search
Cookies não suportados!

Você está utilizando um navegador muito antigo ou suas configurações não permitem cookies de terceiros.


Assine agora e tenha acesso ao conteúdo exclusivo do Tribuna Online!

esqueceu a senha? Assinar agora
Cookies não suportados!

Você está utilizando um navegador muito antigo ou suas configurações não permitem cookies de terceiros.

Alemão leva forró capixaba para a Europa

Entretenimento

Entretenimento

Alemão leva forró capixaba para a Europa


Hoje fãs apaixonados acompanham o Alemão do Forró pelo Brasil e até na terra do Tio Sam. E quem pensa que ele chegou longe, ainda não viu nada!

Em 2020, o Rei do Forró Capixaba vai até a Europa e ainda aproveita para voltar aos Estados Unidos para mais uma turnê. “O mesmo contratante que nos levou aos Estados Unidos em 2019 nos convidou a voltar e fazer shows na Europa. Vou botar todo mundo para dançar o forró capixaba!”, avisa.

 O Rei do Forró Capixaba fala sobre seus planos para o próximo ano e diz que ficará um mês “chocando” sua primeira filha, Alice. (Foto: Divulgação)
O Rei do Forró Capixaba fala sobre seus planos para o próximo ano e diz que ficará um mês “chocando” sua primeira filha, Alice. (Foto: Divulgação)

Antes, em fevereiro, o ex-mecânico de motos que virou febre musical faz uma pausa. Um mês de férias. Ou, como ele prefere dizer, um mês “chocando”. “Vou ficar de molho, chocando a Alice”, afirma o cantor, de 33 anos, todo bobo com a primeira filha com Georggia Tosatto.

“Com certeza, vou ser um pai babão. E meus fãs estão babando também. Eu nem ganho presentes mais. Todo mundo que traz alguma coisa é, na verdade, para a Alice. E ela merece”, derrete-se por sua “Alemãzinha do Forró”.

“Não dava nem boa noite. Morria de medo. Era tímido”

Este ano, você fez shows nos EUA. Todo mundo está caindo no forró capixaba?

Todo mundo! E tome forró! (Risos) Estou sempre levando o nome do nosso Estado aos shows, até fora do Brasil. Eu fiquei encantado. Não achei que a turnê seria tão boa.

Já tinha viajado para fora do País?

Nunca. Carimbei o meu passaporte! Foi uma experiência incrível. Fomos a Nova Iorque, à Times Square, fizemos compras...

O forró capixaba é diferente?

É. No meu caso, a identidade, desde 2010, é levar, para as pessoas, músicas próximas de todo mundo, músicas populares. Sempre com o meu jeito humilde.

O mais importante para mim, quando acaba o show, é tirar fotos com fãs. O povo capixaba me colocou onde estou hoje e sou muito agradecido, jamais vou esquecer.

É o Rei do Forró Capixaba? Sente-se mesmo um rei?

Que nada! Isso foi um apelido que a galera colocou, uma brincadeira, e acabou virando um subtítulo. Mas eu não tenho isso não, sou o mesmo. Quando acaba o show, estou no meio da galera.

Suas músicas são para cima. É isso que conquista a galera?

Acho que o que conquista a galera é o humor, a humildade, a simplicidade das músicas e o meu jeito de tratar todo mundo. Os fãs viram amigos, os contratantes viram amigos. E este ano foi inédito: pela primeira vez, eu fiz mais shows em Minas Gerais do que no Espírito Santo.

Está só no queijo...

(Risos) Picanha de mineiro é queijo. Este ano, eu quase virei mineiro. É brincadeira! A minha comida predileta continua sendo a moqueca capixaba. Eu sou fã.

De mecânico de motos a Alemão do Forró. Foi fácil?

Fácil não foi, mas eu nunca pensei em desistir. Eu sabia que uma hora as pessoas iam curtir o meu jeito de cantar.

O sonho era ser uma estrela da música?

O meu sonho era viver da música. Porque, antes, eu tinha que conciliar o trabalho de mecânico com os shows. E deu certo. Então, para mim, já está bom demais!

Não começou cantando. Era tímido?

Eu comecei como tecladista e eu não dava nem boa noite no microfone. Eu morria de medo. Era muito tímido. A vida foi me ensinando, foi minha escola. Hoje, o palco é o meu lugar favorito, onde estou mais à vontade, onde converso, interajo. O palco é o melhor lugar do mundo hoje para mim.

Estava predestinado ao sucesso ou trabalhou duro?

No início, eu tocava por 300, 400 reais, e sei que muitos não acreditavam em mim. Porque eu já comecei com as minhas músicas próprias. Mas muita gente gostou. Então, acho que o negócio foi ter paciência e humildade. E ralar muito. Uma hora, dá certo.

10 anos de Alemão do Forró em 2020. Como vai ser?

Vem um DVD muito bonito aí e nós vamos fazer alguma coisa para comemorar tudo o que está acontecendo com muitos shows, porque está muito gostoso.

O Alemão só ouve forró?

Que nada! Eu fui ao Rock in Rio. Pela segunda vez. As pessoas lá me perguntaram: “O que você está fazendo aqui? Não é o Alemão do Forró”. (Risos) A turma achou estranho. Mas eu curto rock.


Olá, !

Esse é o seu primeiro acesso por aqui, então recomendamos que você altere o seu nome de usuário e senha, para sua maior segurança.



Manter dados