Açúcar vicia o cérebro

A glicose é um componente essencial à vida, especificamente para o correto desenvolvimento das funções cerebrais. Entretanto, não é preciso ingerir açúcar e nem alimentos doces para que o organismo conte com a quantidade necessária dela.

Caso alguém adotasse uma dieta livre de açúcar, isso não representaria nenhum problema, afinal o corpo possui vários mecanismos para conseguir glicose.

Além de obtê-la através da alimentação, o organismo pode sintetizá-la a partir do glicogênio, um polissacarídeo armazenado no fígado e, em menor quantidade, nos músculos.

A glicose também é obtida a partir de subprodutos das gorduras, chamados corpos cetônicos, os quais, em situações de hipoglicemia, podem suprir essa carência.

Outras fontes de energia são os ácidos graxos. A gordura é armazenada em forma de glicerol e ácidos graxos. Nos humanos, os ácidos graxos não conseguem produzir glicídios, mas o glicerol pode, embora em quantidades menores.

Todos os alimentos ingeridos acabam, em maior ou menor medida, sendo transformados em glicose, ou seja, em energia para o metabolismo orgânico.

O tipo de alimento de mais fácil transformação é o grupo dos carboidratos. Eles incluem os açúcares livres, acrescidos a uma infinidade de produtos, como os cereais, tubérculos, leguminosas, laticínios, frutas e hortaliças.

Mantendo uma dieta saudável, o organismo vai funcionar bem, não tendo por que se preocupar, pois o estoque de glicose está assegurado. A evolução já se ocupou de criar recursos para obter o principal suprimento de energia celular.

Entretanto, quando ingerido de forma abusiva, o açúcar vicia o cérebro, pois estimula a produção de um neurotransmissor chamado dopamina, que é responsável pela sensação de prazer e bem-estar, fazendo com que o corpo crie dependência por esse tipo de alimentação.

Além do vício, o excesso de açúcar também prejudica a memória e dificulta o aprendizado, o que leva a uma diminuição do rendimento intelectual e laboral.

De mais a mais, o açúcar fornece apenas calorias vazias para o organismo, uma vez que ele não contém vitaminas e minerais, nutrientes essenciais para o funcionamento do corpo.

Consumir altos níveis de açúcar acaba afetando negativamente a saúde do encéfalo, danificando desde a função cognitiva até a sensação de bem estar.

O cérebro consome mais energia que qualquer outro órgão do corpo humano. Sua principal fonte é a glicose. Porém, quanto mais açúcar o indivíduo consome, mais ele deseja consumi-lo. Além de afetar a saúde, essa compulsão também gera danos estéticos.

Quando ingerido, o açúcar ativa receptores gustativos nas papilas linguais, que enviam um sinal ao cérebro para liberar uma onda de substâncias que promovem sensação de prazer. A dopamina é uma delas. O açúcar sequestra a via da recompensa do cérebro.

O problema na verdade começa a surgir quando o impulso, que era para ser ocasional no sistema de recompensa do cérebro, é ativado com frequência.

O estímulo em excesso deste sistema altera o metabolismo, dando início a uma série de eventos desagradáveis, como perda de controle sobre o consumo e maior tolerância ao açúcar.

Açúcar também pode prejudicar o humor. Em pessoas ávidas por doces, a capacidade de processar as emoções pode ser comprometida devido aos elevados níveis de glicose na corrente sanguínea.

Alimentos com elevados índices glicêmicos estimulam regiões cerebrais associadas à resposta de gratificação. Isso provoca um sentimento intenso de fome em comparação com alimentos de baixo teor glicêmico.

Acariciada pelo açúcar, a satisfação agradece ao vício, deixando para o corpo o débito do prazer, quitado com arrependimento.
 


últimas dessa coluna


Sintomas são delações premiadas

Diante do delito cometido pela criminosa doença, o inocente corpo acumula provas, utilizando sintomas como forma de delação. Dessa maneira, ele espera, como prêmio, o retorno da saúde. Sintomas …


O perigo de nunca sentir dor

A presença da dor é essencial para a integridade e a sobrevivência da espécie. Jesus enfrentou o sofrimento, sabendo que estaria abandonado da presença misericordiosa de Deus. O cálice da …


A doença da urina do rato

O mundo está lembrando o centenário do término da Primeira Guerra Mundial. Entre 1914 e 1918, soldados inimigos trocavam tiros, buscando proteção dentro das trincheiras. Naquela época, ninguém …


“Abracadabra, que a doença seja debelada”

Escutar, examinar, solicitar exames, diagnosticar, explicar e tratar. Eu exerço esses ofícios há 40 anos. Procuro caprichar na informação, pois comunicação não é o que se fala, mas o que o outro …


Nem sempre dominamos o nosso corpo

Quando criança, eu costumava prestar atenção em minha respiração. O resultado era sempre uma sensação de cansaço, causado pelo trabalho dos músculos acostumados a respirar por conta própria. O …


O tempo nem sempre é um aliado

Um indivíduo apaixonado clama pela permanência do tempo. Uma pessoa deprimida suplica pela passagem do tempo. Dentro da medicina, o tempo é usado para curar, como acontece, por exemplo, durante um …


A dor que não pertence ao corpo

“A dor do outro é sempre menor que a nossa”. Nem sempre isso é verdade. Existe dor que não mais nos pertence, mas ainda nos aflige. Ela costuma residir num membro fantasma. Quando removido ou …


Álcool não aduba felicidade

Após atravessar o aparelho digestivo e cair na corrente sanguínea, o álcool atinge o cérebro. Ao transformar o córtex cerebral em salão de festa, ele deixa o bebedor desinibido e falante. Sentindo-se …


Suicídio: coragem ou covardia?

Em algum momento na vida, todos já flertamos com a morte. Se não desejamos nos matar, ao menos cogitamos morrer para escapar do sofrimento, para chamar a atenção ou para entrar na história. O ser …


É preciso atenção com as ínguas

Íngua é o aumento dos gânglios linfáticos, aparecendo como consequência de alguma inflamação na região acometida, podendo ou não vir acompanhada de dor. Quando expostos a bactérias ou vírus, a …