Cookies não suportados!

Você está utilizando um navegador muito antigo ou suas configurações não permitem cookies de terceiros.


Assine agora e tenha acesso ao conteúdo exclusivo do Tribuna Online!

esqueceu a senha? Assinar agora
Cookies não suportados!

Você está utilizando um navegador muito antigo ou suas configurações não permitem cookies de terceiros.

Smartphone: Meu amigo espião
Mundo Digital
Eduardo Pinheiro

Eduardo Pinheiro


Smartphone: Meu amigo espião

Eduardo Pinheiro assina o blog Mundo Digital (Foto: Divulgação)
Eduardo Pinheiro assina o blog Mundo Digital (Foto: Divulgação)
Nosso companheiro do dia a dia e inseparável smartphone, que nos passa a sensação de onipresença e janela aberta para o mundo tecnológico, também é responsável por nos monitorar em tempo integral em todos os lugares.

Um verdadeiro espião que carregamos no bolso (ou na bolsa) e que registra tudo o que fazemos, seja pelas conversas, pelas fotos que produzimos, lugares que andamos ou pelos aplicativos que instalamos. O microfone, a câmera, a antena, praticamente todo o aparelho é preparado para fazer registros e enviar nossos dados para empresas de tecnologias, empresas conveniadas e também para os cibercriminosos oportunistas de plantão.

A grande maioria dos aplicativos que instalamos em nossos aparelhos, traz de forma oculta, funcionalidades preparadas para a coleta de dados a nosso respeito. Muitas vezes as empresas desenvolvedoras desses aplicativos sabem mais a nosso respeito do que nós mesmos. Hábitos de consumo, pessoas com quem nos comunicamos com maior ou menor frequência, aonde você se encontrava ao meio dia do segundo domingo do ano, perfil pessoal do uso da tecnologia, enfim, toda uma gama de informações que tratadas com fins específicos podem agregar valor comercial ou até mesmo nos deixar vulneráveis nas mãos de criminosos.

O pior de tudo é que, invariavelmente, toda essa guarda de dados a nosso respeito é feita com o nosso consentimento, pois fornecemos “cheques em branco” todas as vezes que instalamos um aplicativo sem a devida leitura dos Termos de Uso, sem nos dar conta que nesses termos está implícita a autorização para monitoramento.

Por outro lado, existe também o acesso sem o consentimento. Por diversas razões, governos, empresas e até criminosos, infiltram aplicativos espiões em nossos aparelhos celulares. Esses aplicativos estão cada vez mais poderosos e sofisticados, uns sendo classificados como verdadeiras armas de guerra cibernética, que transformam o aparelho celular em um espião robotizado capaz de monitorar e roubar qualquer dado que está armazenado no dispositivo, sendo quase impossível detectar o software invasor.

Ninguém está livre desses códigos espiões, há muito tempo caiu por terra o mito que os iPhones eram imunes aos malwares (códigos maliciosos). Desde 2016 são registrados incidentes envolvendo brechas descobertas no sistema da Apple, como exemplo mais recente temos o caso do Ministro da Justiça Sergio Moro, que teve seu dispositivo invadido e suas mensagens redirecionadas para o aparelho do invasor, provando assim, que não são apenas os aparelhos com o sistema Android que estão vulneráveis.

Enfim, como então devemos proceder? Existe uma forma de estarmos seguros? Devo me desfazer do meu querido e inseparável smartphone?

A realidade é dura, pois na verdade ninguém está seguro, e não dá para nos imaginar sem nossos dispositivos. Assim, o melhor a fazer é criar um estado de alerta no mundo digital, buscando sempre medidas básicas de proteção e prevenção, como ler com atenção termos de uso de aplicativos, instalar e atualizar um software antivírus no aparelho, criar suas senhas seguras e controlar a impulsividade para não clicar em links suspeitos, e claro, procurar sempre ser conservador com suas informações online.

(Foto: Divulgação / AT - 20/03/2019)
(Foto: Divulgação / AT - 20/03/2019)

Eduardo Pinheiro é consultor de tecnologia da informação 


Olá, !

Esse é o seu primeiro acesso por aqui, então recomendamos que você altere o seu nome de usuário e senha, para sua maior segurança.



Manter dados