search
Cookies não suportados!

Você está utilizando um navegador muito antigo ou suas configurações não permitem cookies de terceiros.


Assine agora e tenha acesso ao conteúdo exclusivo do Tribuna Online!

esqueceu a senha? Assinar agora
Cookies não suportados!

Você está utilizando um navegador muito antigo ou suas configurações não permitem cookies de terceiros.

Arroto: um sintoma mal-educado?
Doutor João Responde

Arroto: um sintoma mal-educado?

Para os árabes, arrotar depois da refeição é sinal de que o convidado apreciou o prato. Em nosso País, isso caracteriza falta de educação. Para o corpo, eructar é a maneira que o estômago encontra para se livrar do excesso de gases.

Como é de praxe ser irreverente, o jovem costuma fazer concursos de arrotos, para ver quem consegue produzir o barulho mais alto e repulsivo.

Ao mastigar, os dentes rasgam e moem o alimento, estimulando a secreção de saliva, cujas enzimas quebram o bolo alimentar. Após a deglutição, o esôfago começa a se contrair, empurrando a comida para o estômago, onde é afogada em ácidos, que contribuem com a digestão.

No intestino delgado o conteúdo alimentar é liberado para a corrente sanguínea, nutrindo o organismo. O processo de comer envolve saliva, ácidos, enzimas, gases, entre outros elementos.

Quando abrimos a boca para comer ou beber, cada engolida adiciona dois mililitros de ar ao estômago. Ingerir alimentos de forma rápida, tomar bebidas gaseificadas e sofrer de distúrbio ansioso provocam aerofagia.

Quando arrotamos, o ar sobe do estômago e faz vibrar a válvula que fica entre o esôfago e a boca. O barulho produzido é amplificado pela garganta, como se ela fosse uma caixa de ressonância.

O arroto pode não ser muito conveniente, mas é importante, principalmente para os bebês. Com o sistema digestivo ainda pouco experiente, eles precisam de uma mãozinha para arrotar, caso contrário o gás acumulado pode causar cólicas e vômitos.

Apesar de ser fisiológico, o arroto pode traduzir sintomas de algumas doenças, como a hérnia de hiato, um desequilíbrio que diminui o controle da musculatura na entrada do estômago, facilitando os arrotos.

Outros problemas são a síndrome do intestino irritável e a úlcera duodenal, quando o órgão tem dificuldade de esvaziar e o paciente fica com a sensação de que está com a barriga inchada.

Algumas pessoas costumam arrotar, mesmo quando o estômago não está cheio de ar. Isso geralmente ocorre porque arroto se torna um artifício para tentar reduzir o desconforto abdominal.

Alimentos e bebidas, como feijão, lentilha, brócolis, ervilha, repolho, cebola, batata-doce e refrigerante, podem causar arrotos frequentes.

Alguns medicamentos provocam eructação. Drogas, como acarbose, lactulose e sorbitol, produzem gases. Anti-inflamatórios, como naproxeno, ibuprofeno e aspirina, irritam o aparelho digestivo, produzindo arrotos.

Doenças, como esofagite, gastroparesia, gastrite, úlcera péptica, intolerância à lactose, ao glúten e a frutose, apresentam a eructação como sintoma.

Eructações naturais não necessitam de qualquer intervenção. Entretanto, se os arrotos são exagerados, o tratamento torna-se necessário.

Quando o arrotar é excessivo e o estômago encontra-se distendido e com dificuldade de expulsar o ar, deitar de lado geralmente ajuda. Flexionar os joelhos, mantendo-os encostados no peito, também pode ser útil.

O tratamento para eructação depende da causa. Simeticona, domperidona, metoclopramida e bromoprida são as drogas mais utilizadas.

Arrotos fisiológicos não têm consequências graves. No entanto, se a eructação tornou-se frequente, devido a um problema do sistema digestivo, é possível que os sintomas piorem, caso não haja tratamento.

Eructações leves podem ser controladas com alguns procedimentos, como sentar-se e comer cada refeição lentamente, evitar mascar chiclete e ingerir bebidas gaseificadas, suspender alimentos produtores de gases e fugir de situações indutoras de ansiedade.

Quem coa a mosca e engole o camelo, arrota decepção. Com a barriga cheia de ar, o ansioso fica ansioso até para a ansiedade passar.

Conteúdo exclusivo para assinantes!

Assine agora e tenha acesso ao conteúdo exclusivo do Tribuna Online!

Matérias exclusivas, infográficos, colunas especiais e muito mais, produzido especialmente pra quem é assinante.

Apenas R$ 9,90/mês
Assinar agora
esqueceu a senha?

últimas dessa coluna


Exclusivo
Doutor João Responde

As agoniantes cistites

“Estou urinando de meia em meia hora”, queixou-se minha paciente. “Na verdade, parece que vou verter um oceano de urina, mas acabo eliminando apenas algumas gotas, sempre acompanhadas por uma …


Exclusivo
Doutor João Responde

Tranquilizante causa dependência

Algumas pessoas que têm dificuldade para enfrentar as vicissitudes da vida procuram um médico, solicitam receita de um calmante e depois não conseguem mais viver sem ele. Quando a caixa termina, …


Exclusivo
Doutor João Responde

Reações a medicamentos

É muito frequente o uso do vocábulo remédio como sinônimo de medicamento. No entanto, eles não significam a mesma coisa. Remédio é qualquer tipo de cuidado utilizado para tratar doenças, aliviando …


Exclusivo
Doutor João Responde

O desconfortável soluço

O incômodo soluço surge em situações e momentos mais impróprios. Trata-se de uma contração vigorosa e involuntária do diafragma, músculo responsável pela inspiração e que separa o tórax do abdômen. …


Exclusivo
Doutor João Responde

Limitações da telemedicina

A medicina se alimenta de informação. Ausência de dados compromete o diagnóstico e o tratamento. O médico pode utilizar um ambiente virtual para centralizar as informações do paciente, facilitando o …


Exclusivo
Doutor João Responde

Vulnerabilidade a medicamentos

Enquanto o corpo envelhece, o espírito amadurece, pois ninguém é demasiadamente idoso para que não possa nutrir esperança. Vulnerabilidade a medicamentos fragiliza a saúde do paciente geriátrico. …


Exclusivo
Doutor João Responde

Pneumonia silenciosa

Pneumonia é um tipo de inflamação que afeta os pulmões, geralmente relacionada a uma infecção. De modo geral, o quadro começa com alguma gripe que não é bem tratada, fazendo com que a imunidade do …


Exclusivo
Doutor João Responde

As perigosas mutações virais

Buscando harmonizar-se como um todo, ignorando o egoísmo humano, a natureza se recicla. Equivocadamente, o Homo sapiens tenta mudá-la, em vez de se ajustar a ela. A natureza costuma ser lânguida, mas …


Exclusivo
Doutor João Responde

Medicina baseada em evidência

“Medicina é como amor: nem nunca, nem sempre”. No passado, o médico nem sempre tinha acesso à pesquisa mais recente. Muitas vezes, ele decidia como tratar um paciente, usando apenas sua própria …


Exclusivo
Doutor João Responde

Consolo da falsa ciência

Em tempos de pandemia, alguns medicamentos têm reivindicado status científico, embora careçam de provas ou plausibilidade. A fronteira entre ciência e pseudociência tem implicações religiosas, …


Olá, !

Esse é o seu primeiro acesso por aqui, então recomendamos que você altere o seu nome de usuário e senha, para sua maior segurança.



Manter dados