search
Cookies não suportados!

Você está utilizando um navegador muito antigo ou suas configurações não permitem cookies de terceiros.


Assine agora e tenha acesso ao conteúdo exclusivo do Tribuna Online!

esqueceu a senha? Assinar agora
Cookies não suportados!

Você está utilizando um navegador muito antigo ou suas configurações não permitem cookies de terceiros.

A torturante insônia
Doutor João Responde

A torturante insônia

Quem tem insônia não dorme e nem acorda de verdade. Com ruminantes pensamentos, noites de insônia tornam cansado o amanhecer. Tentando me concentrar, rolo na cama de um lado para o outro, e nada do sono chegar. Levanto, vou ao banheiro, tomo um copo de água, ligo o computador, e cadê ele?

A noite avança, apertando minhas costas, queimando meus olhos, enchendo meu cérebro de pensamentos.

Preciso dormir, eu balbucio para o silêncio da noite. Abro um livro. Leio com a intenção de conseguir pegar no sono. Não funciona. Sento diante da escrivaninha. Enquanto escrevo, contemplo as cintilantes estrelas no firmamento, sinto a carícia do vento frio e displicente.

Olho a cidade pela janela e vejo tudo escuro, somente eu sou refém do claro. A solitária madrugada me oferece sua solidão. Recuso essa sombria companhia. Finalmente, os primeiros raios de sol iluminam a suave manhã.

O dia nasce afastando a noite insone. Mais uma madrugada inteira de olhos abertos.

O sono preenche um terço das nossas vidas e é fundamental para a recuperação física e psíquica do indivíduo.

Insônia é o distúrbio do sono mais frequente no adulto e associa-se a importantes consequências, como o aumento da mortalidade causada por doenças cardiovasculares, distúrbios psiquiátricos, acidentes e o absentismo ao trabalho.

Ela é definida como uma experiência subjetiva de sono inadequado, com qualidade limitada, apesar de existirem condições adequadas para dormir, com prejuízo para o funcionamento social, ocupacional e de outras atividades diurnas.

Insônia pode ainda ser definida como uma dificuldade em iniciar e manter o sono, acordar muito cedo, ou por uma queixa de sono não restaurador ou de má qualidade.

Quanto à duração, a insônia pode ser aguda ou crônica, com os sintomas ocorrendo pelo menos em três noites por semana.

Estresses financeiros, sociais, ambientais, como um ruído no quarto, por exemplo, e morte de um ente querido são as causas mais frequentes de insônia aguda. Ela pode ser primária ou secundária.

A primeira é aquela não causada por condições físicas ou mentais. A secundária é provocada por doenças físicas e mentais ou medicamentos. A forma secundária acontece em quantidade superior à forma da insônia primária.

Ansiedade, angústia e depressão estão presentes em mais da metade das pessoas com insônia. Dor e abuso de medicamentos são responsáveis por 10% delas.

Senilidade, isolamento, pobreza, separação matrimonial e desemprego são alguns fatores de risco para o aparecimento e a manutenção da insônia.

Doença de Alzheimer, acidentes vasculares cerebrais, parkinsonismo, quadros dolorosos, menopausa, apneia obstrutiva e disfunções tiroidianas são ingredientes que alimentam a falta de sono.

Insônia também se associa à sonolência diurna, diminuição de energia ou irritabilidade, gerando dificuldade de concentração e atenção, problemas de aprendizagem e de memória, afetando o rendimento no trabalho e na escola.

Além de comprometimento da saúde, a insônia aumenta os riscos de acidentes de trânsito, faltas ao trabalho, gerando perda de emprego, e diminuição do aprendizado, em razão da redução da capacidade de concentração e atenção.

Alguns comportamentos perpetuam a insônia, tais como: expectativa e preocupação em ter dificuldade para dormir, aborrecimentos com o trabalho – não conseguindo esquecê-los após o final do expediente –, ingestão de cafeína e álcool, fumar antes de deitar, dormir durante o dia, além de mudanças contínuas nos horários de deitar e acordar.

Apesar dos pesares, a insônia me dá inspiração. Enquanto não “caio nos braços de Hypnos”, permaneço acordado, rabiscando meus sonhos, tornando-os reais.

João Evangelista Teixeira Lima é clínico geral e gastroenterologista

Conteúdo exclusivo para assinantes!

Assine agora e tenha acesso ao conteúdo exclusivo do Tribuna Online!

Matérias exclusivas, infográficos, colunas especiais e muito mais, produzido especialmente pra quem é assinante.

Apenas R$ 9,90/mês
Assinar agora
esqueceu a senha?

últimas dessa coluna


Exclusivo
Doutor João Responde

Enfermidade que acelera a vida

O tempo parece lento para quem está doente, e rápido para aquele que se encontra saudável. Nem sempre esta afirmação corresponde à realidade. Existe uma raríssima enfermidade que acelera a vida e …


Exclusivo
Doutor João Responde

Carambola: nutriente ou veneno?

Entre as saudosas lembranças da infância, surge, em meus pensamentos, o enorme quintal da casa dos meus tios. Naquele terreno arenoso, vicejavam mangueiras, cajueiros, abacateiros, gabiroba, abiu, …


Exclusivo
Doutor João Responde

As células também respiram

A vida começa com um sopro e termina com um suspiro; esses extremos da respiração. Quando se fala em respiração, é comum pensar nos movimentos de inspiração e expiração do ar que vem da atmosfera. …


Exclusivo
Doutor João Responde

Coçar nem sempre cessa coceira

O nome “Jussara” vem da palavra tupi que significa “coceira”, sendo usada para designar os espinhos de uma palmeira que os índios utilizavam como agulhas para tecer. O pó que saía …


Exclusivo
Doutor João Responde

Flatulência e arroto

O pudor é uma vigilante virtude. Apesar disso, liberar flatos e arrotos é um hábito saudável. Os distúrbios relacionados com o conteúdo de gás no tubo digestivo são frequentes em consultórios de …


Exclusivo
Doutor João Responde

Nó na garganta nem sempre tem uma causa emocional

Lágrimas escorrendo sobre os olhos, olhar disperso e um coração silencioso, amarrando as palavras com as cordas vocais, apertando o nó na garganta. Angústia e angina derivam de “angere”, que …


Exclusivo
Doutor João Responde

Divertículo de Meckel, o inimigo que derrotou Tancredo Neves

Cansado dos sucessivos governos militares, eu também ansiava por um presidente civil, ainda que indicado por meio de eleição indireta, como aconteceu com o mineiro Tancredo de Almeida Neves. Na …


Exclusivo
Doutor João Responde

A embaraçosa urina solta

Semana passada eu atendi uma senhora acometida por incômoda incontinência urinária. Este sintoma se mostra tão constrangedor que a paciente fez um longo rodeio, antes de abordar a referida queixa. …


Exclusivo
Doutor João Responde

Síndrome do ombro congelado

Esperando que o tempo lhe devolva a atividade, um braço repousando na tipoia nos ensina a vital importância de cada pedacinho do corpo. Se, durante a noite, fazemos um movimento descuidado dentro do …


Exclusivo
Doutor João Responde

Pombos podem transmitir doenças

Embora pareçam indefesos e frágeis, os pombos urbanos são transmissores de doenças. Isto ocorre, não por que eles querem; muito pelo contrário, na verdade os pombos se contaminam e depois acabam …


Olá, !

Esse é o seu primeiro acesso por aqui, então recomendamos que você altere o seu nome de usuário e senha, para sua maior segurança.



Manter dados