search
Cookies não suportados!

Você está utilizando um navegador muito antigo ou suas configurações não permitem cookies de terceiros.


Assine agora e tenha acesso ao conteúdo exclusivo do Tribuna Online!

esqueceu a senha? Assinar agora
Cookies não suportados!

Você está utilizando um navegador muito antigo ou suas configurações não permitem cookies de terceiros.

Acidentes com fogos de artifício e fogueiras aumentam nas festas de São João

Notícias

Cidades

Acidentes com fogos de artifício e fogueiras aumentam nas festas de São João


 (Foto: Divulgação)
(Foto: Divulgação)
As festas juninas e julinas são sinônimos de muita diversão, mas requerem muito cuidado porque as tradicionais comemorações também são marcadas por acidentes.

O médico ortopedista Thanguy Friço afirma que além de queimaduras graves e mortes, o uso inadequado de fogos de artifício e rojões pode provocar lesões importantes e amputações das mãos e dedos, além de perda auditiva e de visão, temporária ou permanentemente.

Um levantamento feito pelo Conselho Federal de Medicina (CFM) aponta que o manuseio impróprio de fogos de artifício levou aos hospitais mais de cinco mil pessoas entre os anos de 2008 e 2018. O estudo é uma parceria das Sociedades Brasileiras de Cirurgia da Mão (SBCM) e de Ortopedia e Traumatologia (SBOT) e serve de alerta sobre os riscos de acidentes e queimaduras durante as festas juninas.

O médico ortopedista Thanguy Friço afirma que além de queimaduras graves e mortes, o uso inadequado de fogos de artifício e rojões pode provocar lesões importantes e amputações das mãos e dedos (Foto: Divulgação)
O médico ortopedista Thanguy Friço afirma que além de queimaduras graves e mortes, o uso inadequado de fogos de artifício e rojões pode provocar lesões importantes e amputações das mãos e dedos (Foto: Divulgação)
Em média, são registradas nos serviços públicos de saúde cerca de 80 internações no mês de junho. “Se considerarmos que em algumas regiões as festas juninas têm início nas quermesses de maio e vão até julho, podemos verificar que um terço de todas as hospitalizações acontece apenas neste período de 90 dias. É preciso, portanto, ter cautela no manuseio desses fogos, sobretudo promovendo ações de proteção às crianças”, afirma Thanguy.

Nos últimos 21 anos, o Brasil registrou aproximadamente dez mortes a cada ano, num total de 218 óbitos por acidente com fogos de artifício.

“Em casos de acidente, é recomendado lavar o ferimento com água corrente, não tocar na área queimada, não cobrir o ferimento e não usar nenhum tipo de substância sobre a lesão, como manteiga, pó de café, creme dental, clara de ovo e pomadas. Logo após, procure imediatamente o serviço de saúde mais próximo para o adequado atendimento médico”, finaliza.


Olá, !

Esse é o seu primeiro acesso por aqui, então recomendamos que você altere o seu nome de usuário e senha, para sua maior segurança.



Manter dados