A doença da urina do rato

Doutor João Evangelista, médico e colunista de A Tribuna (Foto: Arquivo/AT)
Doutor João Evangelista, médico e colunista de A Tribuna (Foto: Arquivo/AT)
O mundo está lembrando o centenário do término da Primeira Guerra Mundial. Entre 1914 e 1918, soldados inimigos trocavam tiros, buscando proteção dentro das trincheiras.

Naquela época, ninguém desconfiava que um pequeno habitante daquele lamacento ambiente provocasse incontáveis baixas nos combatentes.

Correndo de um lado para outro, em busca de alimento, ratazanas despejavam leptospiras através da urina.

Em contato com a pele dos soldados, essa bactéria provoca leptospirose, doença grave, de evolução imprevisível.

O tempo passou, a vida mudou, mas os desatinos continuam em voga. Violando a natureza, o ser humano tornou a poluição um beligerante adversário. Períodos de chuvas provocam enchentes, aumentando o risco de doenças infectocontagiosas.

As enxurradas carregam os mais variados tipos de imundícies, temidas pelas pessoas, mas desejadas pelos roedores. Abrigo, alimento, água e acesso; os rios de lama oferecem tudo o que o rato quer.

O agente causador da leptospirose, também conhecida como Doença de Weil, é uma bactéria, em forma de saca-rolhas, do gênero leptospiras. Esse microrganismo habita nos rins de agentes transmissores, principalmente roedores, e, depois de excretado pela urina, sobrevive por seis meses no meio ambiente.

As leptospiras penetram no corpo através da pele, principalmente por arranhões ou ferimentos. O contato com esgotos, lagoas, rios e terrenos baldios, também podem propiciar a infecção.

Veterinários e tratadores de animais podem adquirir a doença pelo contato com a urina, sangue, tecidos e órgãos de animais infectados.

Os sintomas variam muito de pessoa para pessoa. Em geral, eles se caracterizam pelo surgimento repentino de febre alta, dores abdominais, musculares e de cabeça, aumento de volume do baço e erupções cutâneas.

Após alguns dias de evolução do quadro nosológico, surge a icterícia, coloração amarelada da pele e dos olhos, evidenciando que as bactérias já acometeram o fígado do paciente. Além disso, outros órgãos podem ser afetados e provocar sintomas, como tosse e sangramentos pelo nariz.

O diagnóstico da leptospirose é difícil, em função da multiplicidade de sintomas possíveis. O exame de sangue pode mostrar alguns sinais biológicos suspeitos, como aumento dos glóbulos brancos e diminuição do número de plaquetas. A investigação se baseia também na análise dos anticorpos específicos da doença.

O tratamento consiste, fundamentalmente, no uso de antibióticos. É necessário estar atento para tratar possíveis complicações secundárias em outros órgãos, objetivando reduzir a intensidade dos sintomas. Na maior parte dos casos, o paciente deve ser internado para ter melhor suporte médico.

Na maioria das vezes, a leptospirose evolui para a cura. O uso de medicamentos na dosagem e tempo hábil é capaz de eliminar a bactéria. A hidratação também auxilia na recuperação do paciente.

Para não contrair leptospirose, é importante evitar o contato com animais e, principalmente, sua urina.

Além disso, não se deve tomar banho em rios existentes nas regiões onde a patologia é endêmica. Doenças prezam a negligência e odeiam a prevenção.

Enchentes em grandes cidades também podem desencadear casos de leptospirose. Nesse sentido, convém não sair à rua durante alagamentos e nem ter contato com a água.

Indivíduos que trabalham na limpeza urbana e têm contato com lama, entulhos e esgotos, devem usar botas e luvas de borracha. É importante esclarecer que a água sanitária mata as leptospiras e deve ser utilizada para desinfetar reservatórios de água.

A história do ser humano torna-se cada vez mais uma corrida entre o progresso e a calamidade.

João Evangelista Teixeira Lima é clínico geral e gastroenterologista


últimas dessa coluna


Sintomas são delações premiadas

Diante do delito cometido pela criminosa doença, o inocente corpo acumula provas, utilizando sintomas como forma de delação. Dessa maneira, ele espera, como prêmio, o retorno da saúde. Sintomas …


O perigo de nunca sentir dor

A presença da dor é essencial para a integridade e a sobrevivência da espécie. Jesus enfrentou o sofrimento, sabendo que estaria abandonado da presença misericordiosa de Deus. O cálice da …


“Abracadabra, que a doença seja debelada”

Escutar, examinar, solicitar exames, diagnosticar, explicar e tratar. Eu exerço esses ofícios há 40 anos. Procuro caprichar na informação, pois comunicação não é o que se fala, mas o que o outro …


Nem sempre dominamos o nosso corpo

Quando criança, eu costumava prestar atenção em minha respiração. O resultado era sempre uma sensação de cansaço, causado pelo trabalho dos músculos acostumados a respirar por conta própria. O …


O tempo nem sempre é um aliado

Um indivíduo apaixonado clama pela permanência do tempo. Uma pessoa deprimida suplica pela passagem do tempo. Dentro da medicina, o tempo é usado para curar, como acontece, por exemplo, durante um …


A dor que não pertence ao corpo

“A dor do outro é sempre menor que a nossa”. Nem sempre isso é verdade. Existe dor que não mais nos pertence, mas ainda nos aflige. Ela costuma residir num membro fantasma. Quando removido ou …


Álcool não aduba felicidade

Após atravessar o aparelho digestivo e cair na corrente sanguínea, o álcool atinge o cérebro. Ao transformar o córtex cerebral em salão de festa, ele deixa o bebedor desinibido e falante. Sentindo-se …


Suicídio: coragem ou covardia?

Em algum momento na vida, todos já flertamos com a morte. Se não desejamos nos matar, ao menos cogitamos morrer para escapar do sofrimento, para chamar a atenção ou para entrar na história. O ser …


É preciso atenção com as ínguas

Íngua é o aumento dos gânglios linfáticos, aparecendo como consequência de alguma inflamação na região acometida, podendo ou não vir acompanhada de dor. Quando expostos a bactérias ou vírus, a …


Os efeitos colaterais da paixão

Amo mais que a ti, ao meu amor por ti”, diz o poeta. Não seria esta declaração de amor, na verdade, uma confissão de paixão? Estar apaixonado é adoecer por alguém. Apesar da inebriante sensação …