A criação de Bolsonaro pela esquerda e um futuro novo

Eduardo Borges é engenheiro civil, mestre em urbanismo e diretor do Sinduscon-ES (Foto: A Tribuna / Tribuna Livre)
Eduardo Borges é engenheiro civil, mestre em urbanismo e diretor do Sinduscon-ES (Foto: A Tribuna / Tribuna Livre)
Essa eleição trouxe uma grande novidade no cenário nacional das últimas décadas. Um candidato de direita (nos costumes), de um partido até então inexpressivo, venceu o maior partido de esquerda do Brasil. A esquerda liberal nos costumes ignorou o conservadorismo dos brasileiros.

A esquerda estatizante, não viu limites no apadrinhamento político para empregar os companheiros em repartições e empresas públicas, sem falar nos bilionários escândalos de corrupção que impulsionaram movimentos por mudança em todo o país.

Partidos com ideais mais à esquerda governaram o País desde 1995, após a eleição de FHC pelo Partido da Social Democracia Brasileira (PSDB), que buscou implantar seus ideais sociais-democráticos: desenvolvimento econômico como motor para programas assistencialistas sociais, algumas privatizações e uma intensa regulação do Estado na economia com o aumento da carga tributária.

Neutro nos costumes, o PSDB liderou o Executivo até 2002, sendo sucedido pelo PT, em uma série de quatro derrotas seguidas em 2º turno nas eleições posteriores.

Governando até 2016, o PT implementou sua política econômica potencializando ainda mais a carga tributária e a intervenção estatal. Elevou-se como nunca o exército de funcionários públicos e companheiros - disparando o aumento do gasto público. Junto a isso, o financiamento de empresas apoiadoras de campanhas, investimentos em países com viés autoritário-comunista e o incentivo ao consumo dos brasileiros perdurou até a hora em que a conta começou a chegar, em meados de 2013. Adentramos, assim, na pior crise econômica de nossa história.

A nossa “direita” - essa parcela da população brasileira que “aceitava” votar em um partido de centro-esquerda na economia e de centro nos costumes (o PSDB) – cansou-se de subsequentes governos de esquerda liberal nos costumes, com um Estado gordo e altamente burocrático. Os escândalos de corrupção e outros crimes relacionados ao uso indevido da máquina pública pela esquerda, empurraram o eleitorado para uma busca desesperada por mudança, que viu no declaradamente anti-petista Jair Bolsonaro, conservador nos costumes (como não se via há décadas no embate presidencial) e incomumente (aparentemente) honesto, a chance de “salvação”.

Na reta final da eleição, para combater o novo “herói” brasileiro, o PT, com afeição ao comunismo e culto à cor vermelha (tradição que se repete em diversas experiências fracassadas), resolveu dar um passo atrás no aspecto radical e tingiu sua campanha com as cores da nossa Pátria.

Buscou se apresentar como a “solução democrática”. Muitos formadores de opinião da esquerda, até então fãs de Marx e Che Guevara, redirecionaram seus discursos de ideais a países com governos de centro-esquerda que dão certo, como os nórdicos, aproximando-se dos ideais do partido que combateram por 6 eleições presidenciais seguidas.

Quanto ao governo de Bolsonaro, fica a dúvida de como será sua atuação na política econômica, visto seu passado pessoal estatizante. Contudo, a escolha de Paulo Guedes, declaradamente liberal, anuncia novos cenários. Se conseguir aplicar o que pretende, poderá iniciar a mudança também desse aspecto dos governos que lideraram a nação por quase 25 anos, lançando as bases para o que seria realmente novo para o Brasil, o enxugamento do Estado.

Eduardo Borges é engenheiro civil, mestre em urbanismo e diretor do Sinduscon-ES


últimas dessa coluna


O Moscoso não morreu e nem morrerá por causa da violência

O fato ocorrido no dia 15 de janeiro, quando três vidas foram ceifadas de forma brutal, na divisa do bairro Piedade, mesmo em se tratando de um ato isolado, nos causou indignação. Mas foi inaceitável …


A lei e a quebra de contrato na compra de imóveis na planta

Quase no apagar das luzes do ano de 2018, na última sexta-feira, dia 28 de dezembro, foi publicada a Lei Federal nº 13.786, que visa regulamentar a resolução por inadimplemento de contratos de …


Telemedicina traz ganhos, mas não é remédio para todos os males

A divulgação da Resolução nº 2.227/18, do Conselho Federal de Medicina (CFM), que estabelece critérios para prática da telemedicina no Brasil, provocou um grande debate sobre o tema, durante o qual …


Será um desserviço ao País desmantelar aquilo que dá certo

Atualmente, o sistema cooperativista tem sido bastante evidenciado pelo seu constante crescimento e pela sua participação no combate à exclusão social, valorizando o homem pelo que ele é, tornando-o …


A importância do planejamento para se saber aonde quer chegar

Ao receber a resposta de Alice, que diz não saber para onde quer ir, uma vez que estaria perdida, o Gato é enfático: “Para quem não sabe onde quer ir, qualquer caminho serve”. O trecho da história …


Ferida emocional e baixa fé religiosa põem vidas em risco

Revista de circulação nacional diz que acontece um suicídio no mundo a cada 40 segundos. No Brasil, a cada 45 minutos. E em Vitória? Não sabemos, pois a mídia, com a sábia intenção de não incentivar, …


Pacote anticrime de Moro é bom, mas peca em alguns pontos

O ministro Sérgio Moro divulgou as primeiras medidas concebidas para o enfrentamento da criminalidade. Sob o impacto inicial das soluções apontadas, várias análises foram feitas logo após sua …


É direito de alunos terem acesso às informações de seus cursos

Há quase quatro anos, A Tribuna publicou neste mesmo espaço um artigo em que eu falava sobre o Exame de Ordem e o direito à informação. Citei o Projeto de Lei 214/2015, proposto pelo então deputado …


Tecnologia nos distancia do amor e nos aproxima da violência

Celular… Essa maquininha veio com a promessa de aproximar as pessoas, mas está fazendo exatamente o contrário. Cada dia aumenta mais a distância entre os corações humanos. É na convivência com as …


A histórica igrejinha do Rosário da Prainha em Vila Velha

Durante o processo de expansão marítima de Portugal por vários reinados, foi determinado não somente a expansão da religião católica, com os símbolos religiosos, com prevalência da Cruz relativa a …