A multilateralidade na arte atual

Li, em 1970, numa pipa empinada por um garoto no céu de Copacabana, uma frase interessante, que nunca esqueci: “Artista não é uma classe especial de homens, mas todo homem é um artista especial.”

Na nossa intimidade, algo mais encontrado na natureza, ou pura inspiração, gerou uma ideia. Dar sentido ou forma a essa ideia, para sensibilizar outros homens, é ser artista. Cada qual do seu jeito: pintando, cantando, dançando, escrevendo, representando,..

Diante de indivíduos muito habilidosos (isto é virtuoses) ou de especialistas em provocações artísticas (com aparatos, nem sempre eficientes) e de alienígenas (exageradamente valorizados pelo nosso provincianismo), não devemos nos acanhar. Marqueteiros inteligentes e com bom jogo de cintura, eles aparecem, apoiados por curadores e jornalistas deslumbrados, passando a ideia de que são mais especiais do que os artistas locais.

O artista atual busca qualidade na sua comunicação, pela multilateralidade, onde os diferentes somam. Superando viseiras e intransigências da arte contemporânea, é vanguarda. Liberdade/clareza, autenticidade/audácia, versatilidade/inovação são o seu diferencial. Ele valoriza o público, sabendo que a sua obra só acontece se percebida, e que sua função é fazer nossa vida mais cheia de experiências. Desperta nossa consciência para os fenômenos estéticos do cotidiano muitas vezes ignorados. O café derramado na toalha da mesa para o espírito rude é só problema, mas, para iniciados, a forma da mancha, o colorido, a nuance e as texturas podem proporcionar prazer, além do problema. Cultivar essas percepções, no cotidiano, é vivenciar a arte. Há 500 anos, Leonardo da Vinci sugeria a apreciação das manchas e desgastes dos velhos muros romanos.

Sensível ao nosso tempo, o artista atual encontra, na diversidade dos meios (literatura, pintura, música, cinema, internet...), o mais eficiente ou a combinação deles, para apresentar ao público sua obra, naquele momento.

Na pintura, o artista não procede como o antigo egípcio submisso à “lei da frontalidade”; nem como o contemporâneo Picasso, fiel a fases com manias de cores. Ele quer a melhor forma para veicular sua ideia, com a liberdade que experimenta, sabendo que a prisão mais eficiente é a que se constrói para si mesmo. Assim como o escritor que, dependendo do assunto, se expressa na forma de diálogo ou monólogo, poesia, conto ou romance; como o músico, que, de acordo com o tema, opta por compor uma música lenta ou ligeira, e ainda escolhe, entre diferentes arranjos, o ideal para envolver o ouvinte; o pintor atual transita por estilos, técnicas, materiais e suportes, para melhor expressão da sensação que deseja transmitir.

Na Barra do Jucu, acompanhei a degradação da paisagem em seu entorno. Quis registrar minha impressão, fui impressionista.

Nos anos 80, indo além das nossas fronteiras tentando contar histórias, com ênfase em alguns aspectos políticos, fui expressionista. Nos últimos anos do milênio passado, atento à “Era da Incerteza”, pintei coleções abstratas. A última, em 1999, lembra a vertigem de Alice ao cair no buraco, quando perseguia o Coelho das Horas, no início da sua aventura no País das Maravilhas.

Performances inspiradas em Diógenes, 300 a.C. (Praça é praça, não?) e instalações com base na História local (Robério Martins: procura-se), ou em observações científicas (A Vale, A Vaca e a Pena), são atividades do repertório do meu ateliê, com portas sempre abertas ao público desde abril de 1979.

Os fundamentos desta estética atual, nascida da velocidade (futurismo) e desenvolvida na explosão da comunicação, oferecem ao artista um horizonte amplo. Se desviarmos o olho do umbigo e seguirmos em frente (sem viseiras), observando todos os lados, não avistaremos o futuro, mas caminharemos com mais liberdade, prazer, segurança e arte.

Kleber Galveas é pintor.


últimas dessa coluna


Depois das eleições

Passada a apuração final dos votos de uma das mais conturbadas eleições, incluindo tentativa de assassinato de um dos candidatos, ironicamente o vencedor, assusta-me a continuidade das hostilidades e …


A exoneração da pensão alimentícia entre ex-cônjuges

A pensão alimentícia é uma obrigação de pagar que surge a uma pessoa em favor de outra como fruto de acordo ou decisão judicial. Com o advento do Código de Processo Civil de 2015, o tema voltou a ser …


Sua identidade é sua vida

Cada um de nós tem identidade diferente. Mesmo gêmeos univitelinos são diferentes. Mas, quem sou eu? Sócrates nos recomendava a conhecermo-nos a nós mesmos. E por não nos conhecermos, pensamos, …


A bonequinha do rádio

Durante o centenário da independência do Brasil, em 1922, muitos festejos foram promovidos país afora. Um dos eventos de maior impacto foi a primeira radiodifusão sonora no Brasil, no Rio de Janeiro. …


Imprensa e algoritmos na era da pós-verdade

A imprensa vem sendo submetida a um linchamento nas redes sociais. Robôs e pessoas que agem como tal estão entrincheirados para atacar o divergente, o controverso, o plural. Tristes tempos, mas temos …


Quartel de Maruípe: 80 anos de história

A PMES foi criada pelo Conselho de Governo, em 12.12.1831, como Companhia ou Corpo de Permanentes, e substituída em 6.04.1835, pela Guarda de Polícia Provincial. O seu primeiro quartel foi do Forte …


Uma tragédia anunciada

Não teve quem não se indignou ao assistir a tragédia no Museu Nacional do Rio de Janeiro que destruiu 90% do seu acervo. Enquanto as labaredas consumiam os 200 anos de pesquisa, uma coisa se passava …


Um novo modelo fiscal para o fluxo de mercadorias

Através de um acordo de cooperação técnica firmado entre o Ministério da Ciência e Tecnologia, a Receita Federal e os Estados da União por intermédio de suas Secretarias de Fazenda, formalizou-se o …


O médico diante da morte

O papel do médico é debelar doenças, essas simpatizantes da morte. Presente onde existe vida, o morrer também assusta o profissional de saúde. Enquanto a luz brilha no paciente, o médico labuta …


Fim da burocracia

Aquela “dor de cabeça”, que muita gente tem ao ter que carregar aquele montante de documentos ao se dirigir à algum órgão público, chegou ao fim, pelo menos em relação a algumas exigências específica…