Cookies não suportados!

Você está utilizando um navegador muito antigo ou suas configurações não permitem cookies de terceiros.


Assine agora e tenha acesso ao conteúdo exclusivo do Tribuna Online!

esqueceu a senha? Assinar agora
Cookies não suportados!

Você está utilizando um navegador muito antigo ou suas configurações não permitem cookies de terceiros.

A importância do olho no olho para a saúde
Tribuna Livre

A importância do olho no olho para a saúde

De alguns meses para cá, está em discussão no Brasil a regulamentação do uso da telemedicina, uma ferramenta que, em poucas palavras, permite ao médico realizar o atendimento on-line, através do computador ou até mesmo da tela do celular e de onde estiver.

À primeira vista, a novidade parece revolucionária e agrada a algumas pessoas, que defendem a velocidade do diagnóstico como ponto primordial ao falar sobre o assunto.

Por outro lado, quando paramos para refletir e avaliamos o dia a dia dos médicos e pacientes como um todo, acabamos levantando alguns questionamentos a respeito da telemedicina. Após alguns anos exercendo a profissão, defendo que, quando o assunto é cuidar da saúde, não acredito que a velocidade seja um fator determinante – salvo, é claro, nos casos de urgência e emergência, quando nossa prioridade é salvar a vida do paciente no menor tempo possível, nos esforçando para que ele saia de ocorrências como infarto e Acidente Vascular Cerebral (AVC), por exemplo, sem sequelas.

Mas nas consultas de dia a dia, onde avaliamos a saúde do paciente de uma forma geral, defendo que ainda precisamos de tempo, de olho no olho, de conversa, de cuidado pessoal. O mundo mudou muito nos últimos anos e nossa rotina também, deixando tudo cada vez mais acelerado. Mas certas coisas não precisam entrar nessa velocidade constante e, pelo contrário, necessitam de horas de atenção dedicadas. E uma delas é a saúde, que deve vir sempre em primeiro lugar nas nossas vidas.

A maioria dos sinais que o nosso corpo dá quando temos algum problema de saúde só podem ser enxergados de perto, quando avaliados pelo profissional. Além disso, é na conversa do consultório que descobrimos a rotina do paciente e podemos pontuar onde exatamente ele precisa melhorar para se prevenir de problemas de saúde.

Recentemente, após regulamentar o uso da telemedicina no país e ser alvo de críticas, o Conselho Federal de Medicina (CFM) voltou atrás e tornou sem efeito a medida anterior, que definia os parâmetros para a atividade – entre eles as regras para o atendimento médico usando tecnologia, troca de informações de diagnóstico e telecirurgias.

Segundo o próprio comunicado da entidade, a decisão de voltar atrás aconteceu após protestos de alguns médicos e agora estão valendo as regras estabelecidas em 2002 sobre o tema, que definem que a telemedicina pode ser usada apenas para assistência, educação e pesquisa e não mais para a prevenção de doenças, lesões e promoções de saúde.

Nos últimos anos, a tecnologia no mundo evoluiu de forma extraordinária e acredito que ela tem muito a acrescentar no nosso dia a dia, sendo, inclusive, um meio para facilitar o nosso trabalho. Menciono aqui inovações como o coração artificial, que tem salvado muitas vidas que antes aguardavam anos nas filas dos transplantes e, muitas vezes, não conseguiam esperar.

Ainda assim, acredito que valha a discussão e reflexão sobre até que ponto a tecnologia deve ser incluída na rotina de médicos e pacientes, principalmente no que diz respeito a consultas, exames e check-ups frequentes. Ao longo dos meus 54 anos de exercício da medicina, aprendi a valorizar o contato direto com o paciente e a saúde olho no olho. E isso a tecnologia ainda não é capaz de substituir.

Schariff Moysés é cardiologista e cirurgião cardiovascular


últimas dessa coluna


Exclusivo
Tribuna Livre

Inspeção predial: check-up de edificações pode evitar tragédias

O desabamento da área de lazer do condomínio residencial de luxo Grand Parc, em Vitória, completa três anos em julho. Casos como esse podem ser evitados com a observância de cuidados como o atendimen…


Exclusivo
Tribuna Livre

Integração para enfrentar a criminalidade articulada

É sabido por todos, principalmente por aqueles que labutam na área da Segurança Pública, que o crime apresenta várias vertentes e os bandidos utilizam meios cada vez mais articulados para o cometimen…


Exclusivo
Tribuna Livre

Reclamação do cliente pode ser oportunidade para a empresa

A palavra “reclamação” é vista pela maioria das empresas como algo negativo, mas a grande verdade é que a reclamação é uma excelente oportunidade para “enxergarmos” falhas em nossos processos e em …


Exclusivo
Tribuna Livre

O desafio de tratar a dependência química

A dependência química é uma doença complexa, já considerada um dos maiores desafios de saúde pública no País. Diferentes pesquisas mostram o aumento do uso de drogas em todas as classes sociais. A …


Exclusivo
Tribuna Livre

Homenagem a um médico que fez a diferença

Recentemente perdemos um dos grandes personagens capixabas. Estamos nos referindo ao professor Carlos Sandoval Gonçalves, ícone dentre os pesquisadores e professores de Medicina do Brasil, que …


Exclusivo
Tribuna Livre

Educação especial como política pública

Historicamente, a educação especial para pessoas com deficiência é oferecida por instituições privadas, incluídas as especializadas, confessionais e filantrópicas. A partir de 1973, ela foi incorpora…


Exclusivo
Tribuna Livre

O “ser mulher” e a busca pela sobrevivência

Era uma vez uma selva, onde morava uma leoa muito dócil e, ao mesmo tempo, valente. Cuidava de seus filhotes e ia à caça para não lhes faltar alimento. Por instinto, fazia o que preciso fosse para …


Exclusivo
Tribuna Livre

Deixa falar! Deixa viver!

De acordo com o Atlas da Violência 2019, divulgado pelo Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada (Ipea), a morte no Brasil tem cor, idade, gênero, classe social e nível de escolaridade. Ou seja, quem …


Exclusivo
Tribuna Livre

Respeito à vontade do idoso sobre sua saúde

Respeitar a vontade do paciente idoso quando ele ainda possui domínio mental sobre a própria vida por meio da Diretiva Antecipada de Vontade (DAV) é um recurso que, aos poucos, vem ganhando força e …


Exclusivo
Tribuna Livre

Qual a sua toga?

A revolução francesa legou àquele país uma cultura política refratária ao Poder Judiciário. Ainda hoje, os salários dos seus juízes são baixos e a jurisdição constitucional é feita por órgão político …


Olá, !

Esse é o seu primeiro acesso por aqui, então recomendamos que você altere o seu nome de usuário e senha, para sua maior segurança.



Manter dados