Cookies não suportados!

Você está utilizando um navegador muito antigo ou suas configurações não permitem cookies de terceiros.


Assine agora e tenha acesso ao conteúdo exclusivo do Tribuna Online!

esqueceu a senha? Assinar agora
Cookies não suportados!

Você está utilizando um navegador muito antigo ou suas configurações não permitem cookies de terceiros.

A humanidade como virtude
Tribuna Livre

A humanidade como virtude

Não nascemos humanos, transformamo-nos em humanos – ou não! Pode parecer estranho, mas é exatamente a contingência histórica que promove seres nascidos potencialmente humanos a humanos de verdade. Temos até palavra – desumano – para definir aquele que, por qualquer razão, está submerso na barbaridade, não tendo, ainda, vindo às Luzes.

Neste 10 de dezembro, comemoram-se os 70 anos de uma das maiores conquistas da civilização, a Declaração Universal dos Direitos Humanos. A própria formulação da Declaração pela ONU, evidenciando a necessidade de um guia ético rumo à constituição do humano em nós, é também sinal de que a direção da humanidade não é um caminho natural da nossa espécie.

Freud descreveu as dificuldades colocadas à conquista e manutenção da civilização (“soma das realizações e regulamentos que distinguem nossas vidas das de nossos antepassados animais, e que servem a dois intuitos: o de proteger os homens contra a natureza e o de ajustar seus relacionamentos mútuos”).

Como lembrou, padecemos da “inclinação para a agressão” e, “em consequência dessa mútua hostilidade primária dos indivíduos, a sociedade civilizada se vê permanentemente ameaçada de desintegração”.

Dessa sorte é que podemos localizar a humanidade, ou a experiência de existir humanamente, como virtude – uma decisão autônoma, uma vontade moralmente boa e uma disposição ao bem, habilitando-nos a viver com dignidade. Como escreveu Pico Della Mirandola, Deus, ao lembrar Adão de seu livre arbítrio, diz: “poderás degenerar até aos seres que são as bestas, poderás regenerar até às realidades superiores que são divinas, por decisão do teu ânimo”.

Ocorre que essa escolha ultrapassa os limites da decisão pessoal, ainda que esta esteja na origem de toda a nossa trajetória.

Humanos não nascem do nada, constituem-se mergulhados no líquido amniótico dos direitos humanos e dos preceitos de humanidade, em sociedades que tomam a decisão de se edificarem civilizadamente.

E não há uma sociedade humanística dividida em guetos. Falar de “direitos humanos apenas para humanos direitos” é apostar no perigoso juízo discricionário num campo que não admite as sombras da subjetividade. É inviabilizar uma sociedade verdadeiramente civilizada, posto que tolhe daqueles que já foram excluídos das condições mais básicas de humanidade qualquer chance de reescreverem sua história, seja como sujeitos, seja como comunidades.

É duro viver num ambiente de hostilidade e medo, mas responder violência com violência, morte com morte, segregação com segregação só nos iguala a todos na escuridão da barbárie. É preciso, sempre, enxergar o farol civilizatório que nos pode guiar para uma vida digna dos seres inteligentes que somos, dotados das capacidades de pensar, querer e julgar, sabendo que a existência é feita de escolhas e que elas têm consequências.

Conforme o Artigo I da Declaração Universal dos Direitos Humanos, “todos nascem livres e iguais em dignidade e direitos. São dotados de razão e consciência e devem agir em relação uns aos outros com espírito de fraternidade”. A partir daí, são as escolhas que escreverão a história, firmando páginas que honram, ou não, nossa condição de criaturas pensantes, que podem se igualar a feras, mas que também podem optar por serem humanas – e somar para a Humanidade.

José Antonio Martinuzzo é doutor em Comunicação, pós-doutor em Mídia e Cotidiano, professor na Ufes e membro da Escola Lacaniana de Psicanálise de Vitória


últimas dessa coluna


Exclusivo

Quem tem medo da educação a distância?

A educação a distância é diretriz e integra a base da educação brasileira como uma modalidade reconhecida. Em 2005, um decreto apresentou parâmetros de qualidade e de segurança para um meio acadêmico …


Exclusivo

Vila Velha, capital histórica do Espírito Santo

Há 484 anos, a história começa a ser escrita nesta parte do Brasil. Primeiro por portugueses, depois, também, por índios, africanos, espanhóis e viajantes estrangeiros. Mais tarde chegaram, para …


Exclusivo

Netflix versus cinema. Vocês ainda não viram nada

Nova Iorque, 6 de outubro de 1927, Picadilly Theatre. Na tela, diante de um público que desconhecia o que lhe aguardava, o ator branco Al Jolson, pintado com tinta preta, interpreta um cantor de jazz …


Exclusivo

Teletrabalho e a possibilidade legal da empresa reduzir custos

O teletrabalho é previsto no Capítulo II-A da CLT, porém, empresários e trabalhadores ainda têm dúvidas sobre essa modalidade contratual, também chamada de home office. O teletrabalho nada mais …


Exclusivo

Violar prerrogativas é amedrontar a sociedade

O advogado mineiro Sobral Pinto foi definitivo: “A advocacia não é uma profissão de covardes”. E não é mesmo. Enfrentar o Leviatã cada vez mais inchado e poderoso, somadas às angústias dos condenados…


Assistentes sociais no combate ao racismo

Vivemos uma conjuntura marcada pela intensificação da retirada de direitos sociais e de mudanças drásticas na direção das políticas públicas. São mudanças defendidas a partir de um discurso que visa …


Primeira estrada do Estado completa um século

Ao transitar pelas inúmeras estradas de rodagem que interligam os mais remotos rincões do nosso Estado, pouca ou nenhuma memória nos vem à tona para nos remeter a um passado relativamente recente, de …


Agricultura e economia nacional: passos para o desenvolvimento

Atualmente, o Brasil ocupa lugar de destaque como exportador de vários produtos agrícolas, razão pela qual se afigura como um dos principais atores na redefinição da ordem mundial do comércio …


A importância dos conselhos de fiscalização profissional

Em tempos de discussão acerca da manutenção dos conselhos de fiscalização das atividades profissionais e até mesmo a dúvida que permeia a sociedade quanto à necessidade da existência de tais …


A onda do naturismo cristão

Está chegando ao Brasil mais uma onda norte-americana do campo religioso. Criada em 1984, na cidade de Ivor, Pensilvânia, a Igreja White Tail se destaca por ser uma comunidade nudista. O …


Olá, !

Esse é o seu primeiro acesso por aqui, então recomendamos que você altere o seu nome de usuário e senha, para sua maior segurança.



Manter dados