search
Cookies não suportados!

Você está utilizando um navegador muito antigo ou suas configurações não permitem cookies de terceiros.


Assine agora e tenha acesso ao conteúdo exclusivo do Tribuna Online!

esqueceu a senha? Assinar agora
Cookies não suportados!

Você está utilizando um navegador muito antigo ou suas configurações não permitem cookies de terceiros.

A lamúria portenha
Gilmar Ferreira
Gilmar Ferreira

Gilmar Ferreira


A lamúria portenha

Sergio Levinsky é um jornalista argentino, sociólogo, com 10 Copas do Mundo no currículo a trabalho para a crônica do país e também para outros veículos da Europa. Figura divertidíssima, um poço de cultura esportiva, sujeito daqueles que arrebata logo no primeiro contato. Exatamente como aconteceu comigo há 30 anos, mais precisamente na cobertura da Copa América de 1989 disputada aqui no Brasil.

Dito isso, vocês hão de imaginar como estava a sala de imprensa do Maracanã ontem, véspera do confronto entre Argentina e Venezuela pelas quartas de final de mais uma edição do torneio. Todos querendo saber de Levinsky o que se passa com a seleção do país, que desde 1993 não conquista um só título com seu time principal. Mesmo tendo o melhor jogador do mundo há mais de 10 anos.

“Somos uma máquina de perder oportunidades”, diz o cronista.

“Disputamos oito Mundiais com Messi e Maradona e só ganhamos um. E sete edições da Copa América sem ganhar nenhuma. Um desastre!”, resume, pouco confiante com o sucesso da equipe de Lionel Scaloni nesta que é a quinta participação de Messi no torneio desde 2007 — Maradona jogou as edições de 1979, 1987 e 1989.

Mas se tem alguém que escapa do crivo de Levinsky, este é Lionel Messi, que chega aos 32 anos carregando nas costas os erros e o jejum do futebol argentino.

Para o jornalista, o mau momento da seleção que fez a final da Copa de 2014, contra a Alemanha, no Maracanã, se deve à má gestão de Claudio Tapia, substituto do Julio Grondona na presidência. Nos últimos cinco anos, a Associação de Futebol da Argentina (AFA) perdeu força, prestígio e dinheiro.

E o sinal mais evidente é visto na oportunidade dada a Lionel Scaloni, o terceiro na comissão de Jorge Sampaoli. Uma escolha que se deu por exclusão, ao final das especulações em torno de nomes conhecidos.

Mauricio Pochettino nem sequer avaliou a possibilidade de deixar o milionário Tottenham. E Diego Simeone, do Atlético de Madrid, avisou antes mesmo que o procurassem da sua intenção de trabalhar em clubes até 2022.

Até mesmo Marcelo Gallardo, que faz carreira vitoriosa no River Plate, já manifestou o desejo de seguir os passos de outros treinadores do país em gramados europeus.

Levinsky diz que a falta de um diretor esportivo atuante minou o trabalho de Sampaoli no Mundial da Rússia e que, hoje, a seleção do país é um coletivo desgovernado.

“Em 1995, uma seleção argentina só com jogadores do Distrito de Santa Fé venceu a Venezuela por 11 a 0. Nos últimos três jogos, não vencemos um...”, lamentou.

Conteúdo exclusivo para assinantes!

Assine agora e tenha acesso ao conteúdo exclusivo do Tribuna Online!

Matérias exclusivas, infográficos, colunas especiais e muito mais, produzido especialmente pra quem é assinante.

Apenas R$ 9,90/mês
Assinar agora
esqueceu a senha?

últimas dessa coluna


Exclusivo
Gilmar Ferreira

Fogo e paixão

Envolvido com suas primeiras oportunidades de conquistas em 2020, o Flamengo já se divide entre presente e futuro. As lesões de Bruno Henrique e Rodrigo Caio trouxeram apreensão, mas o tom ainda é de …


Exclusivo
Gilmar Ferreira

Noite de desafios

Tão importante quanto um bom resultado, o confronto entre Flamengo e Independiente Del Valle, esta noite, nos 2.850 metros da altitude de Quito, no Equador, nos traz a curiosidade de ver como se …


Exclusivo
Gilmar Ferreira

Minhas impressões

Como espetáculo, ficou claro que o confronto entre os dois campeões nacionais de 2019 teria de ter sido jogado no mesmo ano. Porque embora seja uma bela alternativa para a abertura da temporada …


Exclusivo
Gilmar Ferreira

Pedra no sapato

O Flamengo disputa na manhã de hoje, contra o Athletico, em Brasília, o primeiro dos três troféus que tem para erguer nas próximas duas semanas — a saber: a Taça Guanabara, no sábado, e a Recopa …


Exclusivo
Gilmar Ferreira

Paixão e orgulho

Dois jogos num só, no Fla-Flu da semifinal da Taça Guanabara na noite chuvosa da quarta-feira, no Maracanã. O Flamengo venceu o primeiro tempo por 2 a 0, com gols em oito minutos, e um repertório de …


Exclusivo
Gilmar Ferreira

Em busca de outro patamar

Quase 40 dias após o início da temporada de 2020 no futebol brasileiro, apenas um treinador comandou o time mais vezes do que Odair Hellmann — Guto Ferreira já fez oito jogos à frente do Sport, por …


Exclusivo
Gilmar Ferreira

Minhas impressões

Nenhum dos quatro primeiros clássicos do Estadual do Rio serviu para aferir o quanto os times estão prontos para serem cobrados pela qualidade do futebol que produzem. Mas, cá pra nós: alguém …


Exclusivo
Gilmar Ferreira

O vírus da paixão

O futebol é apaixonante e, justamente por cegar seus adoradores, exige esforço para que se entenda a lógica construída pelos resultados e se aceite as verdades impostas pela massa. Como o caso …


Exclusivo
Gilmar Ferreira

Minhas impressões

É triste ver a mediocridade do futebol praticado pelos clubes cariocas — excetuando-se o Flamengo que, até aqui, tentou ao menos exibir ideias de jogo coletivo mais bem trabalhadas. Tudo bem que …


Exclusivo
Gilmar Ferreira

Símbolo da nova era

Impossível desassociar a compra dos direitos econômicos de Gabriel Barbosa à chegada de Romário ao mesmo Flamengo, em 1995. Primeiro pelo fato de o acordo ter sido fechado na noite do dia 27 de …


Olá, !

Esse é o seu primeiro acesso por aqui, então recomendamos que você altere o seu nome de usuário e senha, para sua maior segurança.



Manter dados