Cookies não suportados!

Você está utilizando um navegador muito antigo ou suas configurações não permitem cookies de terceiros.


Assine agora e tenha acesso ao conteúdo exclusivo do Tribuna Online!

esqueceu a senha? Assinar agora
Cookies não suportados!

Você está utilizando um navegador muito antigo ou suas configurações não permitem cookies de terceiros.

Anestesista também em exame diagnóstico

Especial Saúde

Anestesista também em exame diagnóstico


O médico Marcelo Torres acompanha paciente sedado para exame (Foto: Divulgação)
O médico Marcelo Torres acompanha paciente sedado para exame (Foto: Divulgação)
A segurança do paciente durante a realização de exames diagnósticos que exigem sedação, como endoscopia e colonoscopia, deve ser prioridade da equipe médica. Em cirurgias, a presença do especialista é garantida, mas isso nem sempre é seguido durante os exames.

O alerta vem do médico anestesiologista e sócio proprietário da Alfa Anestesia, Marcelo Torres. Ele ressalta que a presença do especialista é sinônimo de segurança para o paciente, já que é o profissional responsável por administrar o medicamento sedativo e ainda monitorar os sinais vitais, como pressão arterial, nível do oxigênio e frequência cardíaca.

“A mesma dose de medicamento pode reagir de forma distinta em pacientes diferentes. O anestesiologista sabe individualizar essa dose e a escolha do medicamento, levando em conta diversos fatores, como a idade do paciente, as medicações que ele costuma tomar, o histórico familiar, entre outros”, afirma.

Além disso, o profissional bem treinado consegue detectar precocemente qualquer alteração nos sinais vitais. Nessa situação, o principal problema é a parada respiratória, que pode levar à parada cardíaca e à morte.

“O anestesiologista é o profissional mais capacitado para intervir e tirar o paciente desse quadro”, frisa Torres. 

Por isso, uma etapa importante e obrigatória antes de qualquer procedimento médico é a avaliação pré-anestésica, na qual o anestesiologista realiza uma entrevista e planeja a anestesia, baseado em informações como idade, uso de substâncias, doenças existentes e complicações anteriores. 

Mesmo sendo uma das diretrizes do Conselho Federal de Medicina (CFM) e prática comum fora do Estado, a presença do anestesiologista em exames médicos diagnósticos ainda enfrenta resistência na Grande Vitória, segundo o especialista. “É um direito do paciente. Ele pode exigir isso do plano quando for marcar o exame”, disse. 

 (Foto: Jornal A Tribuna)
(Foto: Jornal A Tribuna)


Olá, !

Esse é o seu primeiro acesso por aqui, então recomendamos que você altere o seu nome de usuário e senha, para sua maior segurança.



Manter dados