Álcool não aduba felicidade

Após atravessar o aparelho digestivo e cair na corrente sanguínea, o álcool atinge o cérebro. Ao transformar o córtex cerebral em salão de festa, ele deixa o bebedor desinibido e falante. Sentindo-se bem e confiante, a pessoa acaba bebendo outras doses.

Protagonista de gostosa diversão, prazer e entusiasmo, o álcool resolve percorrer um novo caminho, indo para o hipocampo. Neste local, ele entorpece a memória.

Quem já ficou bêbado costuma não se recordar dos fatos, das pessoas com quem falou, e nem mesmo como foi levado para casa. Emoções exacerbadas também surgem nesse local do cérebro, gerando discursos de amor, gargalhadas e choros emocionados, caracterizando labilidade emocional.

Passado algum tempo, a bebida se desloca para o cerebelo, lugar onde ela provoca alterações. Privado de equilíbrio, o cerebelo faz o mundo girar ao redor do indivíduo. Ver tudo rodando é o caminho mais curto para vomitar.

Existem vários tipos de bêbados, cada um deles reagindo ao álcool de maneira diferente. Alguns bebedores entornam grandes volumes de etanol e não ficam bêbados. Esses consumidores não revelam mudanças notáveis de personalidade quando passam da sobriedade à embriaguez.

Outros se tornam agradáveis quando estão bêbados, mostrando comportamento extrovertido e amigável.

Álcool pode produzir redução do estado de consciência e afabilidade, estimulando atitudes antissociais. Os membros desse grupo podem apresentar condutas irresponsáveis, estúpidas e hostis, quando estão embriagados.
Consumidores de álcool desenvolvem habilidade para justificar suas preferências etílicas.

Não existe comemoração sem cerveja, afirmam os apreciadores dessa espumosa bebida.

O vinho não era tão popular quanto a cerveja, até alguém dizer que “um cálice, por dia, é bom para o coração”. A maioria dos bebedores ignorou a dose e correu para a adega mais próxima, quadruplicando sua dose diária.
A vodca e o uísque são bebidas enaltecidas pela elite, afirmando que seu uso exige requinte. Algo tão nobre não deve fazer mal, afirmam seus usuários.

A cachaça, bebida popular, goza de prestígio entre os bebedores humildes. Muitos afirmam que ela deve ser ingerida em doses pequenas, ou seja, várias doses pequenas.

“Você já viu uma lata de cerveja dizendo que vai te ligar no outro dia, e não liga?” “Ou então um cálice de vinho dizendo que é jovem demais para se envolver?” “Ou um copo de uísque pedindo um tempo para decidir se realmente é aquilo que quer?” “Ou ainda uma taça de conhaque dizendo que você é a pessoa certa, mas na hora errada?” “Por acaso uma garrafa de cachaça já beijou alguém na tua frente"? “Ou então você já levou chifre de um litro de rum?”

Jorram desabafos vindos do coração de quem necessita do álcool para chorar suas mágoas.
Aos que cansaram de ficar com os pés inchados por causa de memoráveis carraspanas e que já não aguentam mais a decadência profissional e o desrespeito por parte de familiares e amigos, em virtude dessa prejudicial prática, lanço um raio de compreensão sobre a calvária obnubilada de todo pinguço.

Alcoolismo provoca cirrose, hepatite, AVC (que não tem nada a ver com Associação dos Viciados em Cachaça), câncer (que não tem nada a ver com sagitário, capricórnio e escorpião), conversão religiosa (que pode drenar para o fanatismo, vício tão nocivo quanto o álcool) e morte, talvez o recurso comprovadamente eficaz para recuperar alcoólatras desenganados.

Quando indagados se o álcool faz mal, alguns bebedores respondem: “só quando acaba... ele ou nós”.


últimas dessa coluna


Ginecomastia na adolescência

O crescimento das mamas em homens pode criar constrangimentos de cunho estético.Anormalidade benigna, passível de correção, a ginecomastia é caracterizada por um excesso de tegumento, gordura e …


O sentido do olfato

Ao chegar, o cheiro tempera o ar. Quando parte, ele deixa lembranças – boas ou más. Um trivial aspirar pode despertar fome, provocar atração ou repulsa e resgatar cenas do passado. Quase tudo tem …


Surdez pode causar isolamento

A perda da audição causa um pesado infortúnio. Ela representa a ausência de um estímulo vital, o som da voz, que veicula a linguagem, agita os pensamentos e nos mantém conectados aos outros. A …


O medo de ter câncer

Carcinofobia – ou medo de câncer – é um temor que aflige grande quantidade de pessoas. Na maioria dos casos, esse medo é racional. Mas em pessoas com preocupação extrema, a condição pode gerar pânico …


Meningite, uma doença grave

Em 1977, apesar de ainda estar cursando o quinto ano de Medicina, fui chamado para consultar um adolescente que apresentava dor de cabeça e febre. Ao examina-lo percebi que se tratava de uma infecção …


Gripe intestinal e seus sintomas

Conhecida também como virose digestiva, a gripe intestinal provoca um quadro clínico bastante incômodo, embora desapareça, sem muitas complicações, depois de alguns dias. Esse tipo de gastroente…


Entupimento do ducto salivar

Pedras podem surgir na vesícula, no trato urinário e nas glândulas salivares. A sialolitíase ou cálculo salivar representa a obstrução do sistema excretor de uma glândula salivar por calcificações …


Nossas vigilantes e aliadas amígdalas

Tonsilas ou amígdalas são órgãos que auxiliam na fabricação de anticorpos para combater bactérias agindo, assim, como grandes aliadas do sistema imunológico. Localizadas na encruzilhada entre a …


Trememos por várias razões

“Quando a vela chega ao fim, a chama começa a tremer, com medo da escuridão”. O tremor resulta de várias situações. Sua principal causa é o frio, condição que faz com que os músculos se contraiam …


Açúcar vicia o cérebro

A glicose é um componente essencial à vida, especificamente para o correto desenvolvimento das funções cerebrais. Entretanto, não é preciso ingerir açúcar e nem alimentos doces para que o organismo …