Cookies não suportados!

Você está utilizando um navegador muito antigo ou suas configurações não permitem cookies de terceiros.


Assine agora e tenha acesso ao conteúdo exclusivo do Tribuna Online!

esqueceu a senha? Assinar agora
Cookies não suportados!

Você está utilizando um navegador muito antigo ou suas configurações não permitem cookies de terceiros.

A trajetória da coxinha
Tribuna Livre

A trajetória da coxinha

Linguistas ensinam que a existência de muitos idiomas em um espaço territorial pequeno é característica de áreas ocupadas há muito tempo. Já a existência de um único idioma em uma área territorial vasta é algo característico de uma ocupação territorial recente. O primeiro caso corresponde à Europa; o segundo, à América. É interessante observar como vão surgindo as diferenciações dentro de cada língua que, possivelmente, com o passar de anos, serão tão grandes a ponto de criar novos idiomas.

Palavras como rapariga ou moça têm sentido diferente em Brasil e Portugal. Moça, na variedade europeia, significa serviçal de baixo nível e rapariga significa mulher jovem. Em várias regiões do Brasil, rapariga significa prostituta e, aqui, moça significa mulher jovem. O sentido atribuído à palavra moça, em Portugal, como serviçal, simplesmente é desconhecido no Brasil.

Um acadêmico que conheço disse que, certa vez, foi ao Maranhão, ocasião em que perguntou se uma jovem era solteira. Criou-se um embaraço porque, naquela comunidade, “solteira” significava algo como solta, demasiado liberal quanto aos costumes.

Uma palavra que tem se afastado do sentido original nos últimos anos e que, por tão recente, chama a atenção, é “coxinha”.

Originalmente, é o acepipe que está em qualquer lanchonete. Após os protestos de 2013, ganhou nova acepção rigorosamente diferente. Passou a ser utilizada para designar pessoas xucras e ignorantes, de orientação política à direita. Mas qual a trajetória que levou a tamanho salto ressignificativo?

Há várias explicações quase literárias, pois dificilmente alguém conseguirá provar a autenticidade. Como de praxe, a verve bem-humorada e desprovida de pensamento politicamente correto do povo brasileiro se fez presente.

Uma das explicações é a de que, nos anos oitenta, o tíquete-alimentação dos policiais militares de São Paulo era muito ruim. Por isso, na hora do almoço, só podiam comer coxinha. Daí, tinha-se uma associação entre o diálogo entre os policiais, estilo “bandido bom é bandido morto”, e aquilo que comiam.

Outra hipótese vem de “coxo” (pessoa com perna torta, com deficiência para andar). A comparação seria com a capacidade de raciocinar politicamente dos “coxinhas”. Outra explicação é a de que, quando uma pessoa tola entra numa lanchonete para comer algo, escolhe o mais evidente, trivial e óbvio que lá está: coxinha.

As histórias provavelmente misturam imaginação e fatos num processo que, com o tempo, pode vir a aceitar o novo significado da palavra como algo perfeitamente integrado no léxico, algo que ainda não ocorreu porque o espírito metafórico está muito presente.

A propósito do significado original da palavra, uma história de veracidade incerta, mas divertida, diz que os filhos da princesa Isabel adoravam comer coxa de galinha. Um dia, o mais velho se atrasou para o almoço, enquanto os irmãos comeram todas. Indignado, foi à avó se queixar de que os irmãos não tinham respeitado seu direito de precedência. A imperatriz Teresa Cristina lhe respondeu: “Vá brincar que a vovó vai dar um jeito”. Foi à cozinha, desfiou um peito de frango, envolveu com uma massa empanada e fritou. As crianças adoraram. Assim nasceu a coxinha.

SÉRGIO LIEVORE é auditor de controle externo do Tribunal de Contas do Estado e historiador

Conteúdo exclusivo para assinantes!

Assine agora e tenha acesso ao conteúdo exclusivo do Tribuna Online!

Matérias exclusivas, infográficos, colunas especiais e muito mais, produzido especialmente pra quem é assinante.

Apenas R$ 9,90/mês
Assinar agora
esqueceu a senha?

últimas dessa coluna


Exclusivo
Tribuna Livre

Reciclar o plástico é a solução

O plástico é um dos principais produtos da sociedade. Temos uma relação com o material desde os primeiros momentos de nossas vidas, tanto que, a maior parte dos brinquedos infantis são de materiais …


Exclusivo
Tribuna Livre

A reforma da Previdência e o servidor aposentado

Um tema polêmico que está na atual proposta da Reforma da Previdência é a demissão automática de servidor que obtiver a aposentadoria por tempo de contribuição. Atualmente, o empregado se aposenta e …


Exclusivo
Tribuna Livre

A segurança pública em tempos de Direito Penal do inimigo

A violência e a sensação de impunidade têm aumentado o medo e a indignação do cidadão, acarretando no senso comum uma demonstração de ineficiência por parte do Estado em proporcionar a paz social. …


Exclusivo
Tribuna Livre

O papel da palavra na escrita do mundo

“Deus disse: ‘Que exista a luz!’ E a luz começou a existir. Deus viu que a luz era boa. E Deus separou a luz das trevas: à luz Deus chamou ‘dia’, e às trevas chamou ‘noite’. Houve uma tarde e uma …


Exclusivo
Tribuna Livre

O mundo e a existência do Ser Supremo

São nossos os problemas do mundo, porém, as opiniões não são todas favoráveis ao bem comum, por conta de possíveis divergências ou falta de bom senso. Há de se convir que não estamos sozinhos. …


Exclusivo
Tribuna Livre

Mais proteção a vítimas de violência doméstica

Como é possível imaginar um futuro promissor para um país onde as mulheres são, dia a dia, fragilizadas pela violência? Como construir uma estrutura forte, com alicerces abalados? O Brasil é o quinto …


Exclusivo
Tribuna Livre

A tecnologia é capaz de unir as famílias?

A geração dos nativos digitais já vem com o know how tecnológico como item de fábrica. Muitos estudos indicam que até a agilidade que as crianças de hoje possuem nos dedos é maior do que nós jamais …


Exclusivo
Tribuna Livre

A eficiência policial através dos números

Muito se discute, quase sempre de maneira extremamente superficial, a eficiência das forças públicas de segurança em nosso País. O debate traz a reboque questões de formação, qualificação e desvios …


Exclusivo
Tribuna Livre

O professor, o seu papel e as mudanças nos dias atuais

A docência é mais que uma profissão, é uma vocação: é um sacerdócio. O profissional da educação sabe que sua missão vai além de “educar a criança no caminho em que deve andar...”, mas de contribuir …


Exclusivo
Tribuna Livre

Elogio é uma carícia que se faz na alma

Elogie uma pessoa com absoluta sinceridade e perceba o que acontece diante de você. Imediatamente ela muda o ritmo da respiração e solta um sorriso, acompanhado de um leve suspiro. Esse é um claro …


Olá, !

Esse é o seu primeiro acesso por aqui, então recomendamos que você altere o seu nome de usuário e senha, para sua maior segurança.



Manter dados