search
Cookies não suportados!

Você está utilizando um navegador muito antigo ou suas configurações não permitem cookies de terceiros.


Assine agora e tenha acesso ao conteúdo exclusivo do Tribuna Online!

esqueceu a senha? Assinar agora
Cookies não suportados!

Você está utilizando um navegador muito antigo ou suas configurações não permitem cookies de terceiros.

A Copa Europa
Gilmar Ferreira
Gilmar Ferreira

Gilmar Ferreira


A Copa Europa

A qualidade dos jogos da Copa América reforça a tese que venho defendendo por aqui a respeito do aproveitamento nas seleções sul-americanas dos jogadores que cumprem o calendário europeu.

Principalmente nos torneios de meio de ano, que coincidem com o final de temporada nos principais campeonatos do Velho Continente.

Embora o número de jogos por lá seja menor do que o da temporada brasileira, e apesar de os clubes vizinhos aqui do continente terem carga mais racional do que a nossa, o futebol sul-americano perde cada vez mais autenticidade. E muitos técnicos já enxergaram que tudo é fruto da europeização dos principais jogadores. Tema sobre o qual a Conmebol deveria refletir.

Dos 22 jogadores que entraram em campo na noite de terça-feira (2), no Mineirão, para o clássico entre Brasil e Argentina, apenas dois (o goleiro Franco Armani, do River Plate, e o atacante Everton, do Grêmio) atuam num clube da América do Sul.

E, mais: dos 46 convocados pelos técnicos de ambos os países, oito não atuam no futebol europeu — três deles em ação em clubes mexicanos.

Ou seja: somente cinco (três brasileiros e dois argentinos) jogam o genuíno futebol sul-americano.

E, com um detalhe: dois destes são goleiros: o corintiano Cássio e argentino Agustín Marchesín, do América do México.

É muito pouco para uma competição que deveria estar mostrando ao mundo o estilo que se joga no continente em questão.

Dia desses, numa mesa redonda entre os técnicos, promovida pelo canal “Fox Sports”, o sempre polêmico Vanderlei Luxemburgo levantava uma tese interessante. Para ele, o fato de os jogadores brasileiros estarem deixando o País ainda sem terem fechado o ciclo da formação está refletindo no futebol que a Seleção tem apresentado.

Porque, lá fora, o jogador não deve dar mais do que três toques na bola.

Os europeus priorizam o jogo coletivo, em detrimento do individualismo, e essa rigidez tira do jogador ainda em formação a coragem do improviso no drible — salvo, é claro, do extraclasse.
Caso de Neymar, por exemplo, que deixou o Santos com 21 anos, já formado e campeão da Libertadores.

As federações dos países sul-americanos montam suas seleções com jogadores em final de temporada e acostumados com o jogo coletivo que se pratica em gramados europeus e vêm disputar a Copa América, que para eles não tem mais sentido.

Este troféu não tem mais nenhuma representatividade para a carreira deles.

Conteúdo exclusivo para assinantes!

Assine agora e tenha acesso ao conteúdo exclusivo do Tribuna Online!

Matérias exclusivas, infográficos, colunas especiais e muito mais, produzido especialmente pra quem é assinante.

Apenas R$ 9,90/mês
Assinar agora
esqueceu a senha?

últimas dessa coluna


Exclusivo
Gilmar Ferreira

O que vem por aí

No final de outubro, mais precisamente na coluna do dia 27 (domingo), contei neste espaço que o sucesso do Flamengo do português Jorge Jesus estava sendo dissecado nos bastidores rivais. E que …


Exclusivo
Gilmar Ferreira

Craque coadjuvante

Apesar da fase de bonança, a diretoria do Flamengo tem se esforçado para não deixar que o sucesso alcançado em 2019 impacte no orçamento de 2020. Lembram que comentei por aqui situação de dois …


Exclusivo
Gilmar Ferreira

Minhas impressões

Que a queda do Cruzeiro já empobrece o Brasileiro de 2020 não tenho dúvidas. Mas o clube mineiro fez tanto descalabro em sua gestão que o rebaixamento não é imerecido. Isso, porém, não tem a ver com …


Exclusivo
Gilmar Ferreira

A segunda pele

A diretoria do Vasco já decidiu que o time em 2020 terá um outro fornecedor de material esportivo. E a nova marca é uma velha conhecida dos cruz-maltinos: a italiana Kappa, grife que vestiu os …


Exclusivo
Gilmar Ferreira

Outro patamar

A ampliação em massa do número de sócios-torcedores do Vasco, crescendo em quase quatro vezes os cadastros de inscritos, já provoca a necessidade de mudanças para atender à nova demanda. E uma delas …


Exclusivo
Gilmar Ferreira

Minhas impressões

O “strike” que o Flamengo de Jorge Jesus faz em seus principais rivais, derrubando seus técnicos com atuações insofismáveis, e acumulando pontos incansavelmente, já é prova de que o trabalho do …


Exclusivo
Gilmar Ferreira

Um novo despertar

A torcida do Vasco parece ter percebido, de forma definitiva, que é ela o motor de propulsão da caravela que simboliza o clube. A adesão em massa ao projeto sócio-torcedor deflagrada com a …


Exclusivo
Gilmar Ferreira

Paixão S.A.

A discussão em torno do sucesso esportivo do Flamengo tem acirrado os ânimos em grupos de WhatsApp, desfeito amizades entre torcedores rivais nas redes sociais e destemperado batalhas ideológicas …


Exclusivo
Gilmar Ferreira

Minhas impressões

Que capítulo lindo o Flamengo adicionou à sua história, com a conquista de dois títulos em 24 horas. O bicampeão da Copa Libertadores foi oficialmente consagrado campeão brasileiro de 2019 com quatro …


Exclusivo
Gilmar Ferreira

Rumo ao topo do mundo

O Flamengo é bicampeão da América. Mas quem só leu os capítulos finais da história ou apenas se viu arrebatado após a emocionante e dramática vitória de 2 a 1, de virada, no sábado (24), sobre o …


Olá, !

Esse é o seu primeiro acesso por aqui, então recomendamos que você altere o seu nome de usuário e senha, para sua maior segurança.



Manter dados