search
Cookies não suportados!

Você está utilizando um navegador muito antigo ou suas configurações não permitem cookies de terceiros.


Assine agora e tenha acesso ao conteúdo exclusivo do Tribuna Online!

esqueceu a senha? Assinar agora
Cookies não suportados!

Você está utilizando um navegador muito antigo ou suas configurações não permitem cookies de terceiros.

As frustrantes colites imunológicas
Doutor João Responde

As frustrantes colites imunológicas

Doutor João Evangelista, médico e colunista de A Tribuna (Foto: Arquivo/AT)
Doutor João Evangelista, médico e colunista de A Tribuna (Foto: Arquivo/AT)
Existem basicamente três tipos de doenças: aquela que cura rápido, a que demora curar e aquela que nunca cura. Médicos apreciam enfermidades que evoluem rapidamente para o restabelecimento da saúde do paciente.

Ao se deparar com doenças crônicas e recidivantes, o profissional luta, para junto ao doente, não esmorecer.

As denominadas doenças inflamatórias intestinais se enquadram nesse decepcionante perfil, onde tratamentos longos, falha na resposta terapêutica e presença de complicações, adubam o desânimo de ambos.

Retocolite Ulcerativa e Doença de Crohn são processos inflamatórios onde o sistema imune reage contra a flora intestinal, gerando irritação crônica.

De uma hora para outra, a pessoa, em geral jovem, começa a perder peso, sentir dores abdominais e apresentar diarreias constantes.

Embora esses não sejam sintomas específicos, muitas vezes é assim que se manifestam as doenças inflamatórias intestinais, conjunto de distúrbios cuja ocorrência vem crescendo mundo afora. São patologias antigas, citadas por Hipócrates, antes de Cristo.

Sugere-se que seu aumento se deva às melhores condições de saneamento, vacinação e diminuição da incidência de parasitoses, reforçando a teoria de que a higiene tanto cura como favorece o aparecimento de enfermidades.

Muito se especula em relação à etiologia das doenças inflamatórias intestinais, embora até hoje pouco se saiba sobre sua origem, sendo sugerido que elas têm como causa uma união complexa de fatores ambientais, genéticos, microbianos e imunológicos.

Retocolite ataca o intestino grosso, enquanto a Doença de Crohn pode afetar o sistema digestivo da boca ao ânus, além de outros locais, como pele, olhos e articulações.

Apesar de visíveis diferenças epidemiológicas, genéticas e imunológicas entre as doenças inflamatórias intestinais, nem sempre é possível diferencia-las claramente, uma vez que podem ter manifestações clínicas parecidas e muitas vezes até ocorrerem juntas em um mesmo paciente.

Um dos maiores desafios no manejo do indivíduo com essas colites é o grande número de comorbidades que se associam à doença. Entre as manifestações comuns estão à dor abdominal e diarreia sanguinolenta.

Retocolite apresenta fezes com muco e sangue, urgência evacuatória e sensação de peso. Nos casos graves pode surgir febre, perda de apetite e astenia. Além disso, pode haver acometimento de outros órgãos, como fígado e articulações.

Os achados na Doença de Crohn também variam de acordo com a extensão do comprometimento, surgindo perda de peso, dor abdominal, diarreia com sangue e febre.

Em ambas as doenças podem surgir queixas extras intestinais, como anemia, manifestações reumatológicas e oftalmológicas.

O tratamento das doenças inflamatórias intestinais é dependente da extensão da patologia, devendo ser avaliada antes de se iniciar qualquer terapêutica.

Fármacos, como loperamida e derivados da atropina devem ser evitados, pois podem causar megacolo tóxico. Compostos, como 5-ASA, corticoides, imunomoduladores, entre outros, conseguem melhorar os sintomas, mas não curam a doença.

Ansiedade favorece o aparecimento de crises, e crises desencadeiam angústia, irritação e medo, alimentando quadros depressivos.

O estresse emocional precisa ser administrado antes que colabore na manifestação dos sintomas. Além de medicamentos, lazer, repouso e alimentação correta são recomendados para ajudar na manutenção do equilíbrio físico e mental, tão importantes para o sucesso do tratamento.

Diante de uma doença inflamatória intestinal, o sensato é aceitar e lutar. Criar excesso de expectativas torna-se o caminho mais curto para a frustração.

João Evangelista Teixeira Lima é clínico geral e gastroenterologista


últimas dessa coluna


Exclusivo
Doutor João Responde

O asfixiante coronavírus

Flutuando no ar, esse invisível inimigo se espalha por meio de gotículas transmitidas ao ar pela respiração, principalmente quando ocorrem espirros e tosse. Estando presentes ao redor, indivíduos …


Exclusivo
Doutor João Responde

Higienização com álcool em gel

Qual a diferença entre desinfetante, antisséptico e esterilizante? Desinfetar é destruir aquilo que causa infecção. Antissepsia é limpar algo contaminado. Esterilizar se refere a um processo de …


Exclusivo
Doutor João Responde

Em busca da vacina milagrosa

Vivendo entre o sonho e a realidade, ninguém é imune à sentença do tempo. A ansiedade é inimiga mortal da nossa paz. A paz é amiga vital da nossa saúde. Estamos atravessando um período dramático…


Exclusivo
Doutor João Responde

Complicações contra a Covid-19

Indagados por não estarem usando máscaras, muitas pessoas afirmam que são resistentes à Covid-19. Esta declaração categórica é bastante perigosa, uma vez que, diante da pandemia, ninguém pode dispor …


Exclusivo
Doutor João Responde

Baço, um órgão pouco lembrado

A designação desse órgão abdominal originou-se pelo fato dele ser embaçado, não se deixando ser atravessado pela luz. O baço sempre constituiu um desafio à curiosidade dos investigadores que …


Exclusivo
Doutor João Responde

Nossa memória imunológica

Quase ninguém se recorda da última vez em que ficou doente por conta de uma infecção microbiana, mas o sistema imune lembra bem desse momento da vida, assim como de vários outros anteriores. …


Exclusivo
Doutor João Responde

Esses malditos vírus

Nada garante a saúde permanente do ser humano. Por mais que a vida seja protegida, nada assegura a manutenção da tranquilidade do amanhã. Por esse motivo, a ciência toma conclusões como verdades …


Exclusivo
Doutor João Responde

Maconha não é droga inofensiva

Quando aquele jovem apareceu no consultório, eu já sabia boa parte da história que ele iria me contar. Preocupada, sua mãe havia ligado antes, me passando algumas informações a seu respeito. …


Exclusivo
Doutor João Responde

Minha vesícula encheu de pedras

Semanas após ter sido encaminhada para extrair a vesícula biliar, a paciente retornou ao meu consultório. Satisfeita, ela afirmou: “Minha cirurgia foi um sucesso, doutor”. Nada lembrava a …


Exclusivo
Doutor João Responde

Estou magro, mas sou gordo

Doze meses após se consultar comigo, o paciente reapareceu. Lembro-me quando ele chegou pela primeira vez. Lá estava, diante de mim, um adiposo jovem, carregando lipídios, complexos e desânimo. …


Olá, !

Esse é o seu primeiro acesso por aqui, então recomendamos que você altere o seu nome de usuário e senha, para sua maior segurança.



Manter dados