Cookies não suportados!

Você está utilizando um navegador muito antigo ou suas configurações não permitem cookies de terceiros.


Assine agora e tenha acesso ao conteúdo exclusivo do Tribuna Online!

esqueceu a senha? Assinar agora
Cookies não suportados!

Você está utilizando um navegador muito antigo ou suas configurações não permitem cookies de terceiros.

A turma de craques no Pan de Lima
Papo do Dias
Flávio Dias

Flávio Dias


A turma de craques no Pan de Lima

Os Jogos Pan-Americanos não são a principal meta no calendário das maiores feras do esporte mundial. Mas foi graças a esta competição que surgiram muitos nomes que, depois, viraram ídolos do esporte. Aqui no Espírito Santo e no resto do Brasil.

Nos últimos 20 anos, “surgiram” e brilharam em Pans craques como Cesar Quintaes (natação), Juliana Coradini (gin

Cesar Quintaes (terceiro da esquerda para a direita) foi ouro com o revezamento 4x100m livre no Pan de Winnipeg/1999 (Foto: COB)
Cesar Quintaes (terceiro da esquerda para a direita) foi ouro com o revezamento 4x100m livre no Pan de Winnipeg/1999 (Foto: COB)
ástica rítmica), Tayanne Mantovanelli (ginástica rítmica), Claudiomar Iung “Formiga” (remo), Sandro Varejão (basquete), Aylton Tesch (basquete), Alexandra do Nascimento (handebol), Thiago Almeida (remo), Daiene Dias (natação), Anderson Varejão (basquete), Larissa França (vôlei de praia), Alison (vôlei de praia)...

A edição deste ano também promete. A “turma de 2019” tem alguns nomes que podem entrar para a história do esporte brasileiro. E não é exagero.

Paulo André é o segundo mais rápido da história do atletismo brasileiro (Foto: Thiago Parmalat / CBDU)
Paulo André é o segundo mais rápido da história do atletismo brasileiro (Foto: Thiago Parmalat / CBDU)
Um deles é Paulo André Camilo. Segundo mais rápido da história do atletismo brasileiro, ele tem 10s02 de melhor tempo nos 100m rasos. Só fica atrás de Robson Caetano, até hoje recordista brasileiro com 10s00, marca alcançada em julho de 1988! A expectativa é grande para que, ainda este ano, o paulista radicado desde criança em Vila Velha seja o primeiro brasileiro a correr abaixo dos 10 segundos. Quem sabe o recorde não sai em Lima?

Outra é Natalia Gaudio, que já merece o título de maior nome da ginástica rítmica do Brasil. Na Olimpíada do Rio/2016, ela foi a primeira ginasta brasileira numa Olimpíada — competindo no individual da GR — desde os Jogos de Barceona/1992. Em Pans, ela vai para a sua terceira edição. A melhor colocação foi o oitavo lugar em Toronto/2015.

A “turma de 2019” tem tambem João Luiz Gomes Júnior. Finalista olímpico no Rio/2016, medalhista em Mundiais e dono de um dos melhores tempos do mundo no ano nos 50m peito. Por sinal, ele nada nesta quarta-feira (24) de manhã a final dos 50m peito no Campeonato Mundial de Gwangju, na Coreia do Sul.

Além dos três, os capixabas na delegação brasileira são o remador Vangelys Renke, que sonha com uma medalha de ouro que não vem para o remo do País desde o Pan de Indianápolis (EUA), em 1987; o pivô de handebol Vinicius Teixeira, figurinha carimbada na seleção brasileira nos últimos anos, e a ginasta Deborah Medrado, de 17 anos, mais uma das incontáveis promessas capixabas que chegam à seleção brasileira de conjunto da GR.

Estamos com vocês!


Olá, !

Esse é o seu primeiro acesso por aqui, então recomendamos que você altere o seu nome de usuário e senha, para sua maior segurança.



Manter dados