Doença de Crohn são processos inflamatórios onde o sistema imune reage contra a flora intestinal, gerando irritação crônica.

De uma hora para outra, a pessoa, em geral jovem, começa a perder peso, sentir dores abdominais e apresentar diarreias constantes.

Embora esses não sejam sintomas específicos, muitas vezes é assim que se manifestam as doenças inflamatórias intestinais, conjunto de distúrbios cuja ocorrência vem crescendo mundo afora. São patologias antigas, citadas por Hipócrates, antes de Cristo.

Sugere-se que seu aumento se deva às melhores condições de saneamento, vacinação e diminuição da incidência de parasitoses, reforçando a teoria de que a higiene tanto cura como favorece o aparecimento de enfermidades.

Muito se especula em relação à etiologia das doenças inflamatórias intestinais, embora até hoje pouco se saiba sobre sua origem, sendo sugerido que elas têm como causa uma união complexa de fatores ambientais, genéticos, microbianos e imunológicos.

Retocolite ataca o intestino grosso, enquanto a Doença de Crohn pode afetar o sistema digestivo da boca ao ânus, além de outros locais, como pele, olhos e articulações.

Apesar de visíveis diferenças epidemiológicas, genéticas e imunológicas entre as doenças inflamatórias intestinais, nem sempre é possível diferencia-las claramente, uma vez que podem ter manifestações clínicas parecidas e muitas vezes até ocorrerem juntas em um mesmo paciente.

Um dos maiores desafios no manejo do indivíduo com essas colites é o grande número de comorbidades que se associam à doença. Entre as manifestações comuns estão à dor abdominal e diarreia sanguinolenta.

Retocolite apresenta fezes com muco e sangue, urgência evacuatória e sensação de peso. Nos casos graves pode surgir febre, perda de apetite e astenia. Além disso, pode haver acometimento de outros órgãos, como fígado e articulações.

Os achados na Doença de Crohn também variam de acordo com a extensão do comprometimento, surgindo perda de peso, dor abdominal, diarreia com sangue e febre.

Em ambas as doenças podem surgir queixas extras intestinais, como anemia, manifestações reumatológicas e oftalmológicas.

O tratamento das doenças inflamatórias intestinais é dependente da extensão da patologia, devendo ser avaliada antes de se iniciar qualquer terapêutica.

Fármacos, como loperamida e derivados da atropina devem ser evitados, pois podem causar megacolo tóxico. Compostos, como 5-ASA, corticoides, imunomoduladores, entre outros, conseguem melhorar os sintomas, mas não curam a doença.

Ansiedade favorece o aparecimento de crises, e crises desencadeiam angústia, irritação e medo, alimentando quadros depressivos.

O estresse emocional precisa ser administrado antes que colabore na manifestação dos sintomas. Além de medicamentos, lazer, repouso e alimentação correta são recomendados para ajudar na manutenção do equilíbrio físico e mental, tão importantes para o sucesso do tratamento.

Diante de uma doença inflamatória intestinal, o sensato é aceitar e lutar. Criar excesso de expectativas torna-se o caminho mais curto para a frustração.

João Evangelista Teixeira Lima é clínico geral e gastroenterologista


últimas dessa coluna


Exclusivo
Doutor João Responde

Importância da dor para a preservação da vida humana

Saúde e doença saem de um tronco único, visto que têm uma só e mesma base: a dor de crescer. Dor é uma experiência sensorial desagradável associada com lesão tecidual real ou potencial, refletindo a …


Exclusivo
Doutor João Responde

Doenças exantemáticas

Dezembro de 1978. Após frutificante período de faculdade, eu terminava o curso de Medicina. Durante as festividades de formatura, amanheci febril e com o corpo todo pintado de vermelho. Como …


Exclusivo
Doutor João Responde

Herpes-zóster, esse filho da catapora

Varicela é uma virose que afeta a criança e o adolescente, cujo nome foi criado para assustá-los na hora do médico informar que se trata da conhecida catapora. No primeiro dia de infecção, o vírus se …


Exclusivo
Doutor João Responde

Envelhecer é um privilégio

Velho não é sinônimo de imprestável. Ao contrário, alcançar os últimos degraus da idade pode trazer consigo um grande acúmulo de sabedoria. O que seria do mundo presente se não houvesse as lembranças …


Exclusivo
Doutor João Responde

Boqueira, essa incômoda feridinha

Queilite angular, chamada popularmente de boqueira, é um pequeno machucado doloroso que ocorre no canto da boca. Trata-se de uma dermatose comum, caracterizada por fissura e inflamação no ângulo dos …


Exclusivo
Doutor João Responde

Arroto: um sintoma mal-educado?

Para os árabes, arrotar depois da refeição é sinal de que o convidado apreciou o prato. Em nosso País, isso caracteriza falta de educação. Para o corpo, eructar é a maneira que o estômago encontra …


Exclusivo
Doutor João Responde

A prazerosa fome do apetite

O mais saboroso alimento depende da fome. O mais prazeroso prato depende do apetite. Dizem que beleza não se põe em mesa. Concordo, mas confesso que ela abre o apetite. Quando sentimos vontade …


Exclusivo
Doutor João Responde

Afeto faz bem à saúde

Experimente caminhar pelas ruas distribuindo abraços e apertos de mãos. Infelizmente, a maior parte das pessoas não retornará as demonstrações de afeto oferecidas por você. Algumas reagirão com …


Doutor João Responde

Tato, o olho da pele humana

O tato é o idioma do corpo. Vendo, ouvindo, cheirando, apalpando e sentindo sabores, percebemos o meio que nos cerca. Ao processar esses estímulos em nosso cérebro, nós os interpretamos, sejam como …


Doutor João Responde

Saúde esterilizada vira doença

Ninguém questiona a imprescindível necessidade da higiene, do uso de medicamentos, do emprego de vacinações, entre outros cuidados que visam preservar a saúde. Antigamente, a preocupação do ser …


Olá, !

Esse é o seu primeiro acesso por aqui, então recomendamos que você altere o seu nome de usuário e senha, para sua maior segurança.



Manter dados