Cookies não suportados!

Você está utilizando um navegador muito antigo ou suas configurações não permitem cookies de terceiros.


Assine agora e tenha acesso ao conteúdo exclusivo do Tribuna Online!

esqueceu a senha? Assinar agora
Cookies não suportados!

Você está utilizando um navegador muito antigo ou suas configurações não permitem cookies de terceiros.

Bebê de 2 anos sofre paralisia cerebral após se engasgar com fruta

Notícias

Cidades

Bebê de 2 anos sofre paralisia cerebral após se engasgar com fruta


Desde o ocorrido, Nathanael não enxerga, não anda e não fala (Foto: Reprodução / SBT)
Desde o ocorrido, Nathanael não enxerga, não anda e não fala (Foto: Reprodução / SBT)
Um bebê, de apenas dois anos e oito meses, se engasgou com um pedaço de maça e acabou sofrendo uma paralisia cerebral, em São Paulo. O acidente aconteceu no ano passado, mas desde o ocorrido, Nathanael não enxerga, não anda e não fala.

A mãe do garoto, Rosiane Silva, que trabalhava como auxiliar de limpeza, teve que abandonar o emprego para cuidar 24 horas do filho, porque ele precisa tomar mais de oito medicamentos por dia e se alimenta por meio de uma sonda.

No dia do ocorrido, Rosiane tinha acabado de chegar em casa após o trabalho e como os filhos estavam com fome, decidiu preparar uma comida rápida para eles. Porém, uma das filhas quis comer uma maça e deu um pedaço da fruta para Nathanael, que se engasgou e desmaiou segundos depois.

A criança teria ficado cerca de 30 minutos sem respirar e foi levada ao hospital, ficando internada por 45 dias em uma Unidade de Tratamento Intensivo (UTI) e, após um novo laudo médico, foi informado para a família que o menino teve sequelas graves irreversíveis.

Porém, a mãe com ajuda da comunidade onde mora, montou uma força tarefa com o objetivo de arrecadar dinheiro para o tratamento do filho, que custa cerca de 150 mil reais e só pode ser feito na Tailândia. Segundo a comerciante Michele Senhorini, que ajuda na ação, eles fazem almoço solidário, bingo beneficente, entre outras coisas e isso fez com que Nathanael voltasse a sorrir.

Um caso semelhante aconteceu em 2016, onde o menino Neihana, na época com um ano e dez meses, também acabou se engasgando com uma maça em uma creche da Nova Zelândia e teve paralisia cerebral. A mãe dele, assim como Rosiane, largou o trabalho para cuidar do filho, que agora ainda não consegue se movimentar totalmente.

Por conta deste ocorrido, o governo do país mudou a política alimentar da pré-escola, por isso, frutas e verduras só podem ser entregues descascadas, raladas ou trituradas para as crianças. Entretanto, no Brasil não há recomendações deste tipo, mas o médico Danilo Nanbú, alerta sobre o risco de dar alimentos crus ou difíceis de mastigar para menores de quatro anos.


Olá, !

Esse é o seu primeiro acesso por aqui, então recomendamos que você altere o seu nome de usuário e senha, para sua maior segurança.



Manter dados