Cookies não suportados!

Você está utilizando um navegador muito antigo ou suas configurações não permitem cookies de terceiros.


Assine agora e tenha acesso ao conteúdo exclusivo do Tribuna Online!

esqueceu a senha? Assinar agora
Cookies não suportados!

Você está utilizando um navegador muito antigo ou suas configurações não permitem cookies de terceiros.

"A arma falhou, se não tivesse falhado, o policial poderia ter morrido”, diz delegado

Notícias

Polícia

"A arma falhou, se não tivesse falhado, o policial poderia ter morrido”, diz delegado


 (Foto:  Roberta Bourguignon)
(Foto: Roberta Bourguignon)

“A arma falhou e, se não tivesse falhado, o policial poderia ter morrido”. A afirmação é do delegado Franco Malini, responsável pela Delegacia de Homicídios e Proteção à Pessoa (DHPP) de Guarapari, que, junto com sua equipe, conseguiu recuperar ontem a arma, que pertence ao militar baleado durante um assalto na cidade.

A arma particular do sargento Eduardo Libardi, uma pistola 380, foi roubada durante o crime que aconteceu dentro de uma pizzaria no bairro Muquiçaba, na última segunda-feira (15). Dois menores, de 16 e 17 anos, foram presos. Durante o assalto, um dos menores, o de 17 anos, usou a arma do sargento para tentar matá-lo.

Ainda não se sabe quantos disparos saíram da pistola, e a arma será encaminhada para análise da Polícia Civil. Mas o delegado acredita que o policial não foi morto porque a arma falhou. O projétil ficou agarrado na ponta da pistola.

“Como se trata de uma arma particular, o uso talvez não seja frequente. O suor causa danos à arma. A falta de manutenção da arma ou de projetis antigos prejudicam o pleno funcionamento da arma. Também vimos no vídeo que o assaltante bateu com a arma na cabeça do policial, e isso também pode ter provocado a falha”, esclarece o delegado.

Internado

O sargento Eduardo Gomes Libardi, que possui 15 anos de polícia, permanece internado no Hospital São Lucas, em Vitória, com o projétil alojado próximo à vértebra C3, mas sem riscos maiores.

Durante a prisão do menor de 17 anos, ele informou aos militares que teria jogado a arma em uma mata às margens da estrada velha, que liga o bairro Adalberto Simão Nader ao bairro Nossa Senhora da Conceição.

“Os policiais já estavam desconfiados de que a informação do menor dada na tarde de ontem (terça-feira), quando foi preso, era falsa. Na manhã de hoje (ontem), com a ajuda de colaboradores, nossa equipe conseguiu localizar a pistola próximo ao local onde ele foi preso na tarde de ontem (terça) no bairro Bela Vista”, esclareceu Malini.

Assassinato de policial é crime hediondo

Desde 2015, a Lei 13.142, tornou crime hediondo e qualificado, o assassinato de policiais no exercício da função ou em decorrência dela. A norma abarca as carreiras de policiais civis, rodoviários, federais, militares, bombeiros, integrantes das Forças Armadas, da Força Nacional de Segurança Pública e do Sistema Prisional.

Os menores, além de autuados pelo delegado Marcelo Santiago, a frente das investigações pela Delegacia Especializada de Investigações Criminais (DEIC), por latrocínio com resultado lesão grave, podem ser enquadrados na Lei 13.142.

Por serem menores, serão autuados como ato infracional análogo ao crime de tentativa de homicídio na Lei 13.142 de 2015.

Os dois foram apresentados ontem, ao promotor da Vara da Infância e da Juventude de Guarapari, e encaminhados para a Unidade de Internação Provisória, em Cariacica, onde ficarão pelo tempo máximo de três anos.

Saúde

O sargento Eduardo Gomes Libardi, que tem 15 anos de serviço, continua internado no Hospital São Lucas, em Vitória. O projétil está alojado próximo à vértebra C3. Ele passou por novos novos exames nesta quarta-feira (17), para decidir sobre se será feita ou não cirurgia para a retirada da bala.
 


Olá, !

Esse é o seu primeiro acesso por aqui, então recomendamos que você altere o seu nome de usuário e senha, para sua maior segurança.



Manter dados