Cookies não suportados!

Você está utilizando um navegador muito antigo ou suas configurações não permitem cookies de terceiros.


Assine agora e tenha acesso ao conteúdo exclusivo do Tribuna Online!

esqueceu a senha? Assinar agora
Cookies não suportados!

Você está utilizando um navegador muito antigo ou suas configurações não permitem cookies de terceiros.

Deixa falar! Deixa viver!
Tribuna Livre

Deixa falar! Deixa viver!

De acordo com o Atlas da Violência 2019, divulgado pelo Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada (Ipea), a morte no Brasil tem cor, idade, gênero, classe social e nível de escolaridade. Ou seja, quem mais morre por morte violenta no Brasil são os homens negros jovens, pobres e de baixa escolaridade. A taxa de homicídio contra negros cresceu 33,1%, enquanto a de não negros aumentou 3,3%.

E há quem insista em afirmar que vivemos uma democracia racial. Isso não é verdade.

O racismo permeia as relações sociais e se manifesta, de modo geral, sutilmente, nas piadas e brincadeiras.

Esse foi um dos temas pesquisados e debatidos nas aulas de Sociologia em turmas de terceiro ano do Ensino Médio no mês de junho.

Essa aula rendeu muitas reflexões, sobretudo pelas narrativas carregadas de dor e sofrimento dos estudantes ao falar sobre as situações a que já foram expostos, dentro e fora da escola, devido à cor da pele.

Impossível não levar esse debate para a sala de aula, já que é a escola o lugar onde as diferenças se fazem presentes, diariamente, e onde também encontramos relações sociais marcadas pelo preconceito e pela discriminação.

E sendo a escola um espaço pedagógico temos a possibilidade de intervir e contribuir para a desconstrução dos preconceitos.

Uma estudante, emocionada, nos contou sobre o constrangimento que passou em uma loja ao ser seguida o tempo todo por um segurança. A narrativa dessa jovem emocionou a todos. E, segundo outros relatos, essa cena se repete o tempo todo.

Usando exemplos vistos em séries, falaram ainda sobre os cuidados que jovens negros precisam tomar para não serem confundidos com bandidos, já que há no imaginário social uma associação direta entre a negritude e a bandidagem, herança de anos de escravidão (importante lembrar que o Brasil foi o último país a abolir a escravidão, no século XIX).

O racismo também está presente no cotidiano da escola, mas, em muitas situações, é minimizado sob o rótulo de brincadeira e, talvez por isso, seja tão difícil agir em determinadas situações.

A cada vez que identificamos as “brincadeiras”, tentamos conscientizar os estudantes que para ser “brincadeira” é necessário que todas as partes envolvidas estejam se divertindo. Se há quem saia da situação constrangido, triste, humilhado, não é “brincadeira”. É violência e precisa de mediação, intervenção e conscientização.

Nas últimas semanas, percorreu as redes sociais a imagem de um professor da rede privada de ensino fazendo “blackface” (caracterização com estereótipos racistas), mostrando que nós, educadores, também precisamos estar mais atentos à forma como nos colocamos diante dos estudantes e do mundo.

É preciso compreender a dor do outro e agir de forma direta e objetiva contra toda e qualquer forma de violência.

Não podemos, de forma alguma, reforçar preconceitos e estereótipos. Nem com a melhor das intenções. A empatia precisa viver e crescer dentro de nós. Ou seja, não basta não ser racista. É preciso ser antirracista!

Por fim, concluímos que os jovens negros têm muito o que falar. Mas é preciso que a sociedade os deixe falar e os deixe viver!

Fabíola dos Santos Cerqueira é professora de Sociologia da rede estadual da Serra.

Conteúdo exclusivo para assinantes!

Assine agora e tenha acesso ao conteúdo exclusivo do Tribuna Online!

Matérias exclusivas, infográficos, colunas especiais e muito mais, produzido especialmente pra quem é assinante.

Apenas R$ 9,90/mês
Assinar agora

últimas dessa coluna


Exclusivo
Tribuna Livre

A nova cobertura dos benefícios do INSS

O Governo Federal poderá abrir uma concorrência para acabar com o monopólio do Instituto Nacional do Seguro Social (INSS) na cobertura dos chamados benefícios de risco não programados, como auxílio-d…


Exclusivo
Tribuna Livre

A pasta para dentes e a propaganda abusiva

No Ocidente, os egípcios e gregos foram os primeiros a compor uma mistura para limpar os dentes. A fórmula era bastante variada (cinzas, casca de ovo, pedra-pomes, ervas, carvão, hortelã...). …


Exclusivo
Tribuna Livre

A música romântica e a visão de mundo

Em 1995 escrevi algo sobre a as diferenças entre o romantismo pós-wagneriano e o estilo francês (impressionista, pós-impressionista, de Stravinsky, de Satie, etc). Hoje, retomo ao tema, estando …


Exclusivo
Tribuna Livre

Mercado de trabalho e o profissional do futuro

Com um mercado de trabalho que muda a cada dia, muitos profissionais ficam em dúvida sobre qual caminho seguir. Afinal de contas, vale a pena investir em uma profissão do futuro? Quando é o momento …


Exclusivo
Tribuna Livre

Isenção do “imposto sobre a herança” no Espírito Santo

Como defensor público titular da 2ª Defensoria de Órfãos e Sucessões de Cariacica efetuo diariamente orientações aos meus assistidos sobre as regras legais para a elaboração de inventários e …


Exclusivo
Tribuna Livre

Dragagem ainda não trouxe os resultados esperados

As obras de dragagem no Porto de Vitória foram concluídas em outubro de 2017. A tão esperada dragagem previa que o canal passaria de uma profundidade de 11,7 metros para 14 metros e de 11,7 metros …


Exclusivo
Tribuna Livre

A intolerância do preconceito

Mais uma vez, ficamos chocados com ondas de ataques simultâneos às pessoas inocentes, morrendo, sem motivo aparente, senão à cor que mais uma vez se manifesta diante do racismo radical, abalando a …


Exclusivo
Tribuna Livre

Competindo com eficiência

O Espírito Santo é o maior produtor mundial de pelotas de minério de ferro e o terceiro maior produtor de aço do Brasil, sendo que, juntos, os dois setores representam mais de 20% do PIB estadual, …


Exclusivo
Tribuna Livre

A polêmica “PL do saneamento”

Desde a edição da Medida Provisória (MP) 868 no ano passado, a necessidade de se estabelecer um novo Marco Regulatório sobre Saneamento Básico no País está em voga. É que na última década, os …


Exclusivo
Tribuna Livre

Tráfico de pessoas: um perigo que ainda ronda entre nós

Estimativas da Organização das Nações Unidas (ONU) consideram haver cerca de 2,5 milhões de vítimas de tráfico de seres humanos. Esse é um assunto de grande relevância mundial, pois criminosos …


Olá, !

Esse é o seu primeiro acesso por aqui, então recomendamos que você altere o seu nome de usuário e senha, para sua maior segurança.



Manter dados