Cookies não suportados!

Você está utilizando um navegador muito antigo ou suas configurações não permitem cookies de terceiros.


Assine agora e tenha acesso ao conteúdo exclusivo do Tribuna Online!

esqueceu a senha? Assinar agora
Cookies não suportados!

Você está utilizando um navegador muito antigo ou suas configurações não permitem cookies de terceiros.

A Copa Europa
Gilmar Ferreira
Gilmar Ferreira

Gilmar Ferreira


A Copa Europa

A qualidade dos jogos da Copa América reforça a tese que venho defendendo por aqui a respeito do aproveitamento nas seleções sul-americanas dos jogadores que cumprem o calendário europeu.

Principalmente nos torneios de meio de ano, que coincidem com o final de temporada nos principais campeonatos do Velho Continente.

Embora o número de jogos por lá seja menor do que o da temporada brasileira, e apesar de os clubes vizinhos aqui do continente terem carga mais racional do que a nossa, o futebol sul-americano perde cada vez mais autenticidade. E muitos técnicos já enxergaram que tudo é fruto da europeização dos principais jogadores. Tema sobre o qual a Conmebol deveria refletir.

Dos 22 jogadores que entraram em campo na noite de terça-feira (2), no Mineirão, para o clássico entre Brasil e Argentina, apenas dois (o goleiro Franco Armani, do River Plate, e o atacante Everton, do Grêmio) atuam num clube da América do Sul.

E, mais: dos 46 convocados pelos técnicos de ambos os países, oito não atuam no futebol europeu — três deles em ação em clubes mexicanos.

Ou seja: somente cinco (três brasileiros e dois argentinos) jogam o genuíno futebol sul-americano.

E, com um detalhe: dois destes são goleiros: o corintiano Cássio e argentino Agustín Marchesín, do América do México.

É muito pouco para uma competição que deveria estar mostrando ao mundo o estilo que se joga no continente em questão.

Dia desses, numa mesa redonda entre os técnicos, promovida pelo canal “Fox Sports”, o sempre polêmico Vanderlei Luxemburgo levantava uma tese interessante. Para ele, o fato de os jogadores brasileiros estarem deixando o País ainda sem terem fechado o ciclo da formação está refletindo no futebol que a Seleção tem apresentado.

Porque, lá fora, o jogador não deve dar mais do que três toques na bola.

Os europeus priorizam o jogo coletivo, em detrimento do individualismo, e essa rigidez tira do jogador ainda em formação a coragem do improviso no drible — salvo, é claro, do extraclasse.
Caso de Neymar, por exemplo, que deixou o Santos com 21 anos, já formado e campeão da Libertadores.

As federações dos países sul-americanos montam suas seleções com jogadores em final de temporada e acostumados com o jogo coletivo que se pratica em gramados europeus e vêm disputar a Copa América, que para eles não tem mais sentido.

Este troféu não tem mais nenhuma representatividade para a carreira deles.

Conteúdo exclusivo para assinantes!

Assine agora e tenha acesso ao conteúdo exclusivo do Tribuna Online!

Matérias exclusivas, infográficos, colunas especiais e muito mais, produzido especialmente pra quem é assinante.

Apenas R$ 9,90/mês
Assinar agora

últimas dessa coluna


Exclusivo
Gilmar Ferreira

Mais uma de Jorge Jesus

O técnico Jorge Jesus recomendou ao Flamengo a contratação de outro espanhol: o atacante Carlos Fernández, de 23 anos e 1,85m de altura, com direitos econômicos presos ao Sevilla, mas que foi …


Exclusivo
Gilmar Ferreira

Minhas impressões: o mau uso do árbitro de vídeo

Na medida em que a tabela da Série A do Brasileiro ganha um contorno mais expressivo, o mau uso do árbitro de vídeo começa a chamar atenção. Era sabido que haveria equívocos e injustiça nessa fase de …


Exclusivo
Gilmar Ferreira

É treta...

A ausência de Romário foi a mais sentida na confraternização promovida pela CBF na Granja Comary, em Teresópolis, em comemoração dos 25 anos da conquista do tetra mundial. O evento reuniu ex-jogadore…


Exclusivo
Gilmar Ferreira

O mistério de Pablo Marí

Há mesmo algo estranho nessa contratação do zagueiro espanhol Pablo Marí, de 25 anos, que o Flamengo anuncia como “reforço” para o elenco de Jorge Jesus. O jogador de 1,93m tem histórico medíocre e …


Exclusivo
Gilmar Ferreira

Jesus na Arena

Jorge Jesus estreia nesta quarta-feira (10) no comando técnico do Flamengo e, tão difícil quanto esse confronto com o Athletico/PR, na Arena da Baixada, pelas quartas de final da Copa do Brasil, …


Exclusivo
Gilmar Ferreira

Minhas impressões: Copa América

A conquista da Copa América devolve um pouco da autoestima e tira um sobrepeso das costas do novo presidente da CBF, Rogério Caboclo. Mas a dúvida agora é saber se a Seleção seguirá nas mãos de Tite …


Exclusivo
Gilmar Ferreira

Um Peru da América

É impossível crer que a CBF já não tenha um plano estratégico alternativo para a disputa da Copa América de 2020, a quarta nos últimos cinco anos. Mas, se não tiver, deixo desde já um conselho para …


Exclusivo
Gilmar Ferreira

Fla oferece R$ 44 milhões a Pedro

A diretoria do Flamengo repete com o centroavante Pedro, de 22 anos, autor de 19 gols em 40 jogos do Fluminense em 2018, a estratégia adotada para contratar o uruguaio De Arrascaeta e o atacante …


Exclusivo
Gilmar Ferreira

A falta do protagonista

Repetirei aqui o que escrevi logo após a classificação da Seleção Brasileira, na última quinta-feira (27), em Porto Alegre. O time teve 17 finalizações no segundo tempo, contra duas da seleção …


Exclusivo
Gilmar Ferreira

A lamúria portenha

Sergio Levinsky é um jornalista argentino, sociólogo, com 10 Copas do Mundo no currículo a trabalho para a crônica do país e também para outros veículos da Europa. Figura divertidíssima, um poço de …


Olá, !

Esse é o seu primeiro acesso por aqui, então recomendamos que você altere o seu nome de usuário e senha, para sua maior segurança.



Manter dados