27 aninhos! Será que pegou?

 (Foto: Reprodução)
(Foto: Reprodução)
O aniversário foi no final do mês de julho, mas não poderia passar por aqui sem mais uma vez falar para vocês da importância – ainda – da Lei de Cotas.

Do que se trata? - Há 27 anos, em 24 de julho de 1991, foi promulgada a Lei 8.213, conhecida como a Lei de

Essa lei obriga as empresas com 100 ou mais empregados a reservarem vagas para pessoas com deficiência, em proporções que variam de acordo com o número de empregados: de 100 a 200, a reserva legal é de 2%; de 201 a 500, de 3%; de 501 a 1.000, de 4%, e acima de 1.001, de 5%.

Um avanço - A Lei de Cotas é um importante marco na defesa e garantia de direitos do trabalhador com deficiência no Brasil. No entanto, apesar das conquistas, ainda há muito a ser feito.

Socorro! - Dados do IBGE apontam que existem no Brasil mais de 45 milhões de pessoas com deficiência, destas, 24% estão aptas para o trabalho.

Por outro lado, apenas 418 mil estão contratadas no País, o que representa menos de 1%.

Desinformadas ou descaso - As grandes empresas, infelizmente, ainda selecionam a deficiência no lugar do profissional.

As que para elas parecem ser mais leves ou que não implicam em assistência para desenvolver as atividades são escolhidas. Aff...

Fala sério! Os anos passam e o “papo” das empresas para cima de nós continua o mesmo e a preocupação em estruturar as políticas de inclusão ainda são muito fracas e não têm impacto nenhum em nossas vidas.

Ainda somos colocados em postos que não condizem com a nossa qualificação profissional e com baixa remuneração.

Se os empreendedores soubessem mais rápido do quanto o ambiente corporativo melhora com a presença de profissionais com deficiência, precisaríamos cada vez menos da Lei de Cotas.
Mas é só olhar para os números que nos convencemos que ainda temos que exigir as contratações desses profissionais nas empresas. Vejam isso.

Acreditem - De acordo com a Relação Anual de Informações Sociais (Rais), realizada pelo Ministério do Trabalho referente ao ano de 2016, das 418.521 pessoas com deficiência que trabalham com carteira assinada no País, 391.228 (93,48%) estão em empresas que têm obrigação legal de contratação de profissionais com deficiência.

Sendo assim, apenas 6,52% dos trabalhadores com deficiência estão em empresas que não são obrigadas a atender a cota.

Cadê os ES nessa? Querem saber quais os estados que mais contratam esses trabalhadores?
São Paulo ocupa o topo do ranking, com 148.001 trabalhadores desse grupo, seguido por Minas Gerais (50.462), Rio de Janeiro (39.122), Rio Grande do Sul (38.011) e Paraná (34.246).

Nem preciso falar que sou do Espírito Santo e estou sem trabalho, né? Acho que vou me mudar, rs...

Finalmente, passou da hora das empresas entenderem sobre a diversidade humana e sua importância na vida e no desenvolvimento da empresa.

Daí capacitar os gestores tornou-se uma urgência, tá?

Exigir emprego, renda, autonomia e independência é um direito de todos. Chega de justificativas e discursos vazios.

Que no próximo ano tenhamos mais reflexão, mais debate, um número maior de empregados para comemorar e consciência sobre os avanços que já tivemos e sobre todos os desafios que surgirão pela frente.

Tem dúvida do desempenho desse desbravador trabalhador com deficiência? Pague pra ver.

Mariana Reis é consultora em acessibilidade e educadora física


últimas dessa coluna


Capacitismo: entenda para mudar

Hoje trago para vocês mais uma palavra que talvez muitos desconheçam, mas que podem estar usando ou até mesmo sofrendo de forma “inofensiva”. Porém, no fundo, essas atitudes ferem o nosso íntimo como …


O Brasil em cinzas

Caros leitores, adoraria falar de assuntos legais, leves e das experiências que vivo com a acessibilidade ou da falta dela em meu cotidiano. Mas algumas vezes venho aqui manifestar também uma …


Um domingo no museu

Adoro quando o fim de semana se aproxima. Quem não gosta, não é? Poder acordar sem o despertador e sem muitos compromissos profissionais. É chegada a hora do lazer e todos sabem que um passeio …


Ei, psiu. Preciso parar!

Voltarei sempre com este tema aqui até que um dia algumas pessoas parem de passar para trás outros cidadãos. Refiro-me às vagas de estacionamento reservadas para as pessoas com deficiência. Meus …


Eleição ou revolução?

Queira ou não, outubro vem aí e, junto com ele, as eleições para presidente, deputados federais, senadores, governadores e deputados estaduais. Embora o cenário político seja catastrófico, o momento …


Diversão para nós. Diversão para os pets

O assunto hoje é um tanto quanto inusitado. Quero falar com vocês de uma experiência minha que vale compartilhar. Eu diria que, no mínimo, vale refletir... Muitos de vocês já devem ter ouvido …


Uma roda-gigante de possibilidades!

A roda-gigante é um brinquedo de parque de diversão e nem preciso dizer o quanto sou fascinada por parques. Porém, em muitos lugares do mundo, ela é construída para que as pessoas possam ter, lá do …


Atletas da 3ª idade

Queridos leitores, hoje a coluna terá uma participação especial do amigo pesquisador e mestrando Henrique Viana Taveira. Vejam que massa o trabalho que ele e a equipe do meu professor Rodrigo Vancini …


De chocolate a Bélgica entende

Vocês estão recuperados com a derrota do Brasil nesta Copa? Confesso eu ainda não. Não sou comentarista esportiva, mas tenho que concordar com os especialistas que dizem que foi a pior derrota …


“Esse tempo acabou”

Caros leitores havia programado outro texto para hoje, porém, diante do impacto das notícias sobre o discurso da apresentadora Oprah Winfrey na 75ª edição do Globo de Ouro, em Los Angeles, não tive …