Cookies não suportados!

Você está utilizando um navegador muito antigo ou suas configurações não permitem cookies de terceiros.


Assine agora e tenha acesso ao conteúdo exclusivo do Tribuna Online!

esqueceu a senha? Assinar agora
Cookies não suportados!

Você está utilizando um navegador muito antigo ou suas configurações não permitem cookies de terceiros.

Ligados
Martha Medeiros
Martha Medeiros

Martha Medeiros


Ligados

Lembro como sofri quando, uns cinco anos atrás, as lâmpadas incandescentes começaram a ser retiradas do mercado a fim de dar lugar às fluorescentes, mais compatíveis com o projeto de eficiência elétrica nacional. Naquela época, eu ainda não sabia que existiam lâmpadas fluorescentes que reproduziam a calidez das incandescentes. Imaginava que eram todas brancas e frias, luz para pessoas jurídicas, luz de sala cirúrgica, de cartório, de salão paroquial.

Eu não conseguia aceitar. As pessoas à minha volta rendiam-se fáceis a elas, citavam benefícios como economia e durabilidade, argumentavam que a troca era um importante movimento rumo à melhor qualidade de vida, mas eu, desumana, só pensava no meu vício em abajures, na minha fixação por aconchego, por uma atmosfera romântica e poética da qual eu não admitia abrir mão.

Tinha noção, claro, de que o assunto era banal, nenhuma catástrofe, mas, sendo dependente de iluminação indireta, eu fazia estoque das incandescentes, buscando-as avidamente como se fosse uma consumidora de drogas.

Alguém me avisava que havia um restinho delas sendo vendidas num armazém onde Judas perdeu as botas e eu me tocava pra lá, emocionada por conseguir evitar a abstinência por mais um tempo, até que parei de encontrá-las e me rendi as fluorescentes, sem supor que viria a ter com elas uma relação estável e amorosa como com qualquer outra lâmpada. Quando vivemos a dor de uma separação, não conseguimos enxergar o futuro.

Resgatei essa história boba sobre lâmpadas ao pensar no tema sustentabilidade, uma palavra que tem variadas aplicações, mas que ainda deixa muita gente confusa, sem saber como aderir. Não tem mistério: em vez de jogar uma garrafa pet no mar (ou deixá-la jogada na areia, o que dá no mesmo), coloque a garrafa no lixo.

Pra ficar perfeito: separe o lixo seco do orgânico, para que a garrafa possa ser reciclada. Troque o carro pela bicicleta ou pelo transporte público (de vez em quando, ao menos).

Não jogue cigarro aceso na mata (se não fumar, melhor ainda). Feche a torneira enquanto escova os dentes. Use as mesmas toalhas do hotel por dois ou três dias seguidos.

Apague a luz (fluorescente) quando sair do quarto. Assim, de pequeno gesto em pequeno gesto, a gente colabora pra manter o meio ambiente a salvo por mais alguns milhões de anos, e não só por mais algumas décadas. Vem gente atrás, lembra?

Pois é, temos que lembrar. A lâmpada é o símbolo da reflexão, do despertar, do eureka! Do manter-se ligado. Deve ser por isso que comecei a coluna contando aquela história de fluorescentes e incandescentes. E deve ser por isso também que agora não sei como acabar o texto. Talvez porque a ideia central seja mesmo essa: não acabarmos.
 

Conteúdo exclusivo para assinantes!

Assine agora e tenha acesso ao conteúdo exclusivo do Tribuna Online!

Matérias exclusivas, infográficos, colunas especiais e muito mais, produzido especialmente pra quem é assinante.

Apenas R$ 9,90/mês
Assinar agora

últimas dessa coluna


Exclusivo
Martha Medeiros

Saber viver

Realizei um desejo antigo, o de passar um mês inteiro num apartamento em Paris, fingindo ser moradora da cidade. Paris é mágica: quanto mais tempo se permanece nela, mais linda ela se revela, cinco …


Exclusivo
Martha Medeiros

Depois que ela se vai

Oba, amanhã é dia de faxina! Esse é o comentário entusiasmado de quem deixou 17 copos sujos na pia, de quem não se deu o trabalho de desvirar o vaso de terra que foi derrubado pelo gato no tapete da …


Exclusivo
Martha Medeiros

Defeitos aceitáveis

Se você tem mais de dois anos de idade, sabe que ninguém é perfeito, nem mesmo papai e mamãe. E se tem de 15 para cima, está aprendendo a se adequar ao que o mercado afetivo oferece: pessoas …


Exclusivo
Martha Medeiros

Dar-se o luxo

Há quem celebre o aniversário do cãozinho com um garden party para 300 convidados, quem contrate meia dúzia de duplas sertanejas para cantar na formatura do caçula, quem encomende três vestidos de …


Exclusivo
Martha Medeiros

Ler por quê?

Recentemente lancei uma coletânea de crônicas e acabei participando de alguns eventos literários. Nessas ocasiões, costumo ser questionada sobre a importância da literatura. Nenhuma novidade: ler é …


Exclusivo
Martha Medeiros

Todos no mesmo barco

Avião. Ônibus. Carro. Qual o melhor meio de viajar? Todos, mas nunca considerei fazer um cruzeiro, até que recebi um convite sedutor. Seriam quatro dias navegando pelo rio Negro num tour literário. …


Exclusivo
Martha Medeiros

Só mudam de endereço

Eu o conheci, era um garoto francês que viveu dois anos na Austrália, depois trabalhou nas ilhas da Polinésia e então resolveu dar uma passada em sua antiga casa, em Brive-la-Gaillarde, onde sua mãe …


Olá, !

Esse é o seu primeiro acesso por aqui, então recomendamos que você altere o seu nome de usuário e senha, para sua maior segurança.



Manter dados