Cookies não suportados!

Você está utilizando um navegador muito antigo ou suas configurações não permitem cookies de terceiros.


Assine agora e tenha acesso ao conteúdo exclusivo do Tribuna Online!

esqueceu a senha? Assinar agora
Cookies não suportados!

Você está utilizando um navegador muito antigo ou suas configurações não permitem cookies de terceiros.

Netflix versus cinema. Vocês ainda não viram nada
Tribuna Livre

Netflix versus cinema. Vocês ainda não viram nada

Maninho Pacheco (Foto: Tribuna Livre)
Maninho Pacheco (Foto: Tribuna Livre)
Nova Iorque, 6 de outubro de 1927, Picadilly Theatre. Na tela, diante de um público que desconhecia o que lhe aguardava, o ator branco Al Jolson, pintado com tinta preta, interpreta um cantor de jazz negro. Próximo à metade do filme, Jolson olha para a câmera e diz, literalmente em alto e bom som, as primeiras palavras faladas do cinema: “Wait a minute! You ain't heard nothing' yet”. Algo como “Esperem um minuto. Vocês ainda não ouviram nada”. E canta uma canção.

O cinema aprende a falar. “The jazz singer” provoca um corte na história do cinema: a morte dos filmes mudos e o triunfo dos falados. A Sétima Arte jamais seria a mesma.

Cannes, 19 de maio de 2017, Palais des Festivals. Luzes se apagam. Projetor acionado. O icônico logotipo vermelho da Netflix ocupa toda a tela e apresenta a fábula anticapitalista com porcos mutantes “Okja”, de Bong Joon-ho. Vaias da plateia. A participação inaugural em festivais de cinema analógico de um filme digital produzido por uma empresa que trabalha exclusivamente com tecnologia streaming é marcada por forte reação contrária do público, o inverso do sucesso da exibição do primeiro filme falado.

Charles Chaplin foi quem melhor encarnou a resistência do cinema mudo contra o falado. Para ele, fala era uma regressão estética. O cinema já havia adquirido uma autonomia de linguagem ao construir uma narrativa própria, visual e universal. Mas havia uma dimensão política por trás da militância silente de Chaplin. Atacado pelas elites culturais pelo “baixo nível” dos seus filmes voltados para trabalhadores, imigrantes e desempregados, ele via na sonorização o enquadramento político e moral decisivo dos cinema pelos grandes estúdios: “Os ricos compraram o barulho”, sentenciou.

Noventa anos depois, Steven Spielberg incorporaria a militância chapliniana em repúdio às inovações do cinema. Torna-se a mais combativa e respeitada voz anti-Netflix. No Oscar deste ano, por pouco sua produção “Green Book: O Guia” perde a estatueta de melhor filme para o belo e improvável “Roma”, de Alfonso Cuarón. Preto e branco, diálogos minimalistas e em espanhol, “Roma” foi comprado pela Netflix e levou três Oscars (diretor, fotografia e filme estrangeiro). Uma surpresa não ter recebido o de melhor filme, cereja do bolo da premiação que Hollywood confere às produções exibidas em... Cinema. E “Roma” foi produzido originalmente para a TV. Se vencesse “Green Book”, decretaria o triunfo de uma mídia sobre a outra.

Spielberg entende que a Netflix não pode ficar tão perto de ganhar o grande prêmio de Hollywood quando não joga com as mesmas regras que os estudios tradicionais: sobretudo por lançar suas produções simultaneamente na plataforma doméstica e nos cinemas. Para ele, “uma vez que a Netflix se compromete com um formato de televisão deveria disputar o Emmy, não o Oscar. Aquilo é televisão, não cinema”.

Os 124 anos da história do cinema têm sido marcados por desafios. Som, cor, televisão, sistemas On Demand, apenas para citar algumas questões técnicas, emparedaram o cinema e o impuseram saídas para sobreviver.

Produções com selo Netflix, são apenas um desses emparedamentos. Seu grau de impacto só o tempo dirá. Parafraseando Al Jolson, nós ainda não vimos nada.

Maninho Pacheco é jornalista

Conteúdo exclusivo para assinantes!

Assine agora e tenha acesso ao conteúdo exclusivo do Tribuna Online!

Matérias exclusivas, infográficos, colunas especiais e muito mais, produzido especialmente pra quem é assinante.

Apenas R$ 9,90/mês
Assinar agora

últimas dessa coluna


Exclusivo
Tribuna Livre

Metamorfose profissional e o mercado corporativo

O mercado corporativo está passando por mudanças bruscas nos últimos anos. Com o avanço da tecnologia, as empresas estão se reinventando e procurando novos caminhos e soluções ligadas à transformação …


Exclusivo
Tribuna Livre

Reflexões sobre a Arte atual

As pinturas rupestres ou pré-históricas, reveladas ao público no séc. XIX, foram de início apontadas pelos darwinistas como fraudes dos criacionistas (aqueles que acreditam que animais e plantas …


Exclusivo
Tribuna Livre

A relação entre urbanismo e segurança pública

O que o urbanismo tem a ver com a segurança pública? Para muitas pessoas não existe uma relação entre o urbanismo e a segurança pública, mas veremos que ao contrário do que pensa a maioria das …


Exclusivo
Tribuna Livre

O segredo da pré-campanha está no almoço de domingo

No domingo, como bom genro, decidi fazer um churrasco de agrado à minha sogra. Próximo a nossa casa existe um açougue, entretanto, pego o carro e faço questão de atravessar a cidade para comprar os …


Exclusivo
Tribuna Livre

Educação com segurança

Na semana passada tivemos, aqui nos EUA, a volta às aulas. Após quase três meses de férias, que coincidem com o período do verão americano, todos os alunos retomaram suas rotinas de estudo. Não …


Exclusivo
Tribuna Livre

Educação com segurança

Na semana passada tivemos, aqui nos EUA, a volta às aulas. Após quase três meses de férias, que coincidem com o período do verão americano, todos os alunos retomaram suas rotinas de estudo. Não foi …


Exclusivo
Tribuna Livre

A odiosa Devassa e os impostos nos tempos modernos

Durante o Século XVIII, o Brasil-Colônia arcava com elevada carga tributa, que lhe impunha o nosso insaciável colonizador, a Coroa portuguesa. A aludida tributação recaía sobre tudo o que era …


Exclusivo
Tribuna Livre

A PMES e a Guerrilha do Caparaó

O movimento conhecido com “a Guerrilha do Caparaó” é citado por vários autores, como a primeira tentativa insurgência armada contra o regime militar feita por ex-militares cassados e alguns civis, …


Exclusivo
Tribuna Livre

Drama na educação superior pública

A lógica perversa imposta pelo governo às universidades públicas está visível para toda a sociedade. A situação financeira dramática da Universidade Federal do Espírito Santo (Ufes) é acompanhada com …


Exclusivo
Tribuna Livre

No rumo das boas expectativas

É certo em economia que os agentes econômicos adoram as boas expectativas e detestam as incertezas quanto ao futuro. Empresários de todas as áreas ficam sempre atentos quando se fala de aquecimento …


Olá, !

Esse é o seu primeiro acesso por aqui, então recomendamos que você altere o seu nome de usuário e senha, para sua maior segurança.



Manter dados