Cookies não suportados!

Você está utilizando um navegador muito antigo ou suas configurações não permitem cookies de terceiros.


Assine agora e tenha acesso ao conteúdo exclusivo do Tribuna Online!

esqueceu a senha? Assinar agora
Cookies não suportados!

Você está utilizando um navegador muito antigo ou suas configurações não permitem cookies de terceiros.

Disputas internas para herdar vaga na Prefeitura de Vitória
Plenário
Fabiana Tostes

Fabiana Tostes


Disputas internas para herdar vaga na Prefeitura de Vitória

O PSB e o PSL devem enfrentar disputas internas para definir qual será o nome a ser apoiado pela legenda na disputa à Prefeitura de Vitória. Hoje, os dois partidos têm mais de um nome cotado para disputar a cadeira ocupada pelo prefeito Luciano Rezende (Cidadania). E, sem acordo, a possibilidade é que haja mudanças, na janela partidária, em março.

O PSB, que faz parte da aliança com o Cidadania mas já garantiu que terá candidato próprio, aparece com três nomes: o deputado Sergio Majeski, o vereador Davi Esmael e o vice-prefeito Sérgio Sá. Isso, sem contar com o secretário de Vitória Nathan Medeiros, que é sondado para ser vice do deputado Fabrício Gandini (Cidadania). A falta de consenso entre eles teria causado até uma discussão entre Nathan e Davi.

O presidente do PSL, Carlos Manato, também se anima para disputar. Além dele, são cotados o deputado Torino Marques e Doutor Pinheiro. “Quem estiver melhor, vai”, disse Manato.

Dilema na Serra

Na Serra, o deputado Alexandre Xambinho (Rede) também tem interesse em disputar a prefeitura, mas até agora o prefeito Audifax Barcelos (Rede) não bateu o martelo de quem irá apoiar em sua sucessão.

Com isso, Xambinho já estaria sondando outras possibilidades, como mudar de partido. Quem o ronda de perto é o PRB.

Votação após recesso

O senador Marcos do Val apresentou na quarta-feira (10) seu relatório sobre o pacote anticrime e sugeriu duas alterações. Uma delas tira o termo “violenta emoção” na parte que trata de legítima defesa do policial, uma vez que a brecha poderia aumentar casos de feminícidio.

Porém, o relatório só será votado na volta do recesso parlamentar.

Dos trios para a política

O jovem Kauê Oliveira (PP) – filho do cantor Beto Kauê, que sempre anima o Carnaval de Piúma – também foi escolhido para participar do curso de formação política do RenovaBR. Ele tem 30 anos, é formado em Gestão Pública e já foi presidente do PP Jovem Nacional por dois anos.

Meia-entrada para doadores de sangue

A Comissão de Assuntos Sociais do Senado aprovou o projeto do senador Fabiano Contarato que concede meia-entrada nos espetáculos artísticos-culturais e esportivos para os doadores regulares de sangue de todo o Brasil.

Quer, com isso, aumentar o número de doadores (hoje em 1,6% da população). Projeto passa por outra comissão e depois segue para votação em plenário.

O desabafo de Rose

A Comissão de Constituição e Justiça do Senado aprovou projeto da senadora Rose de Freitas que determina o voto aberto nas eleições para o comando do Congresso. Rose aproveitou para desabafar, já que foi muito retaliada por não ter mostrado a cédula de votação na eleição que elegeu Davi Alcolumbre. “A demagogia prevaleceu no dia da votação da Mesa. Quando perguntada se o voto deveria ser aberto, eu me pronunciei e disse que deveria. Quando o Supremo determinou que (o voto) tinha de ser secreto, eu votei secreto.”

Galeria

Aprovados!

O PSB de Vitória entrega nesta quinta-feira (11) os certificados do curso de Introdução às Políticas Públicas, de capacitação a 25 filiados, realizado nos meses de junho e julho. O evento será no Hotel Aruan e contará com a participação do governador Renato Casagrande.

Didadãos do ódio
E não é que teve gente, nas redes sociais, comemorando a morte do jornalista Paulo Henrique Amorim?!

Cyberbulling em debate

O deputado Lorenzo Pazolini faz nesta quinta audiência pública sobre cyberbulling, com o especialista em Tecnologia e Segurança da Informação Gilberto Sudré. Às 15h, na Assembleia.

A vergonha que eu quero

Num país de 14 milhões de desempregados, o ministro-chefe do GSI, general Heleno, disse que tem vergonha do seu “baixo” salário como general. Ele recebe R$ 19 mil líquidos.


 

Conteúdo exclusivo para assinantes!

Assine agora e tenha acesso ao conteúdo exclusivo do Tribuna Online!

Matérias exclusivas, infográficos, colunas especiais e muito mais, produzido especialmente pra quem é assinante.

Apenas R$ 9,90/mês
Assinar agora

Olá, !

Esse é o seu primeiro acesso por aqui, então recomendamos que você altere o seu nome de usuário e senha, para sua maior segurança.



Manter dados