search
Cookies não suportados!

Você está utilizando um navegador muito antigo ou suas configurações não permitem cookies de terceiros.


Assine agora e tenha acesso ao conteúdo exclusivo do Tribuna Online!

esqueceu a senha? Assinar agora
Cookies não suportados!

Você está utilizando um navegador muito antigo ou suas configurações não permitem cookies de terceiros.

As frustrantes colites imunológicas
Doutor João Responde

As frustrantes colites imunológicas

Doutor João Evangelista, médico e colunista de A Tribuna (Foto: Arquivo/AT)
Doutor João Evangelista, médico e colunista de A Tribuna (Foto: Arquivo/AT)
Existem basicamente três tipos de doenças: aquela que cura rápido, a que demora curar e aquela que nunca cura. Médicos apreciam enfermidades que evoluem rapidamente para o restabelecimento da saúde do paciente.

Ao se deparar com doenças crônicas e recidivantes, o profissional luta, para junto ao doente, não esmorecer.

As denominadas doenças inflamatórias intestinais se enquadram nesse decepcionante perfil, onde tratamentos longos, falha na resposta terapêutica e presença de complicações, adubam o desânimo de ambos.

Retocolite Ulcerativa e Doença de Crohn são processos inflamatórios onde o sistema imune reage contra a flora intestinal, gerando irritação crônica.

De uma hora para outra, a pessoa, em geral jovem, começa a perder peso, sentir dores abdominais e apresentar diarreias constantes.

Embora esses não sejam sintomas específicos, muitas vezes é assim que se manifestam as doenças inflamatórias intestinais, conjunto de distúrbios cuja ocorrência vem crescendo mundo afora. São patologias antigas, citadas por Hipócrates, antes de Cristo.

Sugere-se que seu aumento se deva às melhores condições de saneamento, vacinação e diminuição da incidência de parasitoses, reforçando a teoria de que a higiene tanto cura como favorece o aparecimento de enfermidades.

Muito se especula em relação à etiologia das doenças inflamatórias intestinais, embora até hoje pouco se saiba sobre sua origem, sendo sugerido que elas têm como causa uma união complexa de fatores ambientais, genéticos, microbianos e imunológicos.

Retocolite ataca o intestino grosso, enquanto a Doença de Crohn pode afetar o sistema digestivo da boca ao ânus, além de outros locais, como pele, olhos e articulações.

Apesar de visíveis diferenças epidemiológicas, genéticas e imunológicas entre as doenças inflamatórias intestinais, nem sempre é possível diferencia-las claramente, uma vez que podem ter manifestações clínicas parecidas e muitas vezes até ocorrerem juntas em um mesmo paciente.

Um dos maiores desafios no manejo do indivíduo com essas colites é o grande número de comorbidades que se associam à doença. Entre as manifestações comuns estão à dor abdominal e diarreia sanguinolenta.

Retocolite apresenta fezes com muco e sangue, urgência evacuatória e sensação de peso. Nos casos graves pode surgir febre, perda de apetite e astenia. Além disso, pode haver acometimento de outros órgãos, como fígado e articulações.

Os achados na Doença de Crohn também variam de acordo com a extensão do comprometimento, surgindo perda de peso, dor abdominal, diarreia com sangue e febre.

Em ambas as doenças podem surgir queixas extras intestinais, como anemia, manifestações reumatológicas e oftalmológicas.

O tratamento das doenças inflamatórias intestinais é dependente da extensão da patologia, devendo ser avaliada antes de se iniciar qualquer terapêutica.

Fármacos, como loperamida e derivados da atropina devem ser evitados, pois podem causar megacolo tóxico. Compostos, como 5-ASA, corticoides, imunomoduladores, entre outros, conseguem melhorar os sintomas, mas não curam a doença.

Ansiedade favorece o aparecimento de crises, e crises desencadeiam angústia, irritação e medo, alimentando quadros depressivos.

O estresse emocional precisa ser administrado antes que colabore na manifestação dos sintomas. Além de medicamentos, lazer, repouso e alimentação correta são recomendados para ajudar na manutenção do equilíbrio físico e mental, tão importantes para o sucesso do tratamento.

Diante de uma doença inflamatória intestinal, o sensato é aceitar e lutar. Criar excesso de expectativas torna-se o caminho mais curto para a frustração.

João Evangelista Teixeira Lima é clínico geral e gastroenterologista


últimas dessa coluna


Exclusivo
Doutor João Responde

Coçar nem sempre cessa coceira

O nome “Jussara” vem da palavra tupi que significa “coceira”, sendo usada para designar os espinhos de uma palmeira que os índios utilizavam como agulhas para tecer. O pó que saía …


Exclusivo
Doutor João Responde

Flatulência e arroto

O pudor é uma vigilante virtude. Apesar disso, liberar flatos e arrotos é um hábito saudável. Os distúrbios relacionados com o conteúdo de gás no tubo digestivo são frequentes em consultórios de …


Exclusivo
Doutor João Responde

Nó na garganta nem sempre tem uma causa emocional

Lágrimas escorrendo sobre os olhos, olhar disperso e um coração silencioso, amarrando as palavras com as cordas vocais, apertando o nó na garganta. Angústia e angina derivam de “angere”, que …


Exclusivo
Doutor João Responde

Divertículo de Meckel, o inimigo que derrotou Tancredo Neves

Cansado dos sucessivos governos militares, eu também ansiava por um presidente civil, ainda que indicado por meio de eleição indireta, como aconteceu com o mineiro Tancredo de Almeida Neves. Na …


Exclusivo
Doutor João Responde

A embaraçosa urina solta

Semana passada eu atendi uma senhora acometida por incômoda incontinência urinária. Este sintoma se mostra tão constrangedor que a paciente fez um longo rodeio, antes de abordar a referida queixa. …


Exclusivo
Doutor João Responde

Síndrome do ombro congelado

Esperando que o tempo lhe devolva a atividade, um braço repousando na tipoia nos ensina a vital importância de cada pedacinho do corpo. Se, durante a noite, fazemos um movimento descuidado dentro do …


Exclusivo
Doutor João Responde

A torturante insônia

Quem tem insônia não dorme e nem acorda de verdade. Com ruminantes pensamentos, noites de insônia tornam cansado o amanhecer. Tentando me concentrar, rolo na cama de um lado para o outro, e nada do …


Exclusivo
Doutor João Responde

Pombos podem transmitir doenças

Embora pareçam indefesos e frágeis, os pombos urbanos são transmissores de doenças. Isto ocorre, não por que eles querem; muito pelo contrário, na verdade os pombos se contaminam e depois acabam …


Exclusivo
Doutor João Responde

Os cuidados necessários com o pé diabético

Abençoados pés, que nos apoiam e nos levam de um lado para o outro. Dependemos deles para não dependermos de ninguém para caminhar. São os pés que nos ligam a terra, simbolizando suporte, absorvendo …


Exclusivo
Doutor João Responde

A importante cera do ouvido

“Fazer cera” significa demorar de forma proposital para realizar alguma coisa que já poderia ter sido feita. Talvez por isso, a palavra “sincera” significa “sem cera”. Todavia, em se tratando do …


Olá, !

Esse é o seu primeiro acesso por aqui, então recomendamos que você altere o seu nome de usuário e senha, para sua maior segurança.



Manter dados