Cookies não suportados!

Você está utilizando um navegador muito antigo ou suas configurações não permitem cookies de terceiros.


Assine agora e tenha acesso ao conteúdo exclusivo do Tribuna Online!

esqueceu a senha? Assinar agora
Cookies não suportados!

Você está utilizando um navegador muito antigo ou suas configurações não permitem cookies de terceiros.

A Copa Europa
Gilmar Ferreira
Gilmar Ferreira

Gilmar Ferreira


A Copa Europa

A qualidade dos jogos da Copa América reforça a tese que venho defendendo por aqui a respeito do aproveitamento nas seleções sul-americanas dos jogadores que cumprem o calendário europeu.

Principalmente nos torneios de meio de ano, que coincidem com o final de temporada nos principais campeonatos do Velho Continente.

Embora o número de jogos por lá seja menor do que o da temporada brasileira, e apesar de os clubes vizinhos aqui do continente terem carga mais racional do que a nossa, o futebol sul-americano perde cada vez mais autenticidade. E muitos técnicos já enxergaram que tudo é fruto da europeização dos principais jogadores. Tema sobre o qual a Conmebol deveria refletir.

Dos 22 jogadores que entraram em campo na noite de terça-feira (2), no Mineirão, para o clássico entre Brasil e Argentina, apenas dois (o goleiro Franco Armani, do River Plate, e o atacante Everton, do Grêmio) atuam num clube da América do Sul.

E, mais: dos 46 convocados pelos técnicos de ambos os países, oito não atuam no futebol europeu — três deles em ação em clubes mexicanos.

Ou seja: somente cinco (três brasileiros e dois argentinos) jogam o genuíno futebol sul-americano.

E, com um detalhe: dois destes são goleiros: o corintiano Cássio e argentino Agustín Marchesín, do América do México.

É muito pouco para uma competição que deveria estar mostrando ao mundo o estilo que se joga no continente em questão.

Dia desses, numa mesa redonda entre os técnicos, promovida pelo canal “Fox Sports”, o sempre polêmico Vanderlei Luxemburgo levantava uma tese interessante. Para ele, o fato de os jogadores brasileiros estarem deixando o País ainda sem terem fechado o ciclo da formação está refletindo no futebol que a Seleção tem apresentado.

Porque, lá fora, o jogador não deve dar mais do que três toques na bola.

Os europeus priorizam o jogo coletivo, em detrimento do individualismo, e essa rigidez tira do jogador ainda em formação a coragem do improviso no drible — salvo, é claro, do extraclasse.
Caso de Neymar, por exemplo, que deixou o Santos com 21 anos, já formado e campeão da Libertadores.

As federações dos países sul-americanos montam suas seleções com jogadores em final de temporada e acostumados com o jogo coletivo que se pratica em gramados europeus e vêm disputar a Copa América, que para eles não tem mais sentido.

Este troféu não tem mais nenhuma representatividade para a carreira deles.

Conteúdo exclusivo para assinantes!

Assine agora e tenha acesso ao conteúdo exclusivo do Tribuna Online!

Matérias exclusivas, infográficos, colunas especiais e muito mais, produzido especialmente pra quem é assinante.

Apenas R$ 9,90/mês
Assinar agora

últimas dessa coluna


Exclusivo
Gilmar Ferreira

Minhas impressões

O Flamengo foi o maior beneficiado da 15ª rodada, combinando a vitória sobre o Vasco, em Brasília, com a derrota do Santos de Sampaoli para o Cruzeiro de Rogério Ceni, em Belo Horizonte, e com o 1 a …


Exclusivo
Gilmar Ferreira

O fair-play financeiro

Um milhão de dólares. Este é o valor que os alemães do Bayern Munique oferecem de salários a Philippe Coutinho, livres de impostos, para um contrato de 12 meses. Para isso, basta que ele e seus …


Exclusivo
Gilmar Ferreira

Mais do mesmo

Tite faz nesta sexta-feira (16) a primeira convocação da Seleção Brasileira após a conquista da Copa América, reunindo 23 jogadores para amistosos contra Colômbia e Peru nos dias 6 e 10 de setembro, …


Exclusivo
Gilmar Ferreira

A surpresa da vez

Sem opções, diante de importantes desfalques, Eduardo Barroca deverá recorrer a mais um jovem que trabalhou com ele na categoria sub-20 do Botafogo: o volante Rickson, de 21 anos, deverá ocupar a …


Exclusivo
Gilmar Ferreira

O passo certo...

O colombiano Yony González, de 25 anos, chegou ao Fluminense no início do ano como aposta. Apesar das boas atuações pelo Junior Barranqüila, sobretudo na Sul-Americana vencida pelo Athlético/PR, o …


Exclusivo
Gilmar Ferreira

Gabigol e Balotelli

O presidente Rodolfo Landim disse em sua entrevista exclusiva ao canal Fox Sports que as avaliações de compra e venda de jogadores do Flamengo obedecem a critérios prioritariamente mercadológicos. E …


Exclusivo
Gilmar Ferreira

Minhas impressões

Tão preocupante quanto o número de jogadores que se machucaram em julho, ao longo dos sete jogos em 21 dias, é o fato de que agora em agosto o Flamengo terá de fazer quatro partidas em 11 dias. É …


Exclusivo
Gilmar Ferreira

O carro-chefe da emoção

O futebol, esse esporte da preferência nacional, é tão mágico e sedutor que nem mesmo um possível insucesso no gramado é capaz de desmistificá-lo. Porque sua beleza não está apenas no “perde e ganha” …


Exclusivo
Gilmar Ferreira

A confiança como arma

O dia foi de tanta especulação no Flamengo que nem pareceu véspera de um jogo importante e atípico no ano do clube. Como a janela para o registro de novas transferências internacionais se fecha hoje, …


Exclusivo
Gilmar Ferreira

Minhas impressões: a rodada dos cariocas no Brasileirão

A liderança do Santos, com o Flamengo reduzindo para cinco pontos a diferença que o separa da ponta da tabela, renova o brilho do Brasileirão. O desempenho do Palmeiras caiu assustadoramente em …


Olá, !

Esse é o seu primeiro acesso por aqui, então recomendamos que você altere o seu nome de usuário e senha, para sua maior segurança.



Manter dados