A nossa indignação não pode ser passageira

A perda da vida do estudante Deivid Jercey, de 18 anos, não pode nos causar apenas uma indignação passageira. Assassinado após uma tentativa de roubo frustrada a um coletivo no último domingo, Deivid, como todo jovem de 18 anos, tinha muitos sonhos, entre eles o de se tornar policial.

Essa escolha de Deivid nos leva seriamente a refletir. Por que jovens originários de uma mesma comunidade fazem escolhas tão diferentes? Entre proteger a sociedade com o risco da própria vida e matar alguém por conta de um aparelho celular há um abismo!

Onde estão os pais desses três covardes que diante de um coletivo lotado de trabalhadores e estudantes têm a audácia de atirar a esmo. E se acertar, acertou? Não! Errou, como têm errado nossos legisladores.

Para Cesare Beccaria, jurista italiano e principal representante do iluminismo penal, a melhor forma de se prevenir o delito é a certeza da punição.

Em um país que faz uso de leis penais da década de 1940 é ingenuidade acreditar em tal certeza. Quase 90% dos homicídios no Brasil não conseguem chegar à condenação dos réus. Ou seja, toda a legislação que rege o nosso sistema de Justiça Criminal é um tratado ao fracasso!

Como pais, mães, irmãos e amigos, temos urgentemente que nos mobilizar no sentido de cobrar de nossos legisladores que essa evolução nas leis penais seja prioridade absoluta.

No Espírito Santo, nossos policiais têm se desdobrado, alcançando a média de quase 80% de prisões dos homicidas que aqui atuam. Mas, por melhor intencionados e efetivos que sejam nossos Ministério Público e Poder Judiciário, as engrenagens estão emperradas.

A Constituição Federal de 1988 trouxe reconhecidos avanços democráticos, inclusive ao colocar sob responsabilidade de todos a tarefa da segurança pública, também de nossas famílias.

Entretanto, algumas famílias estão pecando na criação de seus filhos, esquecendo-se de lhes passar valores fundamentais, como honestidade e respeito ao próximo. E quando essas falhas de caráter se inflamam, a certeza da punição não é somente um mero exercício jurídico, mas condição preliminar de convivência em sociedade.

Não são poucos os estudos científicos que relacionam a impunidade ao incremento da criminalidade. A concessão de indultos previstos na lei e, portanto, de caráter obrigatório, após o cumprimento de frações insignificantes da pena, enfraquece sua função preventiva, gerando na sociedade e, principalmente, no infrator a sensação de que o crime compensa.

É urgente que a sociedade civil organizada aliada às famílias, escolas, prefeituras, igrejas, polícias, ao Ministério Público e ao Poder Judiciário unam esforços nessa mobilização por um Sistema de Justiça Criminal efetivo, que respeite o contribuinte e permita o desenvolvimento de nosso país para alcançarmos de fato o Estado democrático de direito.

Em recente estudo, o Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada (Ipea) mensurou em R$ 362 bilhões o custo anual da violência no País. Entretanto, há perdas e traumas causados que nenhuma pesquisa é capaz de estimar e que têm ficado na conta de muitas famílias brasileiras.

Nylton Rodrigues é coronel da Polícia Militar e secretário de Estado da Segurança Pública do Espírito Santo


últimas dessa coluna


O Moscoso não morreu e nem morrerá por causa da violência

O fato ocorrido no dia 15 de janeiro, quando três vidas foram ceifadas de forma brutal, na divisa do bairro Piedade, mesmo em se tratando de um ato isolado, nos causou indignação. Mas foi inaceitável …


A lei e a quebra de contrato na compra de imóveis na planta

Quase no apagar das luzes do ano de 2018, na última sexta-feira, dia 28 de dezembro, foi publicada a Lei Federal nº 13.786, que visa regulamentar a resolução por inadimplemento de contratos de …


Telemedicina traz ganhos, mas não é remédio para todos os males

A divulgação da Resolução nº 2.227/18, do Conselho Federal de Medicina (CFM), que estabelece critérios para prática da telemedicina no Brasil, provocou um grande debate sobre o tema, durante o qual …


Será um desserviço ao País desmantelar aquilo que dá certo

Atualmente, o sistema cooperativista tem sido bastante evidenciado pelo seu constante crescimento e pela sua participação no combate à exclusão social, valorizando o homem pelo que ele é, tornando-o …


A importância do planejamento para se saber aonde quer chegar

Ao receber a resposta de Alice, que diz não saber para onde quer ir, uma vez que estaria perdida, o Gato é enfático: “Para quem não sabe onde quer ir, qualquer caminho serve”. O trecho da história …


Ferida emocional e baixa fé religiosa põem vidas em risco

Revista de circulação nacional diz que acontece um suicídio no mundo a cada 40 segundos. No Brasil, a cada 45 minutos. E em Vitória? Não sabemos, pois a mídia, com a sábia intenção de não incentivar, …


Pacote anticrime de Moro é bom, mas peca em alguns pontos

O ministro Sérgio Moro divulgou as primeiras medidas concebidas para o enfrentamento da criminalidade. Sob o impacto inicial das soluções apontadas, várias análises foram feitas logo após sua …


É direito de alunos terem acesso às informações de seus cursos

Há quase quatro anos, A Tribuna publicou neste mesmo espaço um artigo em que eu falava sobre o Exame de Ordem e o direito à informação. Citei o Projeto de Lei 214/2015, proposto pelo então deputado …


Tecnologia nos distancia do amor e nos aproxima da violência

Celular… Essa maquininha veio com a promessa de aproximar as pessoas, mas está fazendo exatamente o contrário. Cada dia aumenta mais a distância entre os corações humanos. É na convivência com as …


A histórica igrejinha do Rosário da Prainha em Vila Velha

Durante o processo de expansão marítima de Portugal por vários reinados, foi determinado não somente a expansão da religião católica, com os símbolos religiosos, com prevalência da Cruz relativa a …