search
Cookies não suportados!

Você está utilizando um navegador muito antigo ou suas configurações não permitem cookies de terceiros.


Assine agora e tenha acesso ao conteúdo exclusivo do Tribuna Online!

esqueceu a senha? Assinar agora
Cookies não suportados!

Você está utilizando um navegador muito antigo ou suas configurações não permitem cookies de terceiros.

“Aposentadoria do policial brasileiro será a pior do mundo”, diz sindicalista
Economia ES
Rafael Guzzo

Rafael Guzzo


“Aposentadoria do policial brasileiro será a pior do mundo”, diz sindicalista

Marcus Firme dos Reis é presidente do Sindicato dos Policiais Federais do Espírito Santo (Sinpef-ES). (Foto: Divulgação)
Marcus Firme dos Reis é presidente do Sindicato dos Policiais Federais do Espírito Santo (Sinpef-ES). (Foto: Divulgação)

Policiais federais, rodoviários federais, civis e demais profissionais da segurança pública do Espírito Santo vão a Brasília participar de manifestação por mudanças no relatório da reforma da Previdência, a ser apresentado nesta terça-feira.

O alvo principal da manifestação, planejada para começar ao meio-dia, são os integrantes da Comissão Especial da Câmara que trata do tema.

Lideranças das categorias reclamam que o documento nem de longe atendeu aos pedidos e torna, nas palavras deles, “a aposentadoria do policial brasileiro a pior do mundo”.

Os policiais consideram que, pela equivalência da função, a aposentadoria deveria ser similar aos militares, por não possuírem direitos como hora extra, adicional noturno, FGTS e de terem compromisso junto à sociedade de até morrerem, se necessário, no cumprimento do dever.

“Sabemos da necessidade do equilíbrio das finanças e estamos dispostos a dar a nossa cota de sacrifício, porém é fundamental termos por parte da sociedade que defendemos a garantia de uma proteção social. Além disso, o impacto financeiro é pequeno perto do ganho social”, avalia Marcus Firme, presidente do Sindicato dos Policiais Federais do Espírito Santo e integrante da Federação Nacional dos Policiais Federais (Fenapef) e União dos Policiais do Brasil (UPB).

Na semana anterior o grupo, representado pela UPB e pela Fenapef. teve várias reuniões com lideranças partidárias da Câmara, incluindo o presidente da Casa, Rodrigo Maia, para que apoiem os destaques que serão apresentadas na Comissão Especial que analisa a proposta.

No dia 25 de junho , foi a vez dos profissionais invadirem as redes com um tuitaço, ampliando a visibilidade de suas bandeiras. Já a manifestação desta terça segue exemplo da ocorrida no último dia 21 de maio, que reuniu policiais de vários estados.
Além do ato público desta terça, os policiais e operadores de todas as forças civis também pressionarão, até esta quinta, os parlamentares que compõem a Comissão Especial.


Olá, !

Esse é o seu primeiro acesso por aqui, então recomendamos que você altere o seu nome de usuário e senha, para sua maior segurança.



Manter dados