Cookies não suportados!

Você está utilizando um navegador muito antigo ou suas configurações não permitem cookies de terceiros.


Assine agora e tenha acesso ao conteúdo exclusivo do Tribuna Online!

esqueceu a senha? Assinar agora
Cookies não suportados!

Você está utilizando um navegador muito antigo ou suas configurações não permitem cookies de terceiros.

A criação de Bolsonaro pela esquerda e um futuro novo
Tribuna Livre

A criação de Bolsonaro pela esquerda e um futuro novo

Eduardo Borges é engenheiro civil, mestre em urbanismo e diretor do Sinduscon-ES (Foto: A Tribuna / Tribuna Livre)
Eduardo Borges é engenheiro civil, mestre em urbanismo e diretor do Sinduscon-ES (Foto: A Tribuna / Tribuna Livre)
Essa eleição trouxe uma grande novidade no cenário nacional das últimas décadas. Um candidato de direita (nos costumes), de um partido até então inexpressivo, venceu o maior partido de esquerda do Brasil. A esquerda liberal nos costumes ignorou o conservadorismo dos brasileiros.

A esquerda estatizante, não viu limites no apadrinhamento político para empregar os companheiros em repartições e empresas públicas, sem falar nos bilionários escândalos de corrupção que impulsionaram movimentos por mudança em todo o país.

Partidos com ideais mais à esquerda governaram o País desde 1995, após a eleição de FHC pelo Partido da Social Democracia Brasileira (PSDB), que buscou implantar seus ideais sociais-democráticos: desenvolvimento econômico como motor para programas assistencialistas sociais, algumas privatizações e uma intensa regulação do Estado na economia com o aumento da carga tributária.

Neutro nos costumes, o PSDB liderou o Executivo até 2002, sendo sucedido pelo PT, em uma série de quatro derrotas seguidas em 2º turno nas eleições posteriores.

Governando até 2016, o PT implementou sua política econômica potencializando ainda mais a carga tributária e a intervenção estatal. Elevou-se como nunca o exército de funcionários públicos e companheiros - disparando o aumento do gasto público. Junto a isso, o financiamento de empresas apoiadoras de campanhas, investimentos em países com viés autoritário-comunista e o incentivo ao consumo dos brasileiros perdurou até a hora em que a conta começou a chegar, em meados de 2013. Adentramos, assim, na pior crise econômica de nossa história.

A nossa “direita” - essa parcela da população brasileira que “aceitava” votar em um partido de centro-esquerda na economia e de centro nos costumes (o PSDB) – cansou-se de subsequentes governos de esquerda liberal nos costumes, com um Estado gordo e altamente burocrático. Os escândalos de corrupção e outros crimes relacionados ao uso indevido da máquina pública pela esquerda, empurraram o eleitorado para uma busca desesperada por mudança, que viu no declaradamente anti-petista Jair Bolsonaro, conservador nos costumes (como não se via há décadas no embate presidencial) e incomumente (aparentemente) honesto, a chance de “salvação”.

Na reta final da eleição, para combater o novo “herói” brasileiro, o PT, com afeição ao comunismo e culto à cor vermelha (tradição que se repete em diversas experiências fracassadas), resolveu dar um passo atrás no aspecto radical e tingiu sua campanha com as cores da nossa Pátria.

Buscou se apresentar como a “solução democrática”. Muitos formadores de opinião da esquerda, até então fãs de Marx e Che Guevara, redirecionaram seus discursos de ideais a países com governos de centro-esquerda que dão certo, como os nórdicos, aproximando-se dos ideais do partido que combateram por 6 eleições presidenciais seguidas.

Quanto ao governo de Bolsonaro, fica a dúvida de como será sua atuação na política econômica, visto seu passado pessoal estatizante. Contudo, a escolha de Paulo Guedes, declaradamente liberal, anuncia novos cenários. Se conseguir aplicar o que pretende, poderá iniciar a mudança também desse aspecto dos governos que lideraram a nação por quase 25 anos, lançando as bases para o que seria realmente novo para o Brasil, o enxugamento do Estado.

Eduardo Borges é engenheiro civil, mestre em urbanismo e diretor do Sinduscon-ES


últimas dessa coluna


Exclusivo

Netflix versus cinema. Vocês ainda não viram nada

Nova Iorque, 6 de outubro de 1927, Picadilly Theatre. Na tela, diante de um público que desconhecia o que lhe aguardava, o ator branco Al Jolson, pintado com tinta preta, interpreta um cantor de jazz …


Exclusivo

Teletrabalho e a possibilidade legal da empresa reduzir custos

O teletrabalho é previsto no Capítulo II-A da CLT, porém, empresários e trabalhadores ainda têm dúvidas sobre essa modalidade contratual, também chamada de home office. O teletrabalho nada mais …


Exclusivo

Violar prerrogativas é amedrontar a sociedade

O advogado mineiro Sobral Pinto foi definitivo: “A advocacia não é uma profissão de covardes”. E não é mesmo. Enfrentar o Leviatã cada vez mais inchado e poderoso, somadas às angústias dos condenados…


Assistentes sociais no combate ao racismo

Vivemos uma conjuntura marcada pela intensificação da retirada de direitos sociais e de mudanças drásticas na direção das políticas públicas. São mudanças defendidas a partir de um discurso que visa …


Primeira estrada do Estado completa um século

Ao transitar pelas inúmeras estradas de rodagem que interligam os mais remotos rincões do nosso Estado, pouca ou nenhuma memória nos vem à tona para nos remeter a um passado relativamente recente, de …


Agricultura e economia nacional: passos para o desenvolvimento

Atualmente, o Brasil ocupa lugar de destaque como exportador de vários produtos agrícolas, razão pela qual se afigura como um dos principais atores na redefinição da ordem mundial do comércio …


A importância dos conselhos de fiscalização profissional

Em tempos de discussão acerca da manutenção dos conselhos de fiscalização das atividades profissionais e até mesmo a dúvida que permeia a sociedade quanto à necessidade da existência de tais …


A onda do naturismo cristão

Está chegando ao Brasil mais uma onda norte-americana do campo religioso. Criada em 1984, na cidade de Ivor, Pensilvânia, a Igreja White Tail se destaca por ser uma comunidade nudista. O …


E os médicos ainda são culpados?

A velha história se repete. A crise que acomete a assistência aos pacientes no PA de Alto Lage, em Cariacica, foi creditada, há pouco tempo, pelo prefeito daquele município, em entrevista a emissoras …


Por que os jovens bebem tanto?

É uma triste realidade. Os adolescentes têm bebido cada vez mais e, o que é pior, cada dia mais cedo. Quais seriam as causas? Onde encontrar a origem do problema? São perguntas que todos fazem, mas …


Olá, !

Esse é o seu primeiro acesso por aqui, então recomendamos que você altere o seu nome de usuário e senha, para sua maior segurança.



Manter dados