Cookies não suportados!

Você está utilizando um navegador muito antigo ou suas configurações não permitem cookies de terceiros.


Assine agora e tenha acesso ao conteúdo exclusivo do Tribuna Online!

esqueceu a senha? Assinar agora
Cookies não suportados!

Você está utilizando um navegador muito antigo ou suas configurações não permitem cookies de terceiros.

Aperto de mãos em favor da Previdência
Painel da Folha de São Paulo

Aperto de mãos em favor da Previdência

O ministro Onyx Lorenzoni (Casa Civil) fechou acordo para viabilizar a votação da reforma da Previdência na Câmara até a primeira quinzena de julho. O trato foi firmado na residência oficial do presidente da Câmara, Rodrigo Maia (DEM-RJ), e mobilizou líderes e dirigentes dos principais partidos de centro e centro-direita. O governo se comprometeu a empenhar e liquidar cerca de R$ 20 milhões, ainda este ano, em investimentos indicados por deputados que apoiarem a proposta.

Hoje, amanhã e depois - O acerto feito com os dirigentes partidários inclui a liberação de mais dinheiro até as eleições municipais do ano que vem, o que habilitaria os apoiadores da reforma a irrigarem suas bases, favorecendo aliados na disputa.

Quebrem o cofrinho - O valor global da negociação, segundo um dos participantes da reunião, é de R$ 40 milhões por deputado que votar a favor da proposta até o ano que vem.

Sem pré-datado - Com isso, o Planalto antecipou em dois anos o aceno que havia feito em abril, quando garantiu a liberação de R$ 40 milhões em emendas até 2022.

Até o limite - Onyx sentou para arrematar o trato com as principais siglas da Câmara no mesmo dia em que o presidente Jair Bolsonaro publicou medida provisória retirando a articulação política de suas atribuições. Fez questão de dizer aos líderes de partidos que, até a reforma, é ele quem vai tocar os acertos com o Congresso.

Seu quadrado - Para agilizar a tramitação das mudanças nas regras de aposentadoria no Senado o governo terá de firmar novo acordo, que será conduzido pelo presidente da Casa, Davi Alcolumbre (DEM-AP).

Fonte - Para pagar as verbas indicadas por deputados, o Planalto vai irrigar programas como o Minha Casa, Minha Vida, e liberar dinheiro que foi afiançado no Orçamento de 2018, votado sob a batuta de Michel Temer.

Lá como cá - Parlamentares também esperam que, na próxima semana, saiam as primeiras nomeações de indicados de políticos para estatais de projeção regional.

Vai tarde - Integrantes do PSL comemoraram a MP que retirou a articulação política das mãos de Onyx. "Como não tínhamos articulador nenhum, o que vier é positivo", brincou o líder da sigla no Senado, Major Olímpio (PSL-SP).

Foi o suficiente - Sergio Moro sobreviveu às nove horas de oitiva no Senado, mas senadores saíram da sessão com com a impressão de que ele foi evasivo. Ainda assim,no fim do dia, parlamentares da Casa apostavam que, por ter ido se explicar e não ter cometido falha grave, ele colocou na geladeira articulação para abertura de uma CPI.

Vencer pelo cansaço - Durante a audiência, Moro questionou a autenticidade das mensagens 50 vezes, falou em hackeamento 53, defendeu a normalidade das supostas conversas em 37 momentos e sua imparcialidade em 20 ocasiões.

Campeão - O termo "sensacionalismo" foi outro muito cunhado pelo ministro (45 vezes), sempre em referência às notícias publicadas pelo The Intercept Brasil. Chegou a usar a palavra cinco vezes em uma resposta curta.

Pelo sim, pelo não - Não foram só os integrantes da força-tarefa da Lava a Jato de Curitiba que apagaram os registros de suas conversas no Telegram após o estouro do polêmico caso em torno de mensagens entre eles e o ex-juiz Sergio Moro. Quadros da Procuradoria-Geral da República (PGR) e do Rio também fizeram uma limpa em seus arquivos.

Lista que só cresce - Aliados de Bolsonaro egressos das Forças Armadas citam Lauro Cardoso, quarto colocado na votação da lista tríplice elaborada por procuradores, como nome que conta com a simpatia dos fardados para a sucessão de Raquel Dodge. Capitão da reserva do Exercito, fez curso de forças especiais e é paraquedista, como o presidente.

Me dê motivos - A ausência de Valdmir Aras no topo da lista votada pelos procuradores espantou quadros do Ministério Público Federal que apostavam na força do nome dele. Entre todos os que estavam no páreo, ele é de longe o mais próximo de Sergio Moro. Aliados citam o fato de ele não ser subprocurador como determinante para a derrota.

Tiroteio
"Moro se diz imparcial, mas aconselhava o MP (Ministério Público) a acusar; cobrava lembrança dos fatos dos réus, mas não sabe o que escreveu."

De José Eduardo Cardozo, ex-ministro da Justiça de Dilma Rousseff, sobre a audiência do ex-juiz Sergio Moro em comissão do Senado.

Conteúdo exclusivo para assinantes!

Assine agora e tenha acesso ao conteúdo exclusivo do Tribuna Online!

Matérias exclusivas, infográficos, colunas especiais e muito mais, produzido especialmente pra quem é assinante.

Apenas R$ 9,90/mês
Assinar agora

últimas dessa coluna


Exclusivo
Painel da Folha de São Paulo

Como água e óleo

É crescente o incômodo do meio jurídico com a interação revelada pelas mensagens obtidas pelo The Intercept entre o ex-juiz Sérgio Moro e procuradores da Lava a Jato. O ministro Marco Aurélio Mello, …


Exclusivo
Painel da Folha de São Paulo

Somando esforços contra arquivamento de investigações

O grupo que articula recorrer ao plenário do Conselho Nacional do Ministério Público (CNMP) contra o arquivamento de investigações sobre a atuação de Deltan Dallagnol e outros nomes da força-tarefa …


Exclusivo
Painel da Folha de São Paulo

Jogo de gente grande

A polêmica decisão em que Dias Toffoli suspendeu ações baseadas em informações obtidas sem o aval da Justiça é a expressão máxima da capacidade de arquitetura política do ministro. A medida, um …


Exclusivo
Painel da Folha de São Paulo

Procuradores divididos em relação à Lava a Jato

Nota publicada nesta segunda-feira (15) pela Procuradoria Federal dos Direitos do Cidadão (PFDC), um braço do Ministério Público Federal (MPF), escancarou a divisão que existe no órgão em …


Exclusivo
Painel da Folha de São Paulo

E te direi quem és

A nova leva de mensagens da Lava Jato, revelada neste domingo (14) pela Folha e pelo The Intercept, fez integrantes do STF ironizarem membros do Conselho Nacional do Ministério Público que avalizaram …


Exclusivo
Painel da Folha de São Paulo

Se não pode vencê-los

Após forte reação no Senado de parlamentares que compõem a ala moderada do Congresso, o Ministério da Economia decidiu suspender por 30 dias os efeitos de portaria que facilita a importação de …


Exclusivo
Painel da Folha de São Paulo

Apoiadores dizem que Bolsonaro errou no timing

A decisão de Jair Bolsonaro de indicar o filho Eduardo a embaixador em Washington foi considerada um erro por dirigentes de partidos que apoiaram mudanças na Previdência. O Presidente, dizem, errou …


Exclusivo
Painel da Folha de São Paulo

A República somos nós

A indicação de Eduardo Bolsonaro para a Embaixada do Brasil em Washington repercute politicamente em diversas camadas. Quem conhece os meandros do Itamaraty diz que a escolha acaba com qualquer …


Exclusivo
Painel da Folha de São Paulo

De alma lavada

Ao concluir missão que tomou como pessoal, o presidente da Câmara, Rodrigo Maia (DEM-RJ), enviou recados explícitos ao Planalto. No discurso que selou a aprovação em primeiro turno da reforma da …


Exclusivo
Painel da Folha de São Paulo

Linha de corte mais alta

Os últimos vazamentos de mensagens trocadas entre a Lava Jato e o ex-juiz Sergio Moro tendem a aprofundar a cisão que já existe no Supremo. Há uma ala da corte que, a despeito de críticas emitidas …


Olá, !

Esse é o seu primeiro acesso por aqui, então recomendamos que você altere o seu nome de usuário e senha, para sua maior segurança.



Manter dados