Cookies não suportados!

Você está utilizando um navegador muito antigo ou suas configurações não permitem cookies de terceiros.


Assine agora e tenha acesso ao conteúdo exclusivo do Tribuna Online!

esqueceu a senha? Assinar agora
Cookies não suportados!

Você está utilizando um navegador muito antigo ou suas configurações não permitem cookies de terceiros.

Drama na educação superior pública
Tribuna Livre

Drama na educação superior pública

A lógica perversa imposta pelo governo às universidades públicas está visível para toda a sociedade. A situação financeira dramática da Universidade Federal do Espírito Santo (Ufes) é acompanhada com apreensão pelos capixabas.

O que se evidencia em todas as instituições federais de ensino superior do País é o total desprezo dos atuais governantes com a educação.

Nesse cenário sombrio, o governo mostra que não vê o ensino como direito de todos, como assinala a Constituição. Assim, cresce o sentimento de repulsa e indignação diante do desmonte da educação superior pública.

A tragédia na educação brasileira deixa as universidades impossibilitadas de cumprir, sequer, os contratos que asseguram o seu funcionamento, como está ocorrendo com a Ufes.

Com 20 mil estudantes de graduação e três mil de pós-graduação, a Universidade mantém cerca de cinco mil pesquisas científicas e tecnológicas em andamento, e 850 programas de extensão realizam dois milhões de atendimentos em todos os municípios capixabas.

Além de formação acadêmica qualificada, a Ufes promove cultura, produz ciência e participa da formulação de políticas públicas para a melhoria da qualidade de vida da população. Essa conquista dos capixabas e dos brasileiros, construída ao longo de 65 anos, corre riscos se o governo não mudar a sua estratégia para a educação superior.

A Ufes tem buscado reduzir os impactos da crise com planejamento, redução de custos e ações permanentes de melhoria das práticas de gestão. As atividades essenciais seguem mantidas com gerenciamento de crise. Contudo, o quadro se agrava a cada dia. Recentemente, a Universidade foi forçada a suspender cerca de 1.100 bolsas de estudantes com atividades nas áreas de ensino, pesquisa e extensão.

Um triste cenário que envolve um público cuja maioria é de famílias em vulnerabilidade socioeconômica e que terá consideráveis dificuldades para continuar a busca do sonho da formação superior e alcançar mobilidade social. Ressalte-se que o perfil acadêmico mudou com as ações inclusivas na Ufes. Hoje, mais de 50% dos estudantes matriculados são de famílias de baixa renda, e que, antes, não tinham possibilidade de acesso à Universidade.

Todas as tentativas de interlocução com o Ministério da Educação mostram-se inúteis diante de tamanha falta de diálogo, empurrando as universidades para o colapso financeiro. O governo anuncia que os contingenciamentos de recursos e os bloqueios orçamentários representam “economia” para o Estado, porque entende, lamentavelmente, que o financiamento público em educação é “custo”, e não investimento no desenvolvimento socioeconômico do País. Assim, as universidades sofrem com a redução de suas atividades, e a qualidade dos serviços que presta à população encolhe.

O orçamento para investimentos públicos no País despenca ano a ano, fato que ocorre desde 2014, com o agravante da Lei do Teto de Gastos, que limita os recursos. Nesse ritmo, as perspectivas para 2020 são ainda piores, de acordo com os planos da equipe econômica do governo que, além de não encontrar soluções para o País, torna a crise mais complexa.

Cabe à sociedade, e particularmente às universidades públicas, reafirmar a sua capacidade de resistência ao caos que o governo instala na educação. É preciso defender a universidade pública como um valor da sociedade e vetor fundamental para o desenvolvimento do Brasil e para o futuro das novas gerações.

Reinaldo Centoducatte é reitor da Ufes.

Conteúdo exclusivo para assinantes!

Assine agora e tenha acesso ao conteúdo exclusivo do Tribuna Online!

Matérias exclusivas, infográficos, colunas especiais e muito mais, produzido especialmente pra quem é assinante.

Apenas R$ 9,90/mês
Assinar agora

últimas dessa coluna


Exclusivo
Tribuna Livre

Educação com segurança

Na semana passada tivemos, aqui nos EUA, a volta às aulas. Após quase três meses de férias, que coincidem com o período do verão americano, todos os alunos retomaram suas rotinas de estudo. Não …


Exclusivo
Tribuna Livre

Educação com segurança

Na semana passada tivemos, aqui nos EUA, a volta às aulas. Após quase três meses de férias, que coincidem com o período do verão americano, todos os alunos retomaram suas rotinas de estudo. Não foi …


Exclusivo
Tribuna Livre

A odiosa Devassa e os impostos nos tempos modernos

Durante o Século XVIII, o Brasil-Colônia arcava com elevada carga tributa, que lhe impunha o nosso insaciável colonizador, a Coroa portuguesa. A aludida tributação recaía sobre tudo o que era …


Exclusivo
Tribuna Livre

A PMES e a Guerrilha do Caparaó

O movimento conhecido com “a Guerrilha do Caparaó” é citado por vários autores, como a primeira tentativa insurgência armada contra o regime militar feita por ex-militares cassados e alguns civis, …


Exclusivo
Tribuna Livre

No rumo das boas expectativas

É certo em economia que os agentes econômicos adoram as boas expectativas e detestam as incertezas quanto ao futuro. Empresários de todas as áreas ficam sempre atentos quando se fala de aquecimento …


Exclusivo
Tribuna Livre

Estrabismo: um problema muito além da estética

Baixa autoestima, dificuldade de aprendizado, quedas constantes e o risco de perder parte da visão e comprometê-la por toda a vida são alguns inconvenientes enfrentados por crianças que convivem com …


Exclusivo
Tribuna Livre

Segurança Pública: responsabilidade de todos

É indiscutível o papel determinante das polícias na preservação da ordem pública, integrando obrigação constitucional dessas instituições, afiançar a segurança dos cidadãos em todos os seus aspectos. …


Exclusivo
Tribuna Livre

A leitura na formação humana

Certa vez ao ler uma frase compreendi, adequadamente, a importância da leitura em nossas vidas, a frase dizia: precisamos compreender que como o nosso corpo material precisa de alimento, o espiritual …


Exclusivo
Tribuna Livre

O desafio da maioria moral

O neofascismo não visa destruir a democracia como o fascismo da década de 20. Ele se caracteriza pelo esvaziamento da democracia liberal, daí a sua condição de democracia iliberal. O esvaziament…


Exclusivo
Tribuna Livre

Direito de aprender das pessoas com deficiências

Nos últimos anos, o poder público vem buscando ganhar centralidade no contexto da educação especial, por meio de preceitos legais e políticas inovadoras. Podemos considerar a Lei de Diretrizes e …


Olá, !

Esse é o seu primeiro acesso por aqui, então recomendamos que você altere o seu nome de usuário e senha, para sua maior segurança.



Manter dados