Cookies não suportados!

Você está utilizando um navegador muito antigo ou suas configurações não permitem cookies de terceiros.


Assine agora e tenha acesso ao conteúdo exclusivo do Tribuna Online!

esqueceu a senha? Assinar agora
Cookies não suportados!

Você está utilizando um navegador muito antigo ou suas configurações não permitem cookies de terceiros.

Arena Corinthians cai no Serasa após pedido judicial

Esportes

Esportes

Arena Corinthians cai no Serasa após pedido judicial


Arena Corinthians (Foto: Divulgação / Facebook)
Arena Corinthians (Foto: Divulgação / Facebook)

Após decisão da Justiça Federal, a Arena Itaquera S.A, empresa que tem o Corinthians como sócio e que é dona do estádio do clube, foi incluída Serasa nesta quarta (18). A informação consta nos autos do processo que a Caixa Econômica ajuizou para cobrar obra de construção do Itaquerão.

Com a entrada no sistema, a empresa dona do estádio ficará com seu "nome sujo" e terá dificuldades para fazer compras a crédito e obter empréstimos de instituições financeiras.

A Caixa entrou com ação de execução no dia 22 de agosto para cobrar R$ 536.092.853,27 e solicitou a inclusão do fundo Arena Itaquera no Serasa. O juiz Victorio Giuzio Neto acatou e pedido e determinou, no último dia 12, a inscrição no Serasa.

Esse montante é a soma da dívida principal de R$ 487.357.139,34 com R$ 46.797.165,08, fruto de uma multa de 10% (estabelecida no contrato caso a Caixa fosse à Justiça ter que cobrar as obras).

A cláusula décima sexta do contrato, assinado pelo presidente da época (novembro de 2013), Mário Gobbi, diz que em caso de cobrança judicial o fundo Arena Itaquera precisará pagar 10% sobre o valor principal da dívida, além de encargos judicias e extrajudiciais e honorários advocatícios.

Em 15 de maio de 2019, o clube quitou a parcela de janeiro. Em 13 de agosto, a de fevereiro. As demais ficaram inadimplentes. O Corinthians pagou, em 2019, segundo a planilha apresentada pela Caixa, R$ 13.007.670,27 de um débito total de R$ 46.797.165,08. Ficou devedor em R$ 33.789.494,81.

Em entrevista na última sexta (13), o presidente do Corinthians, Andrés Sanchez, afirmou que desde o início do financiamento foram pagos R$ 158 milhões.

Nos documentos apresentados pela Caixa no pedido de execução da dívida, o banco detalha o fluxo de pagamento dos débitos de 2019. Não há informações sobre pagamentos feitos pelo Corinthians a partir de julho de 2015, quando terminou prazo de carência dado pela Caixa e as prestações começaram a valer, até dezembro de 2018.


Olá, !

Esse é o seu primeiro acesso por aqui, então recomendamos que você altere o seu nome de usuário e senha, para sua maior segurança.



Manter dados