A nossa indignação não pode ser passageira

A perda da vida do estudante Deivid Jercey, de 18 anos, não pode nos causar apenas uma indignação passageira. Assassinado após uma tentativa de roubo frustrada a um coletivo no último domingo, Deivid, como todo jovem de 18 anos, tinha muitos sonhos, entre eles o de se tornar policial.

Essa escolha de Deivid nos leva seriamente a refletir. Por que jovens originários de uma mesma comunidade fazem escolhas tão diferentes? Entre proteger a sociedade com o risco da própria vida e matar alguém por conta de um aparelho celular há um abismo!

Onde estão os pais desses três covardes que diante de um coletivo lotado de trabalhadores e estudantes têm a audácia de atirar a esmo. E se acertar, acertou? Não! Errou, como têm errado nossos legisladores.

Para Cesare Beccaria, jurista italiano e principal representante do iluminismo penal, a melhor forma de se prevenir o delito é a certeza da punição.

Em um país que faz uso de leis penais da década de 1940 é ingenuidade acreditar em tal certeza. Quase 90% dos homicídios no Brasil não conseguem chegar à condenação dos réus. Ou seja, toda a legislação que rege o nosso sistema de Justiça Criminal é um tratado ao fracasso!

Como pais, mães, irmãos e amigos, temos urgentemente que nos mobilizar no sentido de cobrar de nossos legisladores que essa evolução nas leis penais seja prioridade absoluta.

No Espírito Santo, nossos policiais têm se desdobrado, alcançando a média de quase 80% de prisões dos homicidas que aqui atuam. Mas, por melhor intencionados e efetivos que sejam nossos Ministério Público e Poder Judiciário, as engrenagens estão emperradas.

A Constituição Federal de 1988 trouxe reconhecidos avanços democráticos, inclusive ao colocar sob responsabilidade de todos a tarefa da segurança pública, também de nossas famílias.

Entretanto, algumas famílias estão pecando na criação de seus filhos, esquecendo-se de lhes passar valores fundamentais, como honestidade e respeito ao próximo. E quando essas falhas de caráter se inflamam, a certeza da punição não é somente um mero exercício jurídico, mas condição preliminar de convivência em sociedade.

Não são poucos os estudos científicos que relacionam a impunidade ao incremento da criminalidade. A concessão de indultos previstos na lei e, portanto, de caráter obrigatório, após o cumprimento de frações insignificantes da pena, enfraquece sua função preventiva, gerando na sociedade e, principalmente, no infrator a sensação de que o crime compensa.

É urgente que a sociedade civil organizada aliada às famílias, escolas, prefeituras, igrejas, polícias, ao Ministério Público e ao Poder Judiciário unam esforços nessa mobilização por um Sistema de Justiça Criminal efetivo, que respeite o contribuinte e permita o desenvolvimento de nosso país para alcançarmos de fato o Estado democrático de direito.

Em recente estudo, o Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada (Ipea) mensurou em R$ 362 bilhões o custo anual da violência no País. Entretanto, há perdas e traumas causados que nenhuma pesquisa é capaz de estimar e que têm ficado na conta de muitas famílias brasileiras.

Nylton Rodrigues é coronel da Polícia Militar e secretário de Estado da Segurança Pública do Espírito Santo


últimas dessa coluna


Natal para todos

Começamos o tempo litúrgico do Advento, em que várias tradições cristãs se preparam para a solenidade do Natal. “Natal” significa “nascimento” e a Festa do Natal lembra o nascimento de Jesus, que se …


O mundo virtual está moldando a sociedade em que vivemos?

Tenho acesso a internet desde os meus 12 anos, sempre fui curiosa em relação a essas coisas, mas meus pais não tanto. Na maior parte do tempo eles só sabem entrar em redes sociais, baixar algum jogo …


Violência: onde está a saída?

O que é o que é que quanto mais se tira maior fica? Quando o meu avô me propôs essa questão, deu um nó na minha cabeça: tirar = aumentar? Não soube responder que era o buraco. Não percebi que se …


Por onde anda o seu foco?

O verbo da moda é focar. Ele está na boca de quase todo mundo, principalmente dos ansiosos. Todos se dizem focados em alguma coisa, essa é a grande mentira do mundo moderno. Como uma mente …


Bases comunitárias móveis. A verdadeira polícia de proximidade

Um fator preponderante para estimular a confiança, respeito e credibilidade em qualquer relação é a presença física, com demonstração constante de preocupação, cuidado e total atenção. O …


Violência nos ônibus: transporte do medo

Diariamente, milhares de capixabas utilizam o transporte público para realização de uma série de atividades. Nas últimas semanas, esse sistema virou alvo fácil dos bandidos. Os passageiros, desprovid…


Os idosos e a depressão

Com o passar dos anos, que traz o envelhecimento, as relações sociais das pessoas idosas tendem a diminuir. Em razão da aposentadoria, por exemplo, muitos passam a ficar mais tempo em casa. Ou, …


Direitos humanos e desafios

Amanhã, dia 10 de dezembro, o mundo celebra os 70 anos da Declaração Universal dos Direitos Humanos. Mais do que um documento histórico chancelado pela Organização das Nações Unidas (ONU) em 1948, …


A humanidade como virtude

Não nascemos humanos, transformamo-nos em humanos – ou não! Pode parecer estranho, mas é exatamente a contingência histórica que promove seres nascidos potencialmente humanos a humanos de verdade. …


Cartórios são mais que registradores

A maioria da população não sabe o porquê da existência dos cartórios e muito menos reconhecem a sua grande importância dentro da sociedade. Do nascimento à morte, os cartórios têm a função de …