search
Cookies não suportados!

Você está utilizando um navegador muito antigo ou suas configurações não permitem cookies de terceiros.


Assine agora e tenha acesso ao conteúdo exclusivo do Tribuna Online!

esqueceu a senha? Assinar agora
Cookies não suportados!

Você está utilizando um navegador muito antigo ou suas configurações não permitem cookies de terceiros.

A falta do protagonista
Gilmar Ferreira
Gilmar Ferreira

Gilmar Ferreira


A falta do protagonista

Repetirei aqui o que escrevi logo após a classificação da Seleção Brasileira, na última quinta-feira (27), em Porto Alegre. O time teve 17 finalizações no segundo tempo, contra duas da seleção paraguaia de Eduardo Berizzo, e só não fez ao menos um gol porque não tem o artilheiro raiz, o 9 goleador. E só por isso o Brasil patina numa Copa América, disputada em casa, e de baixo nível técnico.

Por mais que Roberto Firmino e Gabriel Jesus se esforcem, não funcionam no esquema de Tite. E são ótimos jogadores.

O que há então nessa relação? Por que Firmino faz os gols no Liverpool e claudica na Seleção? Por que Jesus decide alguns jogos no City e com a camisa amarela não consegue mais do que lampejos? Eis o maior senão da Seleção Brasileira na “Era Tite”.

A Seleção sofreu para fazer o primeiro gol na Bolívia em sua estreia na Copa América. Ficou no 0 a 0 com a Venezuela na segunda rodada.

E empatou com o Paraguai neste último jogo — adversário com 10 jogadores por mais de 30 minutos!

O time retém a bola, tem volume de jogo, mas para na linha de contenção na entrada área adversária. Daí a insistência nos cruzamentos.

O problema é que, quando a bola chega na área, não encontra o “goleador-herói”, o atacante dos espaços reduzidos, o homem que faz a diferença.

Questão que pode ser resumida numa análise ainda mais crítica: a Seleção não tem “o” craque. Tem, sim, um grupo de ótimos coadjuvantes, jogadores que atuam nos clubes mais endinheirados da Europa.

Argentina

Lionel Messi, o jogador mais completo do mundo da era pós Maradona, completou 32 anos essa semana e parece longe do término da carreira — ainda bem.

Não conheço um só humano capaz de levantar suspeitas sobre o talento do argentino. Mas o próprio craque reconhece que não faz boa Copa América.

Na vitória sobre a Venezuela, na última sexta-feira, no Maracanã, o semideus do Barcelona não recebeu marcação individual, teve espaços para jogar, mas oscilou entre os raros bons momentos e o fastio.

Por duas ou três vezes, reclamou de toques de mão dos adversários e, ao término da partida, creditou parte de sua má atuação à qualidade do gramado.

Tudo bem que os campos estão em estado deploráveis, mas o histórico de Messi não é dos melhores faz tempo.

Gols, por exemplo, são apenas dois nos últimos oito jogos oficiais. Desempenho que ajuda a explicar o jejum de títulos dos argentinos...

Conteúdo exclusivo para assinantes!

Assine agora e tenha acesso ao conteúdo exclusivo do Tribuna Online!

Matérias exclusivas, infográficos, colunas especiais e muito mais, produzido especialmente pra quem é assinante.

Apenas R$ 9,90/mês
Assinar agora
esqueceu a senha?

últimas dessa coluna


Exclusivo
Gilmar Ferreira

Fogo e paixão

Envolvido com suas primeiras oportunidades de conquistas em 2020, o Flamengo já se divide entre presente e futuro. As lesões de Bruno Henrique e Rodrigo Caio trouxeram apreensão, mas o tom ainda é de …


Exclusivo
Gilmar Ferreira

Noite de desafios

Tão importante quanto um bom resultado, o confronto entre Flamengo e Independiente Del Valle, esta noite, nos 2.850 metros da altitude de Quito, no Equador, nos traz a curiosidade de ver como se …


Exclusivo
Gilmar Ferreira

Minhas impressões

Como espetáculo, ficou claro que o confronto entre os dois campeões nacionais de 2019 teria de ter sido jogado no mesmo ano. Porque embora seja uma bela alternativa para a abertura da temporada …


Exclusivo
Gilmar Ferreira

Pedra no sapato

O Flamengo disputa na manhã de hoje, contra o Athletico, em Brasília, o primeiro dos três troféus que tem para erguer nas próximas duas semanas — a saber: a Taça Guanabara, no sábado, e a Recopa …


Exclusivo
Gilmar Ferreira

Paixão e orgulho

Dois jogos num só, no Fla-Flu da semifinal da Taça Guanabara na noite chuvosa da quarta-feira, no Maracanã. O Flamengo venceu o primeiro tempo por 2 a 0, com gols em oito minutos, e um repertório de …


Exclusivo
Gilmar Ferreira

Em busca de outro patamar

Quase 40 dias após o início da temporada de 2020 no futebol brasileiro, apenas um treinador comandou o time mais vezes do que Odair Hellmann — Guto Ferreira já fez oito jogos à frente do Sport, por …


Exclusivo
Gilmar Ferreira

Minhas impressões

Nenhum dos quatro primeiros clássicos do Estadual do Rio serviu para aferir o quanto os times estão prontos para serem cobrados pela qualidade do futebol que produzem. Mas, cá pra nós: alguém …


Exclusivo
Gilmar Ferreira

O vírus da paixão

O futebol é apaixonante e, justamente por cegar seus adoradores, exige esforço para que se entenda a lógica construída pelos resultados e se aceite as verdades impostas pela massa. Como o caso …


Exclusivo
Gilmar Ferreira

Minhas impressões

É triste ver a mediocridade do futebol praticado pelos clubes cariocas — excetuando-se o Flamengo que, até aqui, tentou ao menos exibir ideias de jogo coletivo mais bem trabalhadas. Tudo bem que …


Exclusivo
Gilmar Ferreira

Símbolo da nova era

Impossível desassociar a compra dos direitos econômicos de Gabriel Barbosa à chegada de Romário ao mesmo Flamengo, em 1995. Primeiro pelo fato de o acordo ter sido fechado na noite do dia 27 de …


Olá, !

Esse é o seu primeiro acesso por aqui, então recomendamos que você altere o seu nome de usuário e senha, para sua maior segurança.



Manter dados